A prática como componente curricular nos cursos de formação de professores: reflexões compartilhadas

Terezinha Bazé de Lima, Márcia Rita Trindade Malheiros

Resumo


O presente estudo discute a questão da formação de professores no Brasil, em especial no tocante à Prática como Componente Curricular. Articula-se a discussão com base nas políticas públicas para a formação de professores, em especial, as Resoluções do Conselho Nacional de Educação n. 1 de 2001 e n. 2 de 2002, e, como opção teórica à leitura do cotidiano docente na construção de sua trajetória profissional. Destaca-se que a polarização teoria-prática exige uma postura tencionada sobre elas, objetivando tornar a teoria o mais real possível, instalando uma escola reflexiva. O artigo aponta ainda a importância em discutir a formação do professor na perspectiva de que se estabeleçam relações entre o pessoal e o social, o coletivo e o individual, considerando que a formação do professor tem início antes de sua incursão na vida acadêmica permanecendo em toda a sua atividade profissional; a vinculação das atividades acadêmicas à vida profissional, além da questão da profissionalização docente. É ainda indispensável pensar o professor como um pesquisador em ação, ressaltando que a prática não pode ficar reduzida à execução de tarefas, e sim aliar saberes e fazeres docentes em prol da formação de sujeitos críticos e socialmente participativos.Em um exame crítico das resoluções em estudo, não é possível deixar de considerar o limitante aligeiramento dos cursos, desconsiderando a necessidade da formação de uma base sólida na leitura de mundo na formação do professor para o século XXI, com base no paradigma emergente.

Palavras-chave


Currículo da formação de professores. Políticas públicas. Prática como componente de formação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, Isabel (org.). Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto

Alegre: ArtMed, 2001.

CALDEIRA, Ana Maria Salgueiro. A Apropriação e Construção do Saber

Docente e a Prática Cotidiana. Cadernos de Pesquisa.São Paulo: Cortez,

nº.95, p.5-12, nov.,1995.

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. Trad. Álvaro Lorencini. São

Paulo: UNESP,1999.

CARVALHO, Adalberto A V. Dias de. Das ciências da educação à ciência

da educação. In: Revista de Educação Pública. [s.l]. ano I, n. 01, out. 1992. p. 7-12.

CAVACO, Maria Helena. Ofício do professor: o tempo e as mudanças. In:

NÓVOA, António (org.). Profissão Professor. 2. ed. Porto: Porto Editora,

p. 155-191.

FERNANDES, Cleoni Maria Barboza; FERNANDES, Sônia Regina de

Souza. As questões da prática pedagógica como componente curricular nas licenciaturas. UNISINOS / CNPq/CAPES. Disponível em:

http://www.anped.org.br/reunioes/28/textos/gt04/GT04-1218--Int.rtf

Acesso em 23/09/08.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. Trad. Carlos Nelson Coutinho e

Leandro Konder. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

LARROSA, Javier. Literatura, experiência e formação. In: COSTA, M. V.

Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Rio de

Janeiro: DP&A, 2002, p. 133-160.

LIMA, Terezinha Bazé de. Formação de professores pesquisadores. Revista Arandu. Dourados, Volume 7, Nº 27, p. 62 à 76, fev./abr. de 2004.

MOHR, Adriana; SOUZA, SuzaniCassiani de. A prática como componente

curricular. Membros do Colegiado do Curso de Ciências Biológica/UFSC.

Disponível em: http://www.cienciasbiologicas.ufsc.br/reforma/pratcbio.pdf Acesso em

/09/08.

OSÓRIO, Antônio Carlos do Nascimento. Formação de Professores:

relações de poder e punições sociais. In: OSÓRIO, Alda Mª do N. (org.).

Trabalho Docente: os professores e sua formação. Campo Grande: Ed.

UFMS, 2003.

SANTOS, Lucíola Licinio de C. P. Formação do professor e pedagogia

crítica. In FAZENDA, Ivani (org.). A pesquisa em educação e as

transformações do conhecimento.Campinas: Papirus, 1995.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Lições de Didática. Campinas: Papirus,




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.