Educação e Fronteiras https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao <p>A revista <em>Educação e Fronteiras </em>é uma publicação quadrimestral de caráter interinstitucional coordenada pela UFGD por meio dos grupos de pesquisa “História da educação, memória e sociedade”, “Política e gestão da educação” e “Educação e diversidade” em parceria com as seguintes instituições de ensino do estado de Mato Grosso do Sul e seus respectivos grupos de pesquisa: UFMS/CPAN, “Políticas, práticas institucionais e exclusão/inclusão social” e “Formação de educadores e diversidade”, e UEMS, “Linguagem, literatura, educação e sociedade” e “Teorias e práticas educacionais”.</p> <p><br /><br /><br /><br /><strong>Qualis:</strong> B2 (<a title="Outros estratos" href="https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/about/editorialPolicies#custom-2" target="_blank" rel="noopener">Outros estratos</a>)<br /><strong>Área do conhecimento:</strong> Educação<br /><strong>Ano de fundação:</strong> 2010<br /><strong>e-ISSN:</strong> 2237-258X<br /><strong>Título abreviado:</strong> Ed. Front.<br /><strong>E-mail:</strong> <a href="mailto:%61%6c%65%73%73%61%6e%64%72%61%66%75%72%74%61%64%6f@%75%66%67%64.%65%64%75.%62%72">alessandrafurtado@ufgd.edu.br</a><br /><strong>Unidade:</strong> FAED<br /><strong>Prefixo DOI:</strong> 10.30612</p> <p> </p> UFGD pt-BR Educação e Fronteiras 2237-258X A educação de adultos na democracia Brasileira e Portuguesa https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16494 <p>A investigação tem como objetivo compreender o espaço que a educação de adultos ocupa na perspectiva da ação política, através da análise das propostas dos vários partidos políticos, expressas nos planos de governo das últimas eleições presidenciais, no Brasil (2018), e nos programas eleitorais das últimas eleições legislativas, em Portugal (2019). A questão orientadora da problematização é a seguinte: Qual o lugar que a educação de adultos assume nos planos de governo dos partidos políticos do Brasil e Portugal? Do ponto de vista metodológico optou-se pela abordagem qualitativa, com recurso à análise de conteúdo dos planos políticas eleitorais. A investigação permitiu identificar, tanto na arena político-partidária brasileira como na portuguesa, que as propostas de políticas públicas de educação de adultos, quando identificadas, assumem um conjun- to diversificado de finalidades. Evidencia-se a tendência de um campo de educação de adultos for- temente associado a um conjunto de intenções políticas baseadas na perspectiva da Aprendizagem ao Longo da Vida, traduzida na instrumentalização da educação ao serviço do desenvolvimento económico.</p> Ana Claudia Dantas Cavalcanti Rúben Manuel Amores Marreiros Sara Castanheira de Carvalho Pereira Saraiva Carmen de Jesus Dores Cavcoco Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021010 e021010 10.30612/eduf.v11iesp.1.16494 Protagonismo Juvenil https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16496 <p>Este artigo tem como objetivo partilhar experiências desde as rodas, danças e brincadeiras das culturas brasileiras, reconhecendo estes lugares enquanto espaços potentes para exercitarmos um projeto de educação que valorize e reconheça diferentes saberes. Então, fundamentadas nas nossas trajetórias, experiências e em diálogo com autores e autoras construiremos os caminhos para o diálogo neste trabalho. Sabendo que aprendemos e ensinamos a todo o tempo, em diferentes espaços, e que a vida é oportunidade de compartilhar saberes e experiências, apresentamos aqui algumas reflexões desde as nossas experiências em educação envolvendo temas como a ludicidade, coletividade, relações étnico-raciais e brincadeiras. Como resultados desta trama tecida a tantas cores, desenhos e possibilidades, desejamos ampliar caminhos para que cada vez mais possamos exercer com responsabilidade nosso fazer pedagógico e que este seja pluriversal, reconhecendo e respeitando a diversidade de saberes.</p> Assis Leão da Silva Maria Dayana Lopes de Oliveira Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021011 e021011 10.30612/eduf.v11iesp.1.16496 Gestão participativa em escolas quilombolas https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16498 <p>O artigo apresenta um estudo sobre o papel das comunidades quilombolas do Gurugi (1 e 2) e Ipiranga na descolonização da gestão escolar. Teve como espaço investigativo o município de Conde-PB, situado na mesorregião da Mata Paraibana, no litoral sul da microrregião de João Pessoa-PB. Utilizou-se os Relatórios de Aulas-Campo (diálogo entre a comunidade quilombola e estudantes e docentes dos Cursos de Pedagogia e Pedagogia do Campo sobre a história da comunidade e a relação comunidade-escola); O Projeto Político e Pedagógico da Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental José Albino Pimentel; Dados do INEP e narrativas da gestora em documentos escolares. A reflexão sobre os achados aponta que a participação direta da comunidade no espaço escolar contribui significativamente na gestão democrática e nos índices de qualidade escolares.</p> Ancelmo Rodrigues da Silva Ana Paula Romão de Souza Ferreira Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021012 e021012 10.30612/eduf.v11iesp.1.16498 Concepções de alfabetização nas pesquisas em políticas educacionais https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16500 <p>O artigo analisa políticas de alfabetização no contexto brasileiro. Por meio de estudo bibliográfico, levantou-se as pesquisas a respeito das distintas concepções de alfabetização presentes nas políticas educacionais voltadas para este tema. Tal concepçãoindica o caminho a ser per corrido para a efetivação do seu objetivo principal: a aquisiçãoda linguagem por parte da totalidade de crianças na faixa etária até os 8 anos de idade. Conclui-se que a democratização da aquisição da linguagem por parte dos estudantes, além de ser uma questão teórica, de método ou técnica, é relativa ao âmbito local, espaçocomplexo que envolve diversos atores, formas e processos, que potencializam a escolha criativa de diferentes caminhos que permitem a qualificação dos processos educativos e,particularmente, de alfabetização.</p> Alice Miriam Happ Botler Pollyanna Nunes de Oliveira Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021013 e021013 10.30612/eduf.v11iesp.1.16500 A lógica do capital e seus reflexos sobre as políticas de formação continuada dos professores da educação básica https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16501 <p>O artigo trata das políticas educacionais, precisamente, a política de formação continuada dos professores da educação básica nacional e no Estado de Pernambuco. No Estado estão inseridas no Programa Pacto Pela Educação, tido pelo governo como política pública de impacto social e colocado no âmbito dos temas estratégicos para desenvolvimento do Estado. Realizamos análise do ordenamento legal nacional e estadual e do ordenamento curricular estadual que tratam da temática e percebemos que as políticas estão pautadas pela lógica do capital, tendo por base a política de responsabilização que agrega meritocracia e gerencialismo, com foco nas avaliações externas, nos índices educacionais e distribuição de bônus - o que acaba por operacionalizar uma desqualificação do trabalho docente e da escola, representando a manutenção e reprodução das relações sociais dominantes, ligadas à teoria do capital humano, travestido de defesa do direito de aprender. Por fim, reafirmamos a defesa de uma demanda histórica da categoria por política de formação e de valorização dos profissionais, capaz de articular formação inicial e continuada, com condições básicas de trabalho, articulada com a luta mais geral da política educacional no país, a partir de referências que coloquem a educação para além da lógica do capital.</p> Áurea Augusta Rodrigues da Mata Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021014 e021014 10.30612/eduf.v11iesp.1.16501 A efetividade do Fundeb https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16502 <p>Em 2020, chega ao fim a vigência do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), completando um ciclo de quase um quarto de século de política de financiamento da educação com base em fundos estaduais, englobando estados e seus municípios, além de uma complementação da União. Este artigo investiga a efetividade do Fundeb na rede educacional do estado da Paraíba (2007-2019) em relação à sua capacidade de apresentar resultados condizentes com o seu objetivo de atender às necessidades da manutenção e do desenvolvimento do ensino básico, em harmonia com a perspectiva do atendimento do direito à educação assegurado na Constituição Federal. O estudo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa embasada numa proposta metodológica que empreendeu uma pesquisa bibliográfica e documental, além de uma coleta de dados financeiros e educacionais. Empregou-se como referencial teórico para fundamentar a pesquisa autores que abordam a temática em tela, como Amaral (2012), Lima (2006), Martins (2011), Pinto (2015; 2018) e Sousa Júnior (2006). Constatou-se na pesquisa que, apesar de o Fundeb ter garantido um fluxo regular, automático e crescente de recursos financeiros para a rede estadual de educação paraibana, os indicadores de eficiência e rendimento educacional apresentaram avanços e melhorias limitadas, bem como não ocorreu uma efetividade em estimular a ampliação da oferta da educação básica na rede estadual paraibana de modo a atender o direito à educação de todos os cidadãos.</p> Luiz de Sousa Junior Damião de Lima Sérgio Andrade de Moura Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021015 e021015 10.30612/eduf.v11iesp.1.16502 Nova gestão pública e formação de gestores escolares em Pernambuco https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16506 <p>A Nova Gestão Pública surge como um modelo de gestão da coisa pública que se pauta no viés gerencialista, tendo como objetivo tornar o Estado mais eficiente, eficaz e econômico, assim como, fomentar espaços de maior participação e responsabilização na busca de resultados. A NGP vem se consolidando como base para a reestruturação dos sistemas. Pernambuco promove uma formação para os gestores escolares de sua rede que materializa uma gestão baseada na cultura dos resultados, na meritocracia e na bonificação. O estudo se baseia na Análise Social do Discurso. De acordo com Fairclough (2001), o estudo busca compreender de que forma o discurso estrutura as relações de poder na sociedade, considerando o discurso como prática social. A pesquisa apresenta como o governo de Pernambuco faz uso dos mecanismos do discurso para atrelar o processo de participação dos professores, num curso de formação de gestores escolares, em um instrumento para construir a qualidade da educação na rede pública, numa perspectiva gerencialista. Essa discussão se apresenta em contextos relevantes, na medida em que está se vivenciando o panorama das avaliações externas como único meio de aferição da qualidade da educação na forma dos índices educacionais. O estudo analisa a estrutura do programa, as medidas adotadas para a educação no tocante às avaliações externas e o quanto este panorama tem reverberado na organização da gestão escolar.</p> Iágrici Maria de Lima Maranhão Luciana Rosa Marques Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021016 e021016 10.30612/eduf.v11iesp.1.16506 Formação do gestor escolar em Pernambuco https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16508 <p>O objetivo deste artigo é analisar as concepções de gestão escolar presentes nos processos de formação de diretores, com recorte para o Programa de Formação de Gestores de Pernambuco - PROGEPE, desenvolvido no período de 2012 a 2019. Utilizou-se como metodologia a teoria de análise de política fundamentada em Muller &amp; Surel e a análise de discurso de Norman Fairclogh, no sentido de identificar e analisar elementos da política de gestão da educação e como essa influenciou a constituição do processo de formação dos gestores na Rede Estadual. Retoma-se os embates em torno do conceito de gestão escolar democrática e as recentes correntes do gerencialismo de resultado na educação. Em Pernambuco, neste período, foi observado um processo político de disputa em torno da gestão democrática e, apoiado pelo PROGEPE um avanço significativo de ideias gerenciais para a gestão educacional. </p> Luiz Alberto Ribeiro Rodrigues Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021017 e021017 10.30612/eduf.v11iesp.1.16508 Pedagogia da alternância e a curricularização da extensão popular na formação inicial de professores https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16509 <p>A formação de professores requer um olhar sobre a concepção de educação; as instituições formadoras, a docência universitária e a articulação entre ensino, pesquisa e extensão. Deve contemplar princípios da ética e autonomia, na construção de uma prática contextualizada que desenvolva as potencialidades do educando, para o exercício da profissão docente e da cidadania numa perspectiva Interdisciplinar e planetária. A formação dos educadores do campo requer um olhar sobre a identidade dos sujeitos do campo, a cultura local, os contextos e a sustentabilidade. O processo de formação deve mobilizar saberes científicos, técnicos, pedagógicos e possibilitar o diálogo intercultural. Neste artigo temos por objetivo analisar a formação de educadores do campo no âmbito do PRONERA, no curso de Licenciatura em Geografia do Campus Mata Norte, através da curricularização da extensão universitária com base na Pedagogia da Alternância. A pesquisa de abordagem qualitativa foi desenvolvida para analisar as atividades realizadas pelos educandos no tempo-comunidade. Recorremos à pesquisa bibliográfica e documental como método de procedimento para coleta dos dados e análise do conteúdo dos relatórios apresentados pelos grupos pesquisados. Os resultados revelaram que a pedagogia da alternância promove a articulação com os saberes e o diálogo intercultural entre a comunidade local e a universidade. A curricularização da extensão popular na formação inicial possibilitou a imersão dos educandos na comunidade local e a construção da identidade profissional docente, no contexto local, em áreas de reforma agrária.</p> Ana Maria Sotero Pereira Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021018 e021018 10.30612/eduf.v11iesp.1.16509 A concepção de gestão no planejamento da educação https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16513 <p>Este estudo tem como objetivo apreender o planejamento educacional e como a concepção de gestão democrática e de concepção de gestão gerencial nele se apresentam na literatura educacional, isso por meio de pesquisa qualitativa, a partir de estudos bibliográficos. Para tanto, utilizamos como fontes bibliográficas artigos, livros e capítulos de livros que tratam da gestão democrática, da gestão gerencial e do planejamento educacional. Num primeiro momento abordamos a gestão democrática e a gestão gerencial da educação; e, a seguir, o planejamento educacional e como as mencionadas concepções de gestão nele se apresentam. Concluímos que o planejamento educacional contribui para a organização da gestão educacional, já que possibilita traçar metas e objetivos a serem alcançados para a melhoria da qualidade da educação. Quando apresenta uma concepção de gestão democrática intenta a formação crítica dos cidadãos, pois proporciona a participação no processo de planejamento, definindo o caminho que propicie condições de edificação coletiva das ações no âmbito educacional, conforme os anseios da sociedade, concorrendo para a transformação social. Já quando tem uma concepção de gestão gerencial, é elaborado apenas pelo Estado e nesse processo admite a participação da sociedade parcialmente, apenas tomando parte da implementação, de forma racionalizada, e não da elaboração do planejamento.</p> Pamela Caetano Gimenes Andréia Vicência Vitor Alves Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021019 e021019 10.30612/eduf.v11iesp.1.16513 A gestão do Programa Escolas Interculturais de Fronteira (PEIF) na fronteira do Brasil com o Paraguai https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16517 <p>A presente pesquisa objetiva analisar a gestão do Programa Escolas Interculturais de Fronteira, como uma política educacional de formação de professores, específica para região de fronteira. Em aspectos metodológicos, buscou-se na avaliação de uma política educacional e seus possíveis impactos (BAKER, 2000) e na pesquisa documental (CELLARD, 2008) responder ao pro- blema: A gestão do PEIF, como uma política de formação de professores, atingiu seu objetivo na educação em região de fronteira? Para tanto, organizou-se o artigo em três seções, onde a primeira identifica o lócus de pesquisa, ou seja, a fronteira seca do Brasil com o Paraguai. Já a segunda se- ção evidencia como surgiu o Programa Escolas Interculturais de Fronteira (PEIF) e seus principais desafios. A terceira seção expõe a organização da parceria estabelecida entre Ministério da Edu- cação (MEC), Universidades e escolas de fronteira que aderissem ao Programa. As considerações finais evidenciam que há desafios na política voltada para a educação de fronteira, contudo trouxe um ressignificado para as especificidades regionais.</p> Mara Lucinéia Marques Correa Bueno Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021020 e021020 10.30612/eduf.v11iesp.1.16517 Homenagem póstuma a Luiz Souza Júnior https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16518 <p>.</p> Ana Claudia Dantas Cavalcanti Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021022 e021022 10.30612/eduf.v11iesp.1.16518 Editorial, v. 11, n. esp. 1, 2021 https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16503 Alessandra Cristina Furtado Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021008 e021008 10.30612/eduf.v11iesp.1.16503 Políticas educativas, gestão e participação https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16505 Ana Claudia Dantas Cavalcanti Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021009 e021009 10.30612/eduf.v11iesp.1.16505 Resenha https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16519 <p>Resenha-se neste texto o livro Ensino médio em reformas: trabalho, políticas, cotidiano, de Jean Mac Cole Tavares Santos, Elione Maria Nogueira Diógenes e Rosemeire Reis (2012). A leitura crítica desta obra resultou em um esforço de síntese que tem sua materialização neste texto. As preocupações, os objetos e as perspectivas dos autores se encontram em constante diálogo ao longo do livro e é exatamente este diálogo o responsável pelo enfrentamento de questões caras às históricas problemáticas em torno do ensino médio brasileiro em suas interfaces com as políticas públicas.</p> Camila Ferreira da Silva Copyright (c) 2021 Educação e Fronteiras https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-10-30 2021-10-30 e021021 e021021 10.30612/eduf.v11iesp.1.16519