“Professora, não entendi o problema!” Conversando sobre a interpretação de enunciados que envolvem volume de sólidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13827

Palavras-chave:

Resolução de problemas, Ensino médio, Volume de sólidos

Resumo

“Professora, não entendi o problema! O que ele está dizendo?” Essas e outras expressões costumam ser recorrentes em aulas de matemática quando se trabalha com resolução de problemas, principalmente quando em situações que exigem mais leitura e interpretação. Por isso, discute-se, neste artigo, dificuldades apresentadas por estudantes da terceira série do ensino médio quando interpretam enunciados complexos de problemas do ENEM que envolvem volume de sólidos. A partir dos estudos de Polya (1973) e Autor 2, analisa-se dados de um estudo de caso qualitativo, desenvolvido em 2019 com 61 estudantes de uma escola estadual de Itapemirim/ES. Os resultados apontaram que a resolução de problemas pautada na identificação de atributos relevantes auxilia na interpretação de enunciados complexos e possibilita a identificação e a compreensão dos conceitos matemáticos implícitos. Além disso, promove a interação ativa e reflexiva entre professor e aluno durante o processo de produção do conhecimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lais Scorziello Feitosa da Silva, Ifes Campus Cachoeiro de Itapemirim

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (2020). 

Thiarla Xavier Dal-Cin Zanon, Ifes campus Cachoeiro de Itapemirim

Doutora em Educação pela UFES na linha de Educação e Linguagens, sublinha de Educação e Linguagem: Matemática (Educação Matemática), 2019. Mestre em Educação pela UFES na linha de Educação e Linguagens, sublinha de Educação e Linguagem: Matemática (Educação Matemática), 2011. Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pelo Centro Universitário São Camilo Espírito Santo (2005) e graduação em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade de Uberaba/MG (2010). Especialista em Matemática pela FIJ - Faculdades Integradas de Jacarepaguá, Rio de Janeiro/RJ, em Educação Infantil pela UCB - Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro/RJ e em Gestão Escolar Integradora pelo Instituto Brasileiro de Educação - IBE. É professora do Curso Superior de Licenciatura em Matemática do Instituto Federal do Espírito Santo - IFES, Campus Cachoeiro de Itapemirim/ES. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, Educação Matemática, Gestão Educacional e em Matemática. 

Rônei Sandro Vieira, Ifes campus Cachoeiro de Itapemirim

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa (1995), mestrado em Equações Diferenciais Parciais (EDP) pela Universidade Federal de Minas Gerais (1999) e doutorado em EDP pela Universidade Estadual Paulista. É professor do Curso de Licenciatura em Matemática do IFES - Instituto Federal do Espírito Santo. Realiza pesquisa nas áreas de EDP e educação matemática.

Referências

Brasil. (2000). Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais (Ensino Médio). Parte III - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Ministério da Educação.

Brasil. (2018). Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação.

Ferreira, A. B. de H. (2006). Mini Aurélio: o dicionário da Língua Portuguesa. 6. ed. Curitiba: Positivo.

INEP. (2018) . Enem: provas e gabaritos. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/provas-e-gabaritos>. Acesso em: 05 fev. 2019.

Lima, E. L. (1991). Medida e forma em geometria: comprimento, área, volume e semelhança. Rio de Janeiro: Graftex.

Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Morais, R. dos S.; Onuchic. L. de la R. (2014). Uma abordagem histórica da resolução de problemas. In: Onuchic, L. de la R.; Allevato, N. S. G.; Noguti, F. C. H.; Justulin, A. M. (Org.). Resolução de problemas: teoria e prática. Jundiaí: Paco, p. 17-34.

Polya, G. (1973). A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Rio de Janeiro, Interciência. (A obra foi publicada originalmente em 1945.)

Severino, A. J. (2016) Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez.

Smole, K. C. S.; Diniz, M. I. (2001). Ler e aprender matemática. In: Smole, K. C. S.; Diniz, M. I. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. São Paulo: Artmed, p. 69-86.

Sturion, B. C.; Amaral-Schio, R. B. (2019). BNCC do ensino médio: um olhar sobre os conteúdos de área e volume nos livros didáticos de matemática. Tangram – Revista de Educação Matemática. Dourados-MS, v. 2, n. 3, p. 88-102, 2019.

Suydam, M. N. (1997). Desemaranhando pistas a partir da pesquisa sobre resolução de problemas. In: Krulik, S.; Reys, R. E. (Org.). A resolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual, p. 49-73.

Zanon, T. X. D. (2019). Imagens conceituais de combinatória no ensino superior de matemática. 333f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

Scorziello Feitosa da Silva, L., Xavier Dal-Cin Zanon, T., & Sandro Vieira, R. (2022). “Professora, não entendi o problema!” Conversando sobre a interpretação de enunciados que envolvem volume de sólidos. TANGRAM - Revista De Educação Matemática, 5(4), 25–47. https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13827

Edição

Seção

Artigos