Ensinar e aprender multiplicação: uma proposta com alunos surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13583

Palavras-chave:

Educação Matemática, Multiplicação, Surdo

Resumo

O artigo é resultado de uma pesquisa de mestrado cujo objetivo foi compreender o processo de construção do conceito multiplicativo por um grupo de alunos surdos. A pesquisa teve caráter qualitativo, sendo a produção de dados realizada em oito encontros, entre 2017 e 2018. Os sujeitos foram um grupo de alunos surdos do 5º ano do Ensino Fundamental e nas atividades foram utilizados materiais concretos. O aporte teórico foi a Teoria dos Campos Conceituais, de Vergnaud e a Teoria da Aprendizagem Significativa, de Ausubel. Os resultados mostraram que os alunos resolveram diferentes situações por meio da multiplicação, compreendendo que o algoritmo da multiplicação é comutativo. Ainda, ao manusearem os materiais concretos, ou representá-los por meio de desenhos, entenderam o conceito da multiplicação, em que cada termo tem sua função específica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Philipsen Grützmann, Universidade Federal de Pelotas

Departamento de Educação Matemática. Atua na área da Educação Matemática

Fabiane Carvalho Bohm, Escola Especial Professor Alfredo Dub

Professora de Matemática.

Tatiana Bolivar Lebedeff, Universidade Federal de Pelotas

Centro de Letras e Comunicação. Área de Libras.

Referências

Brasil. (2002). Ministério da Educação. Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Recuperado de http://www.libras.com.br/lei-10436-de-2002. .

Brasil. (2005). Ministério da Educação. Decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Recuperado de http://www.libras.com.br/lei-10436-de-2002.

Moreira, M. A. A. (2002). Teoria dos Campos Conceituais de Vergnaud, o Ensino de Ciências e a Pesquisa nesta área. Investigações em Ensino de Ciências, 7(1). Recuperado de https://goo.gl/crAHYR.

Moreira, M. A. (2011). Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011.

Moura, M. C. (2014). Surdez e linguagem. In: Lacerda, C. B. F., & Santos, L. F. (Org). Tenho um aluno surdo, e agora? São Carlos, SP: EdUFSCar, Cap. 1. p. 13-26.

Powell, A. B.; Francisco, J. M.; Maher, C. A. Uma abordagem à análise de dados de vídeo para investigar o desenvolvimento das ideias matemáticas e do raciocínio de estudantes. Bolema, Rio Claro-SP, 17(21), 81-140. Recuperado de https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10538

Santos, J. C. F. (2008). Aprendizagem Significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre: Mediação.

Vergnaud, G. (2008). Entrevista com Gérard Vergnaud. Nova Escola, 215. Recuperado de https://goo.gl/8CqVpd.

Vergnaud, G. (2009a). A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Curitiba: Ed. Da UFPR.

Vergnaud, G. (2009b). O que é aprender? In: Bittar, M., & Muniz, C. A. (Org). A aprendizagem matemática na perspectiva da Teoria dos Campos Conceituais. Curitiba: CRV, Cap. 1. p. 13-35.

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

Grützmann, T. P., Bohm, F. C., & Lebedeff, T. B. (2022). Ensinar e aprender multiplicação: uma proposta com alunos surdos. TANGRAM - Revista De Educação Matemática, 5(4), 140–161. https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13583

Edição

Seção

Artigos