A importância da sala de AEE na escola regular: desafios, possibilidades e o avanço com os alunos

Renan Italo Rodrigues Dias

Resumo


Na educação, o meio social e a realidade do educando são uns dos aspectos determinantes no processo de aprendizagem. E neste meio social estão incluídas as pessoas com necessidades educacionais especiais - dentre estas os surdos. A educação, portanto, precisa estar sempre se atualizando para garantir o diálogo com a realidade. Esta temática justifica-se em meu Trabalho de Conclusão de Curso pela questão de que a inclusão escolar constar na realidade atual do mundo "globalizado", nos documentos da política educacional e na literatura pedagógica. E a partir do levantamento bibliográfico, fazendo ponte com a realidade e as necessidades dos PNEE s, surgem questões como: por que a educação inclusiva bilíngue? Durante o trabalho procura-se responder a esta questão, dentre outras. A linguagem tem um papel relevante no desenvolvimento cognitivo e intelectual do indivíduo. É através da linguagem que se troca informações e experiências, é quando ocorre a interação. Na sociedade de hoje a comunicação não ocorre mais oralmente, somente. Por isso a importância da educação bilíngue, que visa uma educação para a sociedade juntamente valorizando a cultura e a linguagem dos diferentes educandos. Porém, a escola fornece a educação bilíngue aos surdos?


Palavras-chave


Recreação. Criança. Especial. Inclusiva e Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Secretaria de Educação Especial. Deficiência auditiva / organizado por Giuseppe Rinaldi et al. ? Brasília: SEESP,1997.

BRASIL, Secretaria de Educação Especial. Língua Brasileira de Sinais / organizado por Lucinda F. Brito et.al. ? Brasília: SEESP, 1998.

BRITO, L.F. Integração social e educação de surdos. 1. Ed. Rio de Janeiro, Babel Editora, 1993.

CORDE. Subsídios para planos de ação dos governos federal e estaduais na área de atenção ao portador de deficiência. Brasília: Corde, 1994.

CORDE. Declaração De Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Corde, 1994.

GOES, M.C.R. (1996). Linguagem, surdez e educação. Campinas, autores associados 1999.

GOES, M.C.R. O ensino para surdos na escola inclusiva: considerações sobre o excludente contexto da inclusão. Em atualidades da educação bilíngüe para surdos. Porto Alegre, Editora Mediação, 1999.

GUIMARÃES, Tânia Mafra (org). Educação Inclusiva: construindo significados novos para a diversidade. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Minas Gerais, 2002.

LDB, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Brasileira, 1996.

MANTOAN, Maria Tereza Eglér. A interação de pessoas com deficiência: Contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Mennon. Editora SENAC, 1997.

MEC/ Secretaria de Educação Especial. Política nacional de Educação Especial. Brasília, MEC, 1994.

MOURA, M.C. A língua de sinais na educação da criança surda. São Paulo, Tec Art, 1993.

PEREIRA, M.C. (1989). Interação e construção do sistema gestual em crianças deficientes auditivas/ filhos de pais ouvintes. Tese (Doutorado) ? Unicamp.

VYGOTSKY, L.S. Obras Escogidas: fundamentos de defectologia. Tomo IV. Madrid, Visor, 1997.

VYGOTSKY, L.S. A informação social da mente. 4.Ed. São Paulo, Martins Fontes, 1991.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v8i10.10746

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.