Economia doméstica e educação financeira na escola: diferenças a partir do gênero

Luzia de Fatima Barbosa Fernandes, Denise Silva Vilela

Resumo


Este artigo é parte de uma pesquisa de Doutorado em andamento cujo objeto central é a Educação Financeira na escola básica, e o norteamento da investigação é a proposta feita com a instituição da Estratégia Nacional de Educação Financeira. A análise dos dados, de cunho sociológico, baseou-se em diversos documentos alusivos à escola brasileira para então discutir como assuntos financeiros fizeram e fazem parte do currículo escolar. Metodologicamente, a pesquisa pautou-se em uma apreciação documental, incluindo leis, decretos e decretos-lei. Como resultado, o tratamento a respeito de finanças na escola, na disciplina de Economia Doméstica e na Educação Financeira, registrou distinções entre os conteúdos ministrados às meninas e aos meninos. Ademais, na atualidade, a Educação Financeira prima pela concordância aos preceitos do neoliberalismo, levando a escola a cumprir o papel de legitimar a doxa dominante.


Palavras-chave


Economia Doméstica; Educação Financeira; Escola Básica.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. S. (2006). Vestígios para uma reinterpretação do magistério feminino em Portugal e no Brasil a partir do século XIX. In: D. (. Saviani, O legado educacional do século XIX. Campinas, SP: Autores Associados.

Bastos, M. C., & Garcia, T. M. (1999). Leituras de Formação – Noções de Vida Doméstica (1879): Félix Ferreira traduzindo Madame Hippeau para a Educação das mulheres brasileiras. Revista História da Educação, 77-92.

Boltanski, L., & Chiapello, È. (2009). O Novo Espírito do Capitalismo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Bourdieu, P. (1996). Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus.

Bourdieu, P. (2002). A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2014). Sobre o Estado. São Paulo: Companhia das Letras.

Bourdieu, P. (2015). Sistemas de Ensino e Sistemas de Pensamento. In: S. Miceli, A Economia das Trocas Simbólicas (pp. 203-229). São Paulo: Perspectiva.

Brasil. (2010). Estratégia Nacional de Educação Financeira. Fonte: Planalto - Brasília: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7397.htm

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Fonte: Ministério da Educação - Brasília: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/04/BNCC_19mar2018_versaofinal.pdf

Conef. (2014). Educação Financeira nas escolas: ensino fundamental. Livro do professor. Brasília: CONEF.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Farias, J. V. (2017). O Profmat e as relações distintivas no campo da matemática. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

Fernandes, L. (2014). Cenários do ensino de matemática em escolas rurais da cidade de Tanabi, SP. Campinas: Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2007). Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

Hofmann, R. M., & Moro, M. L. (jul/dez de 2012). Educação matemática e educação financeira: perspectivas para a ENEF. Zetetiké – FE/Unicamp, pp. 37-54.

Jardim, M. C. (2015). Nem Sagrado, nem Profano: MercadoS como Fato Social Total. In: M. C. JARDIM, MercadoS: nem Sagrado, nem Profano (pp. 7-18). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Nogueira C. M. M. e Nogueira, M. A. (2002). A Sociologia da Educação de Pierre Bourdieu: limites e contribuições. Educação & Sociedade, 15-36.

Romanelli, O. O. (1978). História da Educação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes.

Saviani, D. (2008). História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

Serrano, I. A. (1954). Noções de Economia Doméstica. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Souza, R. F. (2006). Espaço da Educação e da Civilização: origens dos Grupos Escolares no Brasil. In: D. (. Saviani, O legado educacional do século XIX (pp. 33-84). Campinas, SP: Autores Associados.

Vilela, D. S., & Souza Neto, J. A. (2012). Práticas de avaliação e capital simbólico da Matemática: o caso da Obmep. Rematec, 62-82.




DOI: https://doi.org/10.30612/tangram.v2i1.8856

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.

 

ISSN: 2595-0967

Indexadores

 

Divulgador

 

Programa Anti-plágio utilizado