O uso de jogos matemáticos no trabalho com o cálculo mental

Fábio Bueno da Silva, Jorge Henrique Gualandi, Pollyana dos Santos

Resumo


O cálculo mental consiste em diferentes estratégias que visamàobtenção de resultados por meio de métodos mais simples de resolução, tendo  comoauxílioo cálculo escrito. Uma das possibilidades para desenvolvê-lo é a utilização dos jogos  matemáticos, pois eles propiciam a observaçãoeo trabalho individual e coletivo. Neste artigo, buscou-seinvestigar como estudantes dos anos finais do ensino fundamental utilizam o cálculo mental no trabalho com jogos  matemáticos. Para tal,procedeu-se auma pesquisa com um grupo de 16 alunos de uma escola da rede estadual de ensino localizada no município de Castelo, Espírito Santo. Fundamentou-seteoricamente em Parra (1996), Carvalho (2011), Lorenzato (2012), Kishimoto (2017), entre outros. As atividadesrealizadas permitiram concluir que,durante a aplicação dos jogos, os alunos tiveram maior comprometimento em realizar as tarefas. Identificou-seousodos algoritmos da adição da multiplicação como principais estratégias de cálculo mental.

Palavras-chave


Cálculo Mental. Jogos matemáticos. Ensino de Matemática.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil.(2017). Ministério da Educação.Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF.

Brasil. (1997). Secretarias de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais–(PCN): Matemática. Brasília: MEC/SEF.

Carvalho, Renata. (2011). Calcular de cabeça ou com a cabeça?22º Seminário deInvestigação em Educação Matemática. Recuperado em 04 de outubro, 2018, de http://www.apm.pt/files/_Conf01_4e7132d6a08f8.pdf

Fiorentini, Dario & Miorim, Maria Ângela. (1990). Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no Ensino da Matemática. SBEM-SP. Recuperado em 06 de outubro, 2018, de http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/jogos/Fiorentini_Miorin.pdf

Lorenzato, Sergio. (2012) Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. In:(org.). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores associados,p.3-37.

Kishimoto, T. M. (2017). Jogo, brinquedo e brincadeira. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez. cap. 1.Disponível em: https://play.goole.com/books/reader?id=On02DwAAQBAJ&pg=GBS.PT2.w.0.0.0.3. Acesso em: 02 nov. 2018.

Moura, Pula Cristina & Viamonte, Ana Júlia. (2005). Jogos Matemáticos como recurso ditáctico. Lisboa: APM.

Parra, Cecilia. (1996). Cálculo mental na escola primária. In: PARRA, Cecilia. etal. Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas,186-235.

Ponte, João Pedro da. (2006). Estudos de caso em educação matemática. Lisboa.

Santos, Rejane Costa dos & Gualandi, Jorge Henrique. (2016). Laboratório de Ensino de Matemática: O uso de materiais manipuláveis na formação continuada dos professores. In: XII ENEM –Encontro Nacional de Educação Matemática, São Paulo. Anais do XII ENEM,1-12.

Sedu. Programa Bolsa Estágio.Recuperado em 16 de novembro, 2019, de https://sedu.es.gov.br/programa-bolsa-estagio.

Smole, Kátia Stocco; Diniz, Maria Ignez & Milani, Estela.(2007).Cadernos do Mathema: jogos de matemática de 6º a 9º ano. Porto Alegre: Artmed.

Stein, Mary Kay & Smith, Margaret Schan. (2009). Tarefas matemáticas como quadro para a reflexão. Revista Educação e Matemática. Lisboa, 105, p. 22-28.




DOI: https://doi.org/10.30612/tangram.v3i3.12264

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

TANGRAM - Revista de Educação Matemática
e-ISSN: 2595-0967

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.