O papel das crenças e emoções no desenvolvimento da afetividade em relação à matemática nos anos iniciais do ensino fundamental

Maria Cristina Otto, Fátima Aparecida Queiroz Dionizio, Celia Finck Brandt

Resumo


Esse artigo trata da relação entre a afetividade e o processo de ensino e aprendizagem de matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental, envolvendo crenças e emoções. Norteou-se pelo seguinte problema: Quais os fatores que influenciam na mobilização e no prazer que os alunos e professores têm ou deixam de ter pelo ensino e aprendizagem de matemática? Entre os autores que contribuem na fundamentação teórica dessa pesquisa estão Chacón (2003), Ponte (1992), Charlot (2000), Alves, Dantas e Oliveira (2012), Moura e Palma (2008), Silva (2008), Silveira (2012). A pesquisa foi realizada em uma escola pública de um município paranaense, com alunos de uma turma de 5º ano do Ensino Fundamental e com oito professoras regentes de turma do 1º ao 5º ano. Evidenciou-se com essa pesquisa que há relação entre as crenças e concepções das professoras e as crenças dos estudantes no que se refere à matemática.

Palavras-chave


Afetividade. Matemática. Ensino e aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, J. A. A; DANTAS, V. A. O; OLIVEIRA, M. S. (2012) Influências afetivas no ensino- aprendizagem de matemática. 6º Colóquio Internacional: Educação e Contemporaneidade. São Cristovão-SE/Brasil. 20 a 22 de setembro. pp. 1-12.

BRASIL. Ministério da Educação. (2008) PDE: Plano de Desenvolvimento da Educação: Prova Brasil: ensino fun¬damental: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília: MEC, SEB; Inep.

CHACÓN, I. M. G. (2003) Matemática emocional: os afetos na aprendizagem de matemática. Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed.

CHARLOT, B. (2000) Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

KISHIMOTO, T. M. (1998). Bruner e a brincadeira. In: T. M. KISHIMOTO. (Org.). et.al. O brincar e suas teorias. (1.ed. pp. 139-153.) São Paulo: Cencage Learning.

LA TAILLE, Y; OLIVEIRA, M. K; DANTAS, H. (2016) Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 27a ed. São Paulo: Summus.

MOURA, A. R. L; PALMA, R. C. D. (2009) O material didático no ensino de matemática: lembranças deixadas em alunos de Pedagogia. Série-Estudos – Periódico do Mestrado em Educação da UCDB. Campo Grande – MS. n.28, julho/dezembro. pp. 135-150.

PONTE, J. P. (1992) Concepções dos professores de Matemática e processos de formação. In: BROWN, M.; FERNANDES, D.; MATOS, J. F.; PONTE, J. P. (Orgs.). Educação matemática: temas de investigação. (pp. 1-40) Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

SILVA, V. A. (2008) Relação com o saber na aprendizagem matemática: uma contribuição para a reflexão didática sobre as práticas educativas. Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Educação e Núcleo de Pós-Graduação em Educação Grupo de Pesquisa Educação e Contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação. v. 13, n. 37, janeiro/abril. pp. 150-190.

SILVEIRA, M. R. A. (2002) "Matemática é difícil": um sentido pré-construído evidenciado na voz do aluno. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 2002, Caxambu. Anais... ANPED, 2002. Disponível em: Acesso em 08 de agosto 2017. pp. 1-17.




DOI: https://doi.org/10.30612/tangram.v2i2.8284

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.

 

ISSN: 2595-0967

Indexadores

 

Divulgador

 

Programa Anti-plágio utilizado