Funções Quadráticas com o auxílio do software Winplot

Paulo Jorge Magalhães Teixeira

Resumo


Este trabalho tem o propósito de apresentar resultados de um estudo feito com um grupo de 4(quatro) sujeitos: 2(dois) professores da educação básica e 2(dois) alunos da 1ª série do ensino médio. O objetivo principal, utilizando comandos do software Winplot, foi de desenhar alguns tipos de funções quadráticas e promover procedimentos para resolver inequações do 2º grau a partir do conhecimento do gráfico da função f(x) = x2; verificar a aplicabilidade do software, com o seu uso, no sentido de avaliar possibilidades de utilizá-lo para o ensino desse conteúdo, com alunos da educação básica. A metodologia Design Experiments in Educational Research foi escolhida, por conta de ela possibilitar mudanças no desenho original da proposta. Valemo-nos de Shulman (1986), acerca dos conhecimentos dos professores no tocante à docência. Embora as atividades tenham contemplado parte do conteúdo sugerido para ser apresentado na Educação Básica, em relação ao que foi abordado os resultados mostraram-se promissores.


Palavras-chave


Funções quadráticas. Software Winplot. Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, Fernando José de, Fonseca Júnior, Fernando Moraes (2000). Aprendendo com Projetos. In: BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Proinfo: projetos e ambientes inovadores. 96 p. (Série de Estudos. Educação a Distância, v. 14. Brasília: MEC, SEED.

Alro, Helle, Skovsmose, Ole (2006). Diálogo e Aprendizagem em Educação Matemática. Coleção Tendências em Educação Matemática. Tradução: Orlando Figueiredo. Belo Horizonte: Autêntica.

Ball, Deborah Loewenberg; Thames, Mark Hoover; Phelps, Geofrey Charles (2008). Content knowledge for teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education. n. 59, p.389-407. Disponível em:

https://www.researchgate.net/publication/255647628_Content_Knowledge_for_Teaching_What_Makes_It_Special Acesso em 01 de julho de 2019.

Brasil (2001). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1302/2001, aprovado em 06 de novembro de 2001. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf Acesso em 01 de julho de 2019.

Brasil (2002). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES 3/2002, de 18 de fevereiro de 2003. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de fevereiro de 2003. Seção 1, p. 13. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ces032003.pdf Acesso em 01 de julho de 2019.

Brasil (2015). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 02, de 01 de julho de 2015. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file Acesso em 01 de julho de 2019.

Cláudio, Dalcídio Moraes, Cunha, Márcia Loureiro da (2001). As novas tecnologias na formação de professores de matemática. In: Cury, H. N. (org.). Formação de professores de matemática: uma visão multifacetada. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Cobb, Paul; Confrey, Jere; diSessa, Andrea; Lehrer, Richard; Schauble, Leona (2003). Design Experiments in Educational Research. American Educational Research Association. vol. 32. No. 1. pp. 9-13. jan/fev.

D’Ambrosio, Ubiratan (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa. v. 31, n.1, p. 99-120, jan./abr. São Paulo. FE-USP.

Fagundes, Lea (2005). Podemos Vencer a Exclusão Digital. Revista Nova Escola 171, (2004), 24-26.

Freire, Paulo (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Coleção Leitura. São Paulo: Paz e Terra.

Kenski, Vani Maria (2007). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 141 p. Campinas: Editora Papirus.

Lerman, Stephen (1996). Intersubjectivity in mathematics learning: A challenge to the radical constructivist paradigm? Journal for research in mathematics education. Vol. 27, n.2, p. 133-150.

Lüdke, Menga e André, Marli E.D.A (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 99 p. São Paulo: E.P.U.

Ponte, João Pedro da; Brocado, Joana; Oliveira, Hélia (2003). Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.

Shulman, Lee S. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational. v.15, n.2, p.4-14.

Skovsmose, Ole (2000). Cenários para investigação. Boletim de Educação Matemática. Rio Claro: UNESP.

Valente, José Armando (1995). Informática na educação: conformar ou contornar a escola. n. 24. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: Perspectiva.




DOI: https://doi.org/10.30612/tangram.v2i4.10087

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.

 

ISSN: 2595-0967

Indexadores

 

Divulgador

 

Programa Anti-plágio utilizado