Formação continuada docente pautada na educação a distância: compreensões na perspectiva da teoria dialética

Adriana Richit

Resumo


O tema do presente ensaio teórico é a formação continuada docente na perspectiva da dialética. Para tanto, aqui é feito um retrospecto do assunto, ressaltando as variações conceituais da dialética em diferentes momentos, nos quais essa visão filosófica manifestou-se, com destaque para alguns de seus representantes. Por meio dessa retrospectiva, buscamos mostrar o devir histórico da própria dialética. Além disso, analisamos pressupostos teóricos da concepção dialética do conhecimento (contradição, totalidade e movimento), focando o contexto da formação e prática docentes, bem como os momentos que caracterizam o processo de apropriação do conhecimento segundo essa teoria (síncrese, análise e síntese), evidenciando a sinergia dessa visão com a formação profissional docente. Por fim, propomos algumas considerações sobre as possibilidades de promover a formação pedagógico-tecnológica em Matemática, sob o viés da dialética, que podem emergir das propostas de qualificação continuada de professores pautadas em EaD.

Palavras-chave


Dialética. Formação de Professores. Tecnologias Digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIOLI, Antônio Inácio (2000). Trabalho Coletivo e Educação: um estudo das práticas cooperativas do PCE (Programa Cooperativismo nas Escolas) na região fronteira noroeste do Estado do RS. 246 f. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências) - Departamento de Ciências Exatas e Naturais, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - Unijuí, Ijuí.

ASBAHR, Flávia da Silva Ferreira (2005). A pesquisa sobre a atividade pedagógica: contribuições da teoria da atividade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.2, n.29, p.108-118 (maio/agosto). Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 20 mai.2008.

BAIRRAL, Marcelo Almeida (2002). Desarrollo profesional docente en Geometría: análisis de un proceso de Formación a Distancia. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) - Universidade de Barcelona, Barcelona, Espanha.

BORBA, Marcelo de Carvalho; VILLARREAL, Mónica Ester (2005). Humans-with-Media and the Reorganization of Mathematical Thinking: information and communication technologies, modeling, experimentation and visualization. New York, USA: Springer. (Mathematical Education Library, v.39).

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani (2003). Formação de professores: da incerteza a compreensão. Bauru: EDUSC.

DUARTE, Newton. (Org.) (2004). Crítica ao fetichismo da individualidade. São Paulo: Autores Associados.

DUARTE, Newton (2003). Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (Por que Donald Schön não Entendeu Luria). Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 83, p. 601-625 (agosto).

FREIRE, Paulo (1983). Pedagogia do oprimido. 13.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GADOTTI, Moacir (2006). Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. 15.ed. São Paulo: Cortez.

GADOTTI, Moacir (2004). Pedagogia da práxis. 4.ed. São Paulo: Cortez.

GASPARIN, João Luís (2005). Uma Didática para a Pedagogia Histórico-Crítica.

KONDER, Leandro (2007). O que é dialética. 17. ed. São Paulo: Brasiliense.

KOSIK, Karel (2002). Dialética do concreto. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

KUHN, Thomas (1975). Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre (2010). O Futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus.

LEONTYEV, Alexei (1983). Actividad, consciencia e personalidad. Havana: Editorial Pueblo y Educación.

MANIERI, Dagmar (2003). A Concepção de homem em Ludwig Feuerbach. Revista Ética & Filosofia Política, Juiz de Fora, v.6, n.2, (novembro). Disponível em:http://www.eticaefilosofia.ufjf.br/6_2_Dagmar.htm Acesso em: 01 jun. 2008.

MARX, Karl (1973). O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich (2006). Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Martin Claret. (Coleção A Obra Prima de cada Autor).

NÓVOA, António. (Org.) (1991). Profissão de professor. Porto: Porto.

PERRENOUD, Pierre (2000). Dez novas competências para ensinar. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas.

PETERS, Otto (2004). Educação a Distância em Transição: tendências e desafios. São Leopoldo: Editora Unisinos.

PIAGET, Jean (1977). O julgamento moral na criança. São Paulo: Mestre Jou.

SAVIANI, Dermeval (2006). Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 38.ed. Campinas: Autores Associados.

SCHÖN, Donald (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

SCHÖN, Donald (1983). The reflective practitioner. New York: Basic Books.

SNYDERS, Georges (1974). Pedagogia Progressista. Coimbra: Livraria Almedina.

TARDIF, Maurice; RAIMOND, Danielle (2000). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, Campinas, v.21, n.73. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v21n73/4214.pdf Acesso em: 15 Set. 2009.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos (2004). Construção do Conhecimento em Sala de Aula. 15.ed. São Paulo: Libertad. (Cadernos Pedagógicos do Libertad)

VYGOTSKY, Lev Semenovich (1991). A Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes.

ZULLATO, Rubia (2007). A Natureza da Aprendizagem Matemática em um Ambiente Online de Formação Continuada de Professores. 2007. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - UNESP, Rio Claro.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.