Reflexão sobre o uso de recursos didáticos digitais no curso de Licenciatura em Matemática a distância

Isaías Pessoa da Silva, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro Moita

Resumo


Este artigo é um recorte de uma pesquisa de Mestrado e tem como principal objetivo apresentar uma reflexão sobre o uso de recursos didáticos digitais no Curso de Matemática na modalidade EaD da UFPB. Para dar conta do nosso objetivo e dos questionamentos da pesquisa, recorremos ao apoio teórico de autores sobre o tema, como Peters (2004), Litto e Formiga (2012), Pais (2000), Corrêa (2007), Moita (2007), Barros (2011), dentre outros. A pesquisa teve um caráter descritivo e exploratório e foi realizada com onze alunos de ambos os sexos na faixa etária de 25 a 49 anos. Utilizamos como instrumentos de pesquisa uma entrevista semiestruturada (questionário e entrevista online, no Google docs). Depois de analisar o perfil dos alunos, questionamos sobre as principais dificuldades enfrentadas por eles no Curso. Em seguida, indagamos sobre o uso dos recursos didáticos digitais desenvolvidos para essa modalidade, tendo em vista a heterogeneidade dos alunos. De acordo com os resultados apresentados, concluímos que as principais dificuldades enfrentadas pelos alunos na modalidade EAD é, principalmente, a infraestrutura, que não estava adequada para a modalidade de ensino, bem como os recursos didáticos disponibilizados e o acesso à internet. Esses resultados apontam para a necessidade de diversificar os recursos didáticos que possam atender à heterogeneidade dos alunos nesses cursos, dando ênfase às TDIC, a fim de proporcionar uma educação sem distância.

Palavras-chave


Recursos didáticos digitais. Educação a Distância. Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. M.; ZAMBALDE, A. L.; FIGUEIREDO, C. X. Ensino a Distância. Lavras. UFLA/FAEPE. 2004. 86p.

BARRETO, C. C. et al. Elaboração de material didático impresso para educação a distância. Rio de Janeiro: Tereza Queiroz, 2007.

BELLONI, M. L. Educação a distância. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2003. (Coleção Educação Contemporânea).

BIBEAU, R. Des contenusnumériquespourI’éducation. Montréal: Directiondesressourcesdidactiques, 2003.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora, Portugal, 1994.

BRASIL. Decreto nº 5.800, de 08 de jun. 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB. Brasília: Diário Oficial da União de 09 de jun. 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 23 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Referência de qualidade para Educação a Distância. SEED: Brasília, 2007.

CORRÊA, J. Educação a distância: orientações metodológicas. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FARIAS, S. A. D. Uma análise da produção didática da matemática a distância: o caso da UFPB. Dissertação de Mestrado - João Pessoa, 2009. 259f.

FEIXA, C. Generación @. La juventud em la era digital. Santafé de Bogotá, Nómadas, v. 13, 2000, p. 76-91.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 184p.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, 2007.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

LITTO, F. M.; FORMIGA, M. Educação a distância: o estado da arte, 2. ed. São Paulo. Pearson Education do Brasil, 2012, v. 2.

MOITA, F.; SILVA E.; SOUSA R. Jogos eletrônicos: construindo novas trilhas. Campina Grande. EDUEPB, 2007.

MOITA, F. M.G. S. C.; VERASZTO E. V.; CANUTO É. C. A. Jogos eletrônicos e estilos de aprendizagem: uma relação possível - breve análise do perfil de alunos do ensino médio. BARROS, D. M. V. (org.). Estilos de aprendizagem na atualidade – volume 1. Lisboa: [s.n.], 2011. p. 149-161.

MORAN, J. M. O vídeo na sala de aula. Comunicação e educação. São Paulo, v.1, n.2, p. 27-35, Jan./abr. 1995.

PAIS, L. C. Uma análise do significado da utilização de recursos didáticos no ensino da geometria. Disponível em: www.anped.org.br/23/textos/19/1919t.pdf. Acesso em: 17/06/2012.

PETERS, O. A educação a distância em transição. São Leopoldo, RS: Ed. Unisinos, 2004.

PRETI, O (Org.) Educação a distância: construindo significados. Brasília: Ed. Plano, 2000, 268 p.

SARTORI, A. S. Educação superior a distância: gestão da aprendizagem e da produção de materiais didáticos impressos e on-line. Tubarão: Ed.: Unisul, 2005.

SILVA, M. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet, 2000.

VEIT, E.A. Modelagem no ensino de Ciências e os parâmetros curriculares. Disponível em:http://www.if.ufrgs.br/cref/ntef/publica.html. Acesso em 10/06/12.

VIEIRA,F. Avaliação de software educativo. Disponível em: http://

www.edutec.net/Textos/Alia/MISC/edmagali2.html. Acesso em 15/06/12.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v7i9.10776

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.