Materiais Concretos em sala de aula: um estudo bibliográfico em teses e dissertações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13566

Palavras-chave:

Laboratório de Ensino de Matemática, Materiais Manipuláveis, Prática de ensino.

Resumo

Neste trabalho apresenta-se uma pesquisa bibliográfica sobre o uso dos Materiais Concretos em sala de aula. A pergunta orientadora do estudo foi expressa nos seguintes termos: quais as contribuições do material concreto no ensino e aprendizagem de Matemática aos alunos? Como alicerce metodológico foi estabelecida a pesquisa bibliográfica baseada em mapeamento de leituras das produções de teses e dissertações. Tem-se como objetivos analisar a literatura sobre as contribuições do material concreto na Educação e identificar as aproximações entre o concreto e o abstrato. Como resultado iniciais destaca-se o espaço do Laboratório de Ensino de Matemática, a prática do conteúdo de forma manipulável, o pensamento criativo, raciocínio lógico, a competição, além da diversão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Alves de Alencar

Professora de Matemática, pela Universidade Federal do Tocantins, em 2017.

Janderson Vieira de Souza, Universidade Federal de Catalão

Professor do Magistério Superior, Doutor em Educação em Ciências e Matemáticas, na Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão, Unidade Especial de Educação 

Referências

Bauman, Zygmunt. (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Brasil. (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para Ensino Fundamental (PCNEF): Matemática. Brasília: SEMT/MEC.

Aragão, H. M. C. A.; Vidigal, S. M. P. (2012). Materiais manipuláveis para o ensino do Sistema de Numeração Decimal. São Paulo: Mathema.

D'Ambrosio, U. (2007). Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Farias, E. R. (2018). A utilização de jogos por licenciandos em Matemática como recurso pedagógico em aulas de Matemática em um museu. 2018. 339f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas Artigos, v. 35, n.3, pp. 20-29, São Paulo, Mai./Jun.

Günther, H. (2006). Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.22, n. 2, pp. 201-210, Brasília, Mai-Ago.

Jardinetti, J. R. B. (1996). Abstrato e o Concreto no Ensino da Matemática: algumas reflexões. Bolema, v. 11, n. 12, pp. 45 a 57.

Lima, M. de A. G. (2018). As potencialidades didáticas do Laboratório de Ensino de Matemática para a Álgebra Escolar. 2018. 220f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro.

Lorenzato, S. (Org.). (2006). O Laboratório de Ensino de Matemática na Formação de Professores. São Paulo: Autores Associados.

Nacarato, A. M. (2005). Eu trabalho primeiro no concreto. Revista de Educação Matemática, v. 9, n. 9-10.

Silva, N. J. A. da. (2019). Laboratório de Matemática: jogos matemáticos no ensino de funções com a utilização da metodologia ABP. 2019. 78f. Dissertação (Mestrado em Ciências – Programa de Mestrado Profissional em Projetos Educacionais de Ciências) – Escola de Engenharia de Lorena, Universidade de São Paulo, Lorena.

Universidade Federal do Tocantins. (2011). Manual para Elaboração e Normatização de Trabalhos de Conclusão de Curso do Campus de Araguaína. Araguaína: UFT, 52 p

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

Alencar, E. A. de, & Souza, J. V. de. (2022). Materiais Concretos em sala de aula: um estudo bibliográfico em teses e dissertações. TANGRAM - Revista De Educação Matemática, 5(4), 74–91. https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13566

Edição

Seção

Artigos