Experiências no trabalho remoto emergencial na Escola Municipal Prof.ª Maria de Lourdes Martins Martinez: narrativas de gestores e docentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14519

Palavras-chave:

Trabalho remoto. Narrativas. Desafios.

Resumo

O estudo que aqui se coloca é resultado de uma pesquisa acerca dos processos que permeiam o trabalho educacional realizado no formato remoto emergencial durante o ano de 2020. O espaço no qual esse estudo teve lugar caracteriza-se por uma unidade escolar da Rede Pública no município de Sorocaba, localizado no interior do estado de São Paulo. De caráter qualitativo, o estudo se debruça sobre a discussão das diversas demandas que tomaram os espaços escolares a partir do momento em que ocorre, de forma súbita, a substituição do ensino presencial pelo ensino remoto. Tendo como orientação, o método de pesquisa (auto)biográfica a pesquisa apresenta narrativas de três profissionais que exercem suas funções dentro dos espaços da unidade escolar citada anteriormente, tais narrativas preocupam-se em elencar as vivências, experiências, dificuldades e reflexões atravessadas por esses profissionais no que diz respeito ao trabalho escolar realizado no formato remoto. Tendo como principal motivação a necessidade de compreender os impactos causados pela suspensão do atendimento escolar presencial, a pesquisa aqui descrita ocupou-se em ouvir três profissionais de três esferas que compõem o ambiente escolar. A pesquisa preocupou-se em apresentar as experiências vivenciadas por uma diretora de escola, uma orientadora pedagógica e um docente dos anos iniciais que atuam na EM Prof.ª Maria de Lourdes Martins Martinez. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Gustavo Rodrigues Marcondes, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar - campus Sorocaba

Mestrando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos -UFSCar-campus Sorocaba, especialista em Alfabetização e Letramento pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci, especialista em Ludopedagogia e Arte Educação nos Anos Iniciais pela Faculdade de Tatuí e graduado em Pedagogia pelo Centro Universitário Hermínio Ometto (Uniararas). Experiência na área da Educação com ênfase nos processos de Ensino-Aprendizagem, Alfabetização e Processos avaliativos. Atualmente exerce a função de Professor de Educação Básica I junto à Prefeitura Municipal de Sorocaba e Professor de Educação Básica II junto à Prefeitura Municipal de Araçoiaba da Serra, nas quais atua como professor alfabetizador. Vencedor da Primeira edição do Prêmio "Professor Inspirador", promovido pela Prefeitura Municipal de Araçoiaba da Serra, prêmio esse que reconhece as boas práticas realizadas pelos professores da rede municipal de Ensino. Foi membro da Comissão de Estudos acerca da elaboração do plano de carreira dos profissionais do Magistério da Rede Municipal de Araçoiaba da Serra, eleito para representação dos Professores de Educação Básica II, no ano de 2017. Foi membro da Comissão acerca dos processos de Avaliação de Aprendizagem da Rede Municipal de Araçoiaba da Serra, contribuindo com discussões sobre os processos de avaliação e com a elaboração de instrumentos avaliativos para diagnóstico de aprendizagem dos alunos da Rede Municipal de Ensino. É membro do Núcleo de Estudos de Gênero, Diferenças e Sexualidades (NEGDS) - UFSCar-So e do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Narrativas Educativas, Formação e Trabalho Docente (NEPEN) - UFSCar-So. Interessa-se em estudos acerca da formação de professores polivalentes, dos processos de alfabetização, letramento e numeramento e de práticas de ensino-aprendizagem no primeiro ciclo do Ensino Fundamental.

Renata Carolina Gonçalves Justino, Professora Titular - Secretaria Municipal de Educação de Sorocaba-SP Universidade Federal de São Carlos - UFSCar - Campus Sorocaba

Especialista em Pedagogia Social pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL), especialista em Atendimento Educacional Especializado na área da Educação (UNICESPI), graduada em Pedagogia pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) e em Geografia pela Universidade Federal de São Carlos, em Sorocaba. (UFSCAR);Experiência na área da Educação com ênfase nos processos de Ensino-Aprendizagem, com formações em extensão no Processo de Alfabetização;Atualmente exerce a função de Orientadora Pedagógica em cargo designado na Prefeitura Municipal de Sorocaba. Tendo como cargo efetivo desde o ano de 2012 o de professora PEB I na Prefeitura Municipal de Sorocaba. Atuou como professora PEB II na Rede de Ensino Sesi, em Sorocaba. Lecionando para alunos no Ensino Fundamental II e Ensino Médio, em Geografia, desenvolvendo projetos curriculares com os alunos. É membro do Núcleo de Estudos de Gênero, Diferenças e Sexualidades (NEGDS) - UFSCar-So

Ana Paula de Oliveira, Diretora de Escola - Secretaria Municipal de Educação de Sorocaba-SP Universidade de Sorocaba - UNISO

Possui graduação em Normal Superior pela Faculdade Uirapuru(2006), especialização em Especialização em gestão escolar pela Faculdade Metropolitada de Caieras(2011), especialização em Especialização em Educação Infantil: Saberes e práticas docentes pela Faculdade Uirapuru(2008) e ensino-medio-segundo-graupelo Centro Específico de Formação e Aperfeiçoamento do Magistério(2001). Atualmente é Diretor de Escola da Prefeitura Municipal de Sorocaba. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Administração Educacional. É membro do grupo de estudos História, trabalho e políticas de educação profissional - Universidade de Sorocaba - UNISO

Referências

BOLÍVAR, A; DOMINGO, J; FERNANDÉZ, M. La investigación biográfico-narrativa em Educación – enfoque y metodologia. Madrid: Editorial La Muralla, 2001.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n° 9057/2017. Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério de Estado da Saúde Portaria n° Nº 188, de 3 de fevereiro de 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-188-de-3-de-fevereiro-de- 2020-241408388. Acesso em 17 de out. 2020.

BUENO, B. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 01, p. 1-20, 2002.

CGI.br – Comitê Gestor da Internet no Brasil. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros – TIC Domicílios, 2018. Núcleo de formação e coordenação do Ponto BR. São Paulo: Comitê Gestor de Internet no Brasil, 2019. Disponível em: https://cetic.br/media/docs/publicacoes/216410120191105/tic_edu_2018_livro_eletroni co.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020

COSCARELLI, C. V. Multiletramentos e empoderamento na educação. In: FERRAZ, o. (org.). Educação, (multi)letramento e tecnologias: tecendo redes de conhecimento sobre letramentos, cultura digital, ensino e aprendizagem na cibercultura. Salvador: EDUFBA, 2019. P. 61-77.

COUTO, E. S.; COUTO, E. S.; CRUZ, I. M. P. #Fiqueemcasa: educação na pandemia da Covid-19. Interfaces Científicas, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 200-217, 2020.

JOSSO, M. Experiências de vida e formação. 2 ed. São Paulo: Paulus, 2010.

PALFREY, J.; GASSER, U. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração dos nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PINEAU, G. As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n.2, p. 329-343, maio/ago. 2006.

SILVA, F. C. R.; MENDES, B. M. M. (2009). (Auto)biografia, pesquisa e formação: aproximações epistemológicas. GT 2. V Encontro de Pesquisa em Educação. Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação. 18 a 20 de março de 2009. Universidade Federal do Piauí (UFPI), 2009.

SOROCABA. Prefeitura Municipal. Sorocaba, 2020.

SOUZA, E. C. de. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre a história de vida em formação. Educação em Questão, Natal, v. 25, n.11, p. 22-39, jan/abr. 2006.

TAROUCO, L. M. R., Competências Digitais dos Professores. In:Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação nas escolas brasileiras: TIC educação 2018. São Paulo: Comitê Gestor de Internet no Brasil, 2019. Disponível em: https://cetic.br/media/docs/publicacoes/216410120191105/tic_edu_2018_livro_eletroni co.pdf. Acesso em: 22 nov. 2020.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. COVID-19: 10 recomendações para planejar soluções de aprendizagem a distância. 6 de março de 2020. Disponível em: https://pt.unesco.org/news/covid-19-10-recomendacoes- planejar-solucoes-aprendizagem-distancia. Acesso em 18 out. 2020.

Downloads

Publicado

28/07/2021

Como Citar

Marcondes, L. G. R., Justino, R. C. G., & Oliveira, A. P. de. (2021). Experiências no trabalho remoto emergencial na Escola Municipal Prof.ª Maria de Lourdes Martins Martinez: narrativas de gestores e docentes. Revista Interdisciplinar Em Educação E Territorialidade – RIET, 2(2), 148–166. https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14519

Edição

Seção

Dossiê 2 - Educação em tempos de pandemia