Desdobramentos da Pandemia Covid: 19 na educação formal: uma análise da unidade afeto-cognição

Maria Eliza Mattosinho Bernardes, Ana Paula Barbosa, Mara Aparecida de Castilho Lopes

Resumo


O objetivo deste estudo é explicitar contradições históricas e condições necessárias para o desenvolvimento humano no enfrentamento aos desdobramentos do distanciamento físico na educação formal a partir das vivências de estudantes do ensino superior público, durante a pandemia da Covid-19. O enfoque histórico-cultural fundamenta o estudo no campo da educação, problematizam-se as contradições históricas na educação brasileira, a implantação do ensino remoto na escolarização, assim como são apresentados os princípios do sistema de ações conscientes na atividade pedagógica, considerados a base teórico-prática para o ensino devidamente organizado e promotor do desenvolvimento do psiquismo. Defendemos a tese que para a promoção do desenvolvimento dos participantes, há de se considerar a unidade afeto-cognição que contemple as necessidades objetivas e subjetivas dos sujeitos. Consideramos que para a efetividade do desenvolvimento psiquismo dos participantes dos processos educativos deva-se contemplar a formação profissional que desenvolva a consciência do professor sobre: a) sua função social na sociedade de classes, b) a importância do ensino devidamente organizado, c) as relações sociais fundamentadas em processos colaborativos e coletivos, d) a relevância da historicidade do objeto real de estudo enquanto direito de todos ao acesso à produção humana. O estudo de campo analisa o relato de estudante do ensino superior que evidencia a dialética afeto-cognição e o drama vivido no primeiro semestre de 2020 com as transformações pedagógicas emergenciais.


Palavras-chave


Atividade Pedagógica. Ensino remoto. COVID-19.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, F. ; PARREIRA, M. Comissão da Câmara faz relatório com críticas à atuação do Ministério da Educação durante a pandemia. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2020/06/17/comissao-da-camara-faz-relatorio-com-criticas-a-atuacao-do-ministerio-da-educacao-durante-a-pandemia.ghtml Acesso em: 28 de jul. de 2020.

BATISTÃO, S. P. S. Educação inclusiva ou educação para todos? - contribuições da teoria histórico-cultural para uma análise crítica da realidade escolar. 2013. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BEATÓN, G. A.. La persona en el enfoque histórico cultural. São Paulo: Linear B, 2005.

BERNARDES, M. E. M. Ensino e aprendizagem como unidade dialética na atividade pedagógica. Psicol. Esc. Educ. (Impr.) [online]. 2009, vol.13, n.2, pp.235-242.

______. Mediações simbólicas na atividade pedagógica: contribuições da Teoria Histórico-Cultural para o ensino e a aprendizagem. Curitiba: CRV, 2012.

______. Modos de ação na atividade pedagógica: uma proposição de ensino e aprendizagem ativos. PBL 2010 Congresso Internacional. São Paulo, Brasil, 8-12 de fevereiro de 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, Brasília, DF.

______. Lei Federal n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. Diário Oficial da União, 1996.

______. Parecer n. 17, de 3 de julho de 2001. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001.

______. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BUENO, J. G. S. Função social da escola e organização do trabalho pedagógico. Educar em Revista. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2001, n. 17, p. 101-110.

DEBORD, G. Sociedade do espetáculo. eBooksBrasil.com, 2003. Disponivel em: https://a36b27e2-7d86-45f4-b828-d8b03593f647.filesusr.com/ugd/dcac6b_453c47d2871a4f0a8eeee0a1ddc7bc89.pdf Acesso em: 5 de jul. 2020.

DUARTE, N. A pedagogia histórico-crítica e a formação da individualidade para si.Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 59-72, dez. 2013.

ELKONIN, D. B. Epílogo. In: VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas IV : Psicología infantil. Madrid: Visor, 1996. p. 387- 421.

HELLER, A. O cotidiano e a história. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

INEE - INTER-AGENCY NETWORK FOR EDUCATION IN EMERGENCIES, THEIRWORLD E A RIGHT TO EDUCATION INITIATIVE -. Requisitos mínimos para a educação em situação de emergência, crises crónicas e reconstrução. Tradução Gabinete de Estudos para a Educação e o Desenvolvimento. Escola Superior de Educação de Viana do Castelo, Programa Educar sem Fronteiras, Portugal, 2006. Disponível em http://internacional.ipvc.pt/sites/default/files/livro_INEE_MSEE_PT.pdf. Acesso em 12 jan. 2021.

LEONTIEV, A. N. Los motivos, las emociones y la personalidad. In: Actividad, conciencia, personalid. Ciudad del Habana: Editorial Pueblo y educación, 1983.

LESSA, S. Trabalho e luta de classes na “sociedade do conhecimento". In: JIMENEZ, S.; de OLIVEIRA, J. L.; SANTOS, D. (orgs) Marxismo, Educação e Luta de Classes.

LIBÂNEO, J.C. Formação de Professores e Didática para Desenvolvimento Humano. Educ. Real., Porto Alegre , v. 40, n. 2, p. 629-650, June 2015.

LOPES, M. A. C. Professores interlocutores e educação de surdos: a inclusão na rede estadual paulista. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 23, n. 4, p. 563-576, 2017.

MARX, K.; ENGELS, F. Ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MILL, D. Mudanças de mentalidade sobre educação e tecnologia. In: MILL, D. Escritos sobre educação e tecnologias emergentes: desafios e possibilidades para ensinar e aprender na contemporaneidade. São Paulo: Paulus, p. 11-38, 2012.

MORAN, J. M. Educação híbrida: Um conceito-chave para a educação hoje. In: BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (Org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 11-38.

PEREIRA, E. C. Os processos formativos do professor de alunos com Transtorno do Espectro Autista: contribuições da Teoria Histórico-Cultural. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

POLITZER, G. Crítica dos fundamentos da psicologia: a psicologia e a psicanálise. Piracicaba, SP: Editora UNIMEP, 1998.

SAMPAIO, M. M. F. Um gosto amargo de escola: relação entre currículo, ensino e fracasso escolar. São Paulo: EDUC, 1998.

SANTOS, J. S. Pandemia evidencia a emergência de superar o capitalismo e conceber outro socialismo. Entrevista especial com Luiz Marques. Instituto Humanas Unisinos. Disponivel em: http://www.ihu.unisinos.br/601328-pandemia-evidencia-a-emergencia-de-superar-o-capitalismo-e-conceber-outro-socialismo-entrevista-especial-com-luiz-marques?fbclid=IwAR3TOJsPOpKB6HoDHAXTfBVv-ELHIwnrPXKygwm5tmOxr4AEuhyvaUaoTjc Acesso em: 29 de jul. de 2020.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

TANAMACHI, E. de R.; MEIRA, M. E. M. A atuação do psicólogo como expressão do pensamento crítico em psicologia e educação. In: MEIRA, M. E. M.; ANTUNES, M. A. M. Psicologia escolar: práticas críticas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. p. 11-62.

TONET, I. Atividades educativas emancipadoras. Rev. Práxis Educativa. Vol. 9, n. 1, p.9-24, 2014.

UECE/IMO/SINTSEF, Fortaleza, 2008. Disponivel em: https://b8798a67-b1f1-4006-95f0-2a0e0a3411dd.filesusr.com/ugd/4c396a_f8e6f16171364d3ea10f1e57ac45ff73.pdf Acesso em: 5 de jul. 2020.

UNESC. Declaração de Salamanca. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Salamanca, Espanha, 7 - 10 de junho de 1994. Editado pela Unesco.

______. Education in emergencies. Disponível em: https://en.unesco.org/themes/education-emergencies#:~:text=UNESCO%20helps%20strengthen%20education%20systems,and%20psychological%20safety%20to%20children. Acesso em 12 jan. 2021.

______. Declaração Mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas na aprendizagem. Jomtien, 1990. Editado pela Unesco, 1998.

VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. 2. ed. Filosofia da práxis Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

VYGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. Sobre los sistemas psicológicos. In: VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas I. 2a ed. Madrid: Visor Dis. SA., 1997a.

______. El problema del retraso mental. In: VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas V. 2a ed. Madrid: Visor Dis. SA., 1997b.

______. La crisis de los siete años. In: VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas IV. 2a ed. Madrid: Visor Dis. SA., 2006.

______. Manuscrito de 1929. Educ. Soc., Campinas, v. 21, n. 71, p. 21-44, July 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302000000200002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 05 jul 2020.

______. Teoría de las emociones: Estudio histórico-psicológico. Ediciones Akal S. A., Madrid, Espanha, 2004.

______. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1996.




DOI: https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.13943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Interdisciplinar em Educação e Territorialidade – RIET - ISSN 2676-0355

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.