Atendimento educacional especializado: das diretrizes políticas à escolarização dos alunos com deficiência intelectual

Flávia Faissal de Souza, Márcia Denise Plestch

Resumo


Em nosso país, a Educação Especial se realiza por meio do Atendimento Educacional Especializado (AEE). Porém, como a atual política de Educação Especial tem como foco a escolarização dos alunos com deficiência intelectual no ensino regular, nos parece haver um descompasso, quando o principal foco é um serviço complementar e/ou suplementar ao ensino regular. Essa proposta nos causa indagação, ainda mais por assumirmos a perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento humano, em especial as noções de escolarização, ensino e aprendizagem, nas quais estes processos se constroem nas práticas cotidianas escolares. Assim, o objetivo deste texto é apresentar, a partir de pesquisa documental em diálogo com dados de 5 redes da Baixada Fluminense/RJ, uma discussão sobre o lugar do AEE na política de Educação Especial e o seu papel no processo de escolarização dos alunos com deficiência intelectual. A partir da análise evidenciamos que o papel do AEE não é claro no processo de escolarização de alunos com deficiência intelectual. Em grande medida fica a cargo do sujeito com deficiência a responsabilidade de transladar o apreendido no AEE para a sala de aula, apesar das características que marcam a sua inserção no processo de ensino-aprendizagem.

Palavras-chave


Educação inclusiva. Atendimento educacional especializado. Deficiência intelectual.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E DO DESENVOLVIMENTO (AAIDD). Intellectual disability: definition, classification, and systems of supports. 11ª edition of the AAIDD. EUA, 2010.

BRASIL. Decreto n.º 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n. 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 de dezembro de 2004.

______. Decreto n.º 5.626 , de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436 , de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. , Brasília, 23 de dezembro de 2005.

______. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007. 43 p.

______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008a.

______. Decreto n.º 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto n. 6.253, de 13 de novembro de 2007, Diário Oficial da União, Brasília, 18 de setembro de 2008b.

______. Decreto n.º 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, Diário Oficial da União, Brasília, 26 de agosto de 2009.

______. Decreto n.º 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências, Diário Oficial da União, Brasília, 18 de novembro de 2011.

BRASIL. Programa de implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secretaria-de-educacao-continuada-alfabetizacao-diversidadee-inclusao/programas-e-acoes?id=17430 Acesso em: jul. de 2012.

CARVALHO, M. de F.. Conhecimento e vida na escola: convivendo com as diferenças. Campinas: Autores Associados; Ijuí: Editora Unijuí, 2006. 222p.

DAINÊZ, D.; SMOLKA, A. L. B. Condições de desenvolvimento humano, educação (inclusiva) e psicologia histórico-cultural: inspirações, inquietações e implicações. In: REUNIÃO DA ANPED, 35, 2012. Apresentação Oral. GT 20. Disponível em:

http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/trabalhos/GT20%20Trabalhos/GT20-1407_int.pdf Acesso em: nov. de 2012.

GARCIA, R. M. C. Políticas para a Educação Especial e as formas de organização do trabalho pedagógico. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 12, n. 3, p. 299-316, set./dez. 2006.

______. Política e gestão de educação especial nos anos 2000: a lógica gerencial. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO EM EDUCAÇÃO / III CONGRESSO INTERAMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO, 24, 2009. Anais... Vitória: ANPAE, 2009.

______. Políticas inclusivas na educação: do global ao local. In: BAPTISTA, Cláudio R.; CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M. Educação Especial: dialogo e pluralidade. 2 ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 304p.

JANNUZZI, G. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004. 243p.

KASSAR, M. C. M. Educação especial na perspectiva da Educação Inclusiva: desafios da implantação de uma política nacional. Educar em Revista, Curitiba, n. 41, p. 61-79, jul./set. 2011.

______. Educação Especial no Brasil: desigualdades e desafios no reconhecimento da diversidade. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 833-849, jul./set. 2012.

LAPLANE, A. L. F. Notas para uma análise dos discursos sobre inclusão escolar. In: GÓES, M. C. R.; LAPLANE, A. L. F. (org.) Políticas e práticas de educação inclusiva. Campinas: Autores Associados, 2004. 165 p.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 99 p.

LUNARDI, A. M. L.. Práticas pedagógicas na educação especial: a capacidade de significar o mundo e a inserção do deficiente mental. Campinas: Autores Associados, 2001.

______. O que fazer para não excluir Davi, Hilda, Diogo... In: GÓES, M. C. R.; LAPLANE, A. L. F. (org.) Políticas e práticas de educação inclusiva. Campinas: Autores Associados, 2004. 165 p.

LURIA, A. A atividade consciente do homem e suas raízes histórico-sociais. In: Curso de Psicologia Geral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. 115 p.

MENDES, E. G. Concepções atuais sobre educação inclusiva e suas implicações políticas e pedagógicas. In: MARQUEZINE, Maria C.; ALMEIDA, M. A.; TANAKA, E. D. O. (Org.) Educação Especial: políticas públicas e concepções sobre deficiência. Londrina: Eduel, 2003. 144

p.

______. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 11, n. 33, set./dez. 2006.

PEREIRA, J. M. M. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro 1944 – 2008. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. 502 p.

PLETSCH, M. D.. A dialética da inclusão/exclusão nas políticas educacionais para pessoas com deficiências: um balanço do governo Lula (2003-2010). Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 12, nº. 24, p.39-55, jan./abr. 2011.

______. Repensando a inclusão escolar: diretrizes, práticas curriculares e deficiência intelectual. 2. ed. Rio de Janeiro: Nau, 2014a. 295 p.

______. A escolarização de pessoas com deficiência intelectual no Brasil: da institucionalização às políticas de inclusão (1973-2013). Revista Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v.22 no. 81. Disponível em: http://epaa.asu.edu/epaa/v22n81 Acesso em: ago. de 2014b.

PRIETO, R. G. Pesquisa sobre políticas de atendimento escolar a alunos com necessidades educacionais especiais com base em fontes documentais. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; VICTOR S. L. (Org.) Pesquisa e educação especial: mapeando produções. Vitória: EDUFES,

420 p.

______. Sobre mecanismos de reprodução de sentidos das políticas educacionais. In: BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. M.; JESUS, D. M. Educação Especial: dialogo e pluraridade. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 304 p.

REBELO, A. S. KASSAR, M. C. M. Implantação de programas de educação inclusiva em um município brasileiro: garantia de efetivação do processo ensino-aprendizagem? Arquivos Analíticos de Políticas Educativas,v. 22 no.78), Disponível em: http://epaa.asu.edu/epaa/v22n80 Acesso em: ago. 2014.

SEESP/MEC. Serie Educação Inclusiva. Referências para construção dos sistemas educacionais inclusivos. Brasília MEC/SEESP, 2004.

SOUZA, F. F.. A escola como lugar de desenvolvimento de corpos/sujeitos com deficiência. In: REUNIÃO ANPED, 34., 2011, Natal. Apresentação Oral. GT 15. Disponível em: http://34reuniao.anped.org.br/images/trabalhos/GT15/GT15-1122%20int.pdf Acesso em: 10 out. 2011.

______. Políticas de Educação Inclusiva: análise das condições de desenvolvimento dos alunos com deficiência na instituição escolar. 2013. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

VIGOTSKI, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual em idade escolar. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA. A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Icone; São Paulo: Editora da USP, 1988. 228 p.

______. Obras escogidas V (1924-1934): fundamentos de defectologia . Madri: Visor, 1997. 391 p.

WORLD BANK (WB). World Bank Education Strategy 2020. Disponível em:

http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/TOPICS/EXTEDUCATION/0,,contentMDK:22474207~menuPK:282402~pagePK:210058~piPK:210062~theSitePK:282386,00.html 2011a. Acesso em: 24 jul. 2010.

______. Learning for all: investing in pe p e’s knowledge and skills to promote development. Washington: WB, 2011b.

World Health Organization (WHO). International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems 10th Revision (ICD-10). 2010. Disponível em: http://apps.who.int/classifications/icd10/browse/2010/en#/F70-F79 Acesso em: 11 de set.2013.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.