Gestão participativa em escolas quilombolas

O protagonismo da comunidade quilombola de Conde -PB (Gurugi e Ipiranga) na descolonização das práticas de gestão escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v11iesp.1.16498

Palavras-chave:

Gestão democrática, Educação escolar quilombola, Comunidade quilombola, Descolonização

Resumo

O artigo apresenta um estudo sobre o papel das comunidades quilombolas do Gurugi (1 e 2) e Ipiranga na descolonização da gestão escolar. Teve como espaço investigativo o município de Conde-PB, situado na mesorregião da Mata Paraibana, no litoral sul da microrregião de João Pessoa-PB. Utilizou-se os Relatórios de Aulas-Campo (diálogo entre a comunidade quilombola e estudantes e docentes dos Cursos de Pedagogia e Pedagogia do Campo sobre a história da comunidade e a relação comunidade-escola); O Projeto Político e Pedagógico da Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental José Albino Pimentel; Dados do INEP e narrativas da gestora em documentos escolares. A reflexão sobre os achados aponta que a participação direta da comunidade no espaço escolar contribui significativamente na gestão democrática e nos índices de qualidade escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ancelmo Rodrigues da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Ana Paula Romão de Souza Ferreira, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Educação. Docente da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

ABIB, P. R. J. Capoeira Angola: cultura popular e o jogo dos saberes na roda. 2. ed. Salvador: EDUFPB, 2017.

ALVES, J. S.; MELO JÙNIOR, A. L.; CAIADO, K. R. M. Um olhar sobre as políticas públicas da educação do campo e educação especial à luz da pedagogia histórico-crítica. Educação e Fronteiras On-Line, Dourados, v. 8, n. 23 p. 192-209, maio/ago. 2018. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/ educacao/article/view/9454. Acesso em: 12 fev. 2021.

ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. Por uma Educação do Campo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BRASIL. Decreto n. 7.352 de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8-decreto-7352-de4-de-novembro-de-2010/file. Acesso em: 30 jun. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Brasília, DF: INEP/MEC, 2020. IDEB Escola José Albino Pimentel. Disponível em: http://idebescola.inep.gov.br/ideb/escola/dadosEscola/25092146. Acesso em: 12 de jan. de 2021.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 16/2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Brasília, DF: SECADI, 2012.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1/2004. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, 2004b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ res012004.pdf >. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Resolução n. 8, de 20 de novembro de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Brasília, DF. 2012.

CARVALHO, J. M. Teatro das sombras: A política imperial. 2. ed. Rio de janeiro: Ed. UFRJ/Relume Dumará, 1996.

COLARES, M. L. I. S; ROCHA, S. H. X.; COLARES, A. A. A gestão educacional: Práticas reflexivas e proposições para escolas públicas. Belém: GTR, 2012.

FERREIRA, A. P. R. S. Diversidades culturais nos escritos da Escola de Gestores (PB): inquietudes dos gestores em sua produção científica. In: ARAGÃO, W. H.; SOUSA JR, L. de.; DANTAS, É. S. Reflexões sobre gestão escolar democrática e política educacional: Em busca de uma escola pública de qualidade. Curitiba: Appris, 2019.

FREIRE, P. Política e educação: Ensaios. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

LEANDRO, D. N. Educação do Campo e as Relações Étnico-raciais: à luz do Projeto Político Pedagógico da Escola Quilombola José Albino Pimentel (Conde-PB). 2020. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Educação do Campo) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2020.

PARO, V. H. Administração escolar: Introdução crítica. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

RELATÓRIO. Aula-campo no município de Conde-PB. In: FERREIRA, A. P. R. S. Centro de Educação. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018.

RODRIGUES, M. F. F.; MARQUES, A. C. N. (org.). A geografia dos povos tradicionais: Marcos legais e construções sociais. João Pessoa: Editora UFPB, 2018.

SANTOS, C. M. A fenda na conspiração dos silêncios: vozes femininas nas literaturas africanas. In: TETTAMANZY, A. L. L.; SANTOS, C. M. Lugares de Fala, Lugares de escuta: Nas literaturas africanas, ameríndias e brasileira. Porto Alegre: Zouk, 2018.

SILVA, F. L. G. R.; FERNADES, S. R. S.; SILVA, S. J. R. Políticas educacionais e educação intercultural: implicações sobre os currículos escolares e construção de identidades descolonizadas. Educação e Fronteiras On-Line, Dourados, v. 8, n. 22, p. 72-88, jan./abr. 2018. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/9706. Acesso em: 10 jan. 2021.

SODRÉ, M. Pensar nagô. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

WALSH, C. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: insurgir, resistir e reviver. In: CANDAU, V. M. (org.) Educação Intercultural na América Latina: Entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: Letras, 2009.

Publicado

2021-10-30

Como Citar

SILVA, A. R. da; FERREIRA, A. P. R. de S. Gestão participativa em escolas quilombolas : O protagonismo da comunidade quilombola de Conde -PB (Gurugi e Ipiranga) na descolonização das práticas de gestão escolar. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 11, n. esp.1, p. e021012, 2021. DOI: 10.30612/eduf.v11iesp.1.16498. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/16498. Acesso em: 1 mar. 2024.