Descrição e análise da utilização do Ensino Híbrido na Universidade Federal da Grande Dourados

Ivan Claudino Herrmann

Resumo


A sociedade contemporânea passa por profundas e rápidas transformações, ocasionadas, sobretudo, pela revolução informacional. Em acréscimo, há a chegada de uma nova geração de alunos à Universidade, a dos nativos digitais, fazendo-se necessário estabelecer o debate sobre a utilização de novas e diversificadas metodologias e modalidades de ensino. Nesta perspectiva, este trabalho propõe-se a descrever e analisar a utilização do ensino híbrido na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Para tanto, utilizou-se de uma abordagem quali-quantitativa, tendo por procedimentos técnicos a análise documental e a aplicação de questionários. Como resultado da pesquisa, descobriu-se que o modelo educacional híbrido é empregado em pelo menos 55% dos cursos de graduação presenciais da UFGD, no entanto, corriqueiramente sem a devida previsão nos projetos pedagógicos dos cursos. Os principais aspectos positivos apontados para a utilização do ensino híbrido se referem à capacidade de imprimir flexibilidade na escolha de horários e locais de estudo e permitir uma maior autonomia dos alunos frente aos processos educativos. No que se refere aos obstáculos encontrados, destacam-se  a falta de capacitação do docente para utilização das tecnologias informacionais na educação e a resistência dos mesmos frente ao processo de convergência entre o presencial e o virtual.

Palavras-chave


Ensino híbrido; Blended learning; Educação a Distância; TICs na educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE. L. A. R. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E ENSINO PRESENCIAL: convergência de tecnologias e práticas educacionais. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Dissertação de Mestrado. Campinas, 2011. 122p. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2019.

ARANHA, M. L. A. História da Educação e da Pedagogia. Geral e Brasil. 3. Ed. São Paulo: Moderna, 2006. 384p.

BELLONI, M. L. Educação a Distância. 7. ed. Campinas: Autores Associados, 2015. 144p. .

BORGES, M. K. EDUCAÇÃO SEMIPRESENCIAL: Desmistificando a Educação a Distância. 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2019.

CARLINI, A. L; TARCIA, R. M. L. 20% a distância e agora? Orientações práticas para o uso de tecnologia de educação a distancia no ensino presencial. São Paulo: Pearson, 2010. Disponível em: . Acesso em: Acesso em: 12 out. 2019.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 4. Ed. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2000. 617p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Ed. Atlas S.A. São Paulo. Brasil, 2008. 216p.

HADDAD, M. AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVAs) NO ENSINO PRESENCIAL E SEMIPRESENCIAL DE GRADUAÇÃO DA UFSJ. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São João Del-Rei – UFSJ, Minas Gerais, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2019.

HERRMANN, I. C. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO ENSINO HÍBRIDO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS. 2018. 108 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2018. Disponível em: < http://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/MESTRADO-ADMINISTRACAO-PUBLICA/TCF-Ivan%20Claudino%20Herrmann.pdf>. Acesso em: 17 out. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Acesso à Internet e à Televisão e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística do Ensino Superior: Censo da Educação Superior 2015. Brasília: INEP, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2019.

_________. Censo da educação superior 2018: notas estatísticas. Brasília: INEP, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2019.

JUNIOR, E. R.; FERNANDES, F. J. Proposta de inclusão de carga horária semipresencial em cursos superiores presenciais. Rev. Avaliação (Campinas) vol.19 no.1 Sorocaba Mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2019.

KENSKI, V. M. Tecnologias e o ensino presencial e a distância (9ª ed.). Campinas-SP: Papirus. 2012. 157p.

LAPA, A; PRETTO, N. L. Educação a distância e precarização do trabalho docente. Em Aberto, Brasília, v. 23, n. 84, p.79-97, nov.2010. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2019.

LEVY, P. Cibercultura. Sao Paulo, SP: Ed. 34, 1999. 260p.

LITTO, et al. Competências para Educação a Distância. Referenciais Teóricos e Instrumentos de Validação. ABED, 2012. Disponível em http: /www2.abed.org.br/documentos/ArquivoDocumento712.doc.>. Acesso em: 28 out. 2019.

MACHADO, E. A. Desempenho acadêmico e satisfação dos estudantes da modalidade de EAD: um estudo comparativo entre concluintes dos cursos de Ciências Contábeis e Administração. São Paulo: USP, 2014. 161p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2019.

MORAN, J. M. Ensino e Aprendizagem Inovadores com apoio de tecnologias. In:MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos Tarcisio,Behrens, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediacao pedagógica. 21. Ed. Campinas: Papirus, 2013. 173p.

MORAN, J. M.; VALENTE, J. A. Educação a Distância: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2011. 136p.

NEVES, Y. P. Evasão nos cursos a distância curso de extensão TV na Escola e os Desafios de Hoje. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira. Universidade Federal de Alagoas, 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2019.

ROSA, R. Trabalho Docente: dificuldades apontadas pelos professores no uso das tecnologias. Revista Encontro de Pesquisa em Educação Uberaba, v. 1, n.1, p. 214-227, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2019.

SANTOS, B. S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 2003. 156 p.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Trad. Marcos Santarrita. 16. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

UFGD. Pró-reitoria de graduação. Projetos Pedagógicos dos cursos de graduação. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2019.

UNESCO. Diretrizes de políticas para aprendizagem móvel. 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2019.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v7i9.11068

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.