Entextualizações criativas de discursos sobre raça em práticas discursivas multissituadas na periferia brasileira

Thayse Figueira Guimarães, Luiz Paulo Moita-Lopes

Resumo


Este artigo tem como foco investigativo as performances de raça de Luan nas interações da web e na sala de aula. Luan é um garoto negro, que se identifica como gay. O estudo é parte de uma pesquisa etnográfica multissituada realizada com um grupo de jovens, estudantes do ensino médio de uma escola pública da periferia das Baixadas Litorâneas do Estado do Rio de Janeiro. O trabalho é guiado pelos pressupostos teóricos da performance e da entextualização. Na análise empreendida, investiga-se a circulação dos signos identitários de raça, em intersecção com significados de gênero/sexualidade, dando atenção ao que chamamos de entextualizações criativas, ou seja, às brechas que Luan encontra para reorganizar os sentidos referentes às práticas discursivas em que se engaja. As análises apontam que  posicionamentos e performances identitárias inovadoras surgem em conjunto com visões essencializadas e sempre perceptíveis em meio a lutas e disputas. Por dar atenção às vidas móveis na “periferia”, pode-se dizer que este estudo explode as tradicionais fronteiras entre o “centro” e a “periferia”.

Palavras-chave


Etnografia multissituada. Twitter. Sala de aula. Raça. Entextualizações. Performances.

Texto completo:

PDF

Referências


APPADURAI, Arjun. Modernity at large: Cultural dimensions of globalization. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press, 1996.

BARNARD, Ian. Queer race. Bern: Peter Lang, 2004.

BAUMAN, Richard; BRIGGS, Charles L. Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. Annual Review of Anthropology, 19, p. 59-88. 1990. DOI 10.1146/annurev.an.19.100190.000423.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Tradução Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

BLOMMAERT, Jan. Discourse. Cambridge: Cambridge University Press, 2005. DOI 10.1017/CBO9780511610295.

BLOMMAERT, Jan. The sociolinguistics of globalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. DOI 10.1017/CBO9780511845307.

BLOMMAERT, Jan; MALY, Ico. Ethnographic linguistic landscape analysis and social change: A case study. Tilburg Papers in Culture Studies, 100, p. 1-28. Tilburg: Tilburg University, 2014.

BLOMMAERT, Jan; RAMPTON, Ben. Language and superdiversity: A position paper. Working Papers in Urban Language & Literacies, 70 (14), p. 1-22. King’s College London, 2011.

BUCHOLTZ, Mary. The politics of transcription. Journal of Pragmatics, 32, p. 1439-1465, 2000. DOI 10.1016/S0378-2166(99)00094-6.

BUTLER, Judith. Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. New York, NY: Routledge, 1990.

COLLINS, James. Indexicalities of language contact in an era of globalization: Engaging with John Gumperz’s legacy. Text & talk, 31(4), p. 407-428. 2011. DOI 10.1515/text.2011.020

COSTA DE PAULA, Rogéria. “Não quero ser branca não. Só quero um cabelo bom, cabelo bonito!”: Performances de corpos/cabelos de adolescentes negras em práticas informais de letramento. 2010. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução Roberto Machado. Rio de Janeiro:Graal, 1979.

GOFFMAN, Erving. Footing. In: RIBEIRO; B.T.; GARCEZ, P. M. (ed.). Sociolinguística interacional: Antropologia, linguística e sociologia em análise do Discurso. Porto Alegre: AGE, 2002. p. 107-148.

GUIMARÃES, Antônio S. Como trabalhar com “raça” em sociologia. Educação e Pesquisa, 29(1), p. 93-107. 2003. DOI 10.1590/S1517-97022003000100008.

GUIMARAES, Thayse F. Embates entre performances corpóreo-discursivas em trajetórias textuais: uma etnografia multissituada. 2014. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

GUIMARÃES, Thayse F.; MOITA-LOPES, L. P. Entextualizações estratégicas: Performances sensualizadas de raça em práticas discursivas na web 2.0. Linguagem em (Dis)curso, 16(2), p. 289-307, 2016.

GUMPERZ, John. Convenções de contextualização. In: RIBEIRO; B.T.; GARCEZ, P. M. (ed.). Sociolinguística interacional: Antropologia, inguística e sociologia em análise do Discurso. Porto Alegre: AGE, 2002. (pp. 98–119).

MARCUS, George. E. Ethnography in/of the world system. The emergence of multisited ethnography. Annual Review of Anthropology, 24, p. 95-117, 1995. DOI 10.1146/annurev.an.24.100195.000523

PENNYCOOK, A. Global Englishes and transcultural flows. London: Routledge, 2007.

PRECIADO, Beatriz. Entrevista com Beatriz Preciado. [Entrevista cedida a] Jesús Carrillo. Revista Poiésis, 15, p. 47-71, 2010.

SANTOS, Boaventura S. Do pós-moderno ao pós-colonial. E para além de um e de outro. Travessias, 7(6), p. 15-36, 2008.

SILVERSTEIN, Michael; URBAN, Greg. (ed.). Natural histories of discourse. Chicago, IL: The University of Chicago Press, 1996.

SOMMERVILLE, Siobhan B. Queering the color line: Race and the inventions of homosexuality in American culture. Durham, NC: Duke University Press, 2000.

SULLIVAN, Nikki. A critical introduction to queer theory. New York, NY: New York University Press, 2003.

BLOMMAERT, Jan; VARIS, Piia. Conviviality and collectives on social media: Virality, memes, and new social structures. Tilburg Papers in Culture Studies, 108, p. 1-21, 2014.

WITTEL, Andreas. Ethnography on the move: From field to net to internet. Forum: Qualitative Social Research, 1(1), p. 21-41, 2000.

WORTHAM, Stanton. Learning identity: The joint emergence of social identification and academic learning. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.13242

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.