Reflexões histórico-discursivas sobre o migrante num jornal de 1954

Yasmin Carolyne Soares Barreto, Marcos Lúcio de Sousa Góis

Resumo


Este texto apresenta resultados de uma pesquisa que mapeou e analisou um periódico jornalístico brasileiro, da região sul de Mato Grosso do Sul. Para isso, elegeu-se como suporte o jornal O Progresso, digitalizado pelo Centro de Documentação Regional da Universidade Federal da Grande Dourados, limitando-se à década de 1950. Para a composição deste texto, selecionou-se um acontecimento histórico: a Colônia Agrícola Nacional de Dourados, por sua importância no que diz respeito às políticas de colonização de Getúlio Vargas. Pela reportagem, buscou-se compreender como o jornal constrói discursivamente o "migrante" que, na época, se deslocava de outras partes do Brasil e do mundo para fixar-se nessa região. Para dar conta da materialidade discursiva, este artigo mobilizou fundamentos teóricos e metodológicos dos Estudos do Discurso, principalmente aqueles centrados no construto teórico de Michel Foucault, concluindo que a matéria analisada apresenta traços linguístico-discursivos e histórico-sociais que, ainda hoje, ecoam quando se fala do sujeito "migrante".


Palavras-chave


Estudos do Discurso. Mídia. Migração

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Editora Contexto, 2008.

CARLI, Maria A.F. Dourados e a democratização da terra: Povoamento e colonização da Colônia Agrícola Municipal de Dourados (1946-1956). Dourados: UFGD, 2008. IBGE. Resistência & integração: 100 anos de imigração japonesa no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. (Centro de Documentação e Disseminação de Informações.)

ERNANDES, Mercolis Alexandre. A construção da identidade douradense: 1920 a 1990. Dourados: UFGD, 2009.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica – para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo, Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000a.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2000b.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: Curso no Collège de France (1974 – 1975). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FROMM, Erich. Ter ou Ser?. Tradução Nathanael C. Caixeiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

GÓIS, Marcos L.S. Discursos contemporâneos: migrantes haitianos no jornal O Globo. IN: GUERRA, Vânia M. L.; NASCIMENTO, Celina A. G. S.; SOUZA, Claudete C.. (Org.). Sociedades contemporâneas: diversidade e transdisciplinaridade. 1ed.Campinas - SP: Pontes, 2016. p. 241-270.

INAGAKI, Edna M. Migração japonesa para o Brasil: os japoneses em Dourados (séculos XIX e XX). Dourados, MS: Ed. UEMS, 2008. 97p.

JARDIM, Denise. Imigrantes ou Refugiados?: tecnologias de controle e as fronteiras. Jundiaí, SP: Paco, 2017.

MEDEIROS, Pedro Paulo. A colônia agrícola nacional de Dourados através de valioso relatório. O Progresso. Dourados, MS, p. 1 e 4, 25 jul. 1954a.

MEDEIROS, Pedro Paulo. A colônia agrícola nacional de Dourados através de valioso relatório (continuação 2). O Progresso. Dourados, MS, p. 2, 1 ago. 1954b.

MEDEIROS, Pedro Paulo. A colônia agrícola nacional de Dourados através de valioso relatório (continuação 3). O Progresso. Dourados, MS, p. 2, 8 ago. 1954c.

NAGLIS, Suzana G. B. “Marquei aquele lugar com o suor do meu rosto”: os colonos da Colônia Agrícola Nacional de Dourados – CAND (1943 - 1960). Dourados-MS: UFGD, 2014.

OLIVEIRA, Benícia Couto de. A política de colonização do Estado Novo em Mato Grosso (1937-1945). 1999. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, p. 128.

PORTOCARRERO, Vera. As ciências da vida: de Canguilhem a Foucault. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009.

RIBEIRO JR, João. O que é positivismo. São Paulo: Brasiliense, 2001. (Coleção primeiros passos; 72).

RODRIGUES, Adriano Duarte. Delimitação, natureza e funções do discurso midiático. In: MOUILLAUD, Maurice; PORTO, Sérgio Dayrell (org.). O Jornal: da forma ao sentido. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

STAVENHAGEN, Rodolfo. Sete teses equivocadas sobre América Latina. Sociedade e Cultura, v. 17, n. 1, enero-junio, 2014, pp. 159-169. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=70340850015. Acesso em: 05 jan. 2018.

VEYNE, Paul. Foucault revoluciona a história. In. ______. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. Tradução Alda Baltar e Maria Auxiliadora Kneipp. Revisão técnica Gerusa Jenner Rosas. 4. ed. Brasília, DF: Editora da UnB, 1998.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v13i33.10091

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.