Os desafios de uma aprendizagem significativa em geometria: interfaces do estágio supervisionado em matemática

Ana Lúcia do Carmo Narciso, Adrielle Lourenço de Sá, Sabrina Alves Boldrini Cabral, Herman Fialho Fumiã

Resumo


O desenvolvimento de habilidades e competências referentes à aptidão para realização do processo de mediação pedagógica se inicia através dos primeiros contatos com a sala de aula. Neste trabalho relatamos as experiências vivenciadas durante o período de Estágio Supervisionado em uma escola da rede pública Estadual de ensino, situada na cidade de Carangola, Minas Gerais. A Geometria proporciona ao aluno um tipo de pensamento que permite assimilar e representar o mundo de maneira organizada, e por isso é extremamente importante. Todavia, verificamos que a maneira com a qual esta foi apresentada aos alunos, gerou dificuldades de entendimento dos conteúdos. Diante disso, acreditamos que os softwares educativos são capazes de auxiliar no ensino e aprendizagem dessa disciplina.


Palavras-chave


Educação. Geometria. Relato de experiência.

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho, R. L. de (2012). A criação de ambientes favoráveis à aprendizagem significativa crítica em contextos de cursos regulares nas aulas de matemática (Dissertação Mestrado). Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG,Brasil.

Civiero, P. A. G., & Sant’ana, M. F. (2013). Roteiros de aprendizagem a partir da transposição didática reflexiva. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 27 (46), 681-696. Recuperado de http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/issue/view/95 3

Kakizaki, E. Y. (2000). Análise e reflexão para uma aprendizagem significativa no estudo da geometria.1-24.

Kampff, A. J. C., Machado, J. C., & Cavedini, P. (2004). Novas tecnologias e educação matemática. RENOTE, 2 (2), 1-11, Recuperado de https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/13703

Leiva, J. C. P. (2012). Educação geométrica: reflexões sobre o ensino e aprendizagem em geometria. Educação Matemática em Revista–RS, 1(13), 9-16. Recuperado de http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/revista/index.php/EMRRS/issue/view/107

Lovis, K. A., & Franco, V. S. (2013). Reflexões sobre o uso do GeoGebra e o Ensino de Geometria Euclidiana. Informática na educação: teoria & prática, 16 (1), 149- 160. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/view/26104/25946

Nascimento, E.G.A. (2012).Avaliação do software GeoGebra como instrumento psicopedagógico de ensino em geometria (Dissertação Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Oliveira, C. de (2015). Tic’s na educação: A utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Pedagogia em Ação, 7 (1), 75-95. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/pedagogiacao/article/view/11019

Pavanello, R. M. (1993). O abandono do ensino da geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké, 1(1), 7-18. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/issue/view/1235

Perius, A. A. B. (2012). A tecnologia aliada ao ensino de matemática (Especialização). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Cerro Largo, RS, Brasil.

Seegger, V., Canes, S. E., & Garcia, C. A. X. (2012). Estratégias tecnológicas na prática pedagógica. Revista Monografias Ambientais, 8 (8), 1887-1899, Recuperado de

https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/view/6196/0

Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG.(2016). Projeto Pedagógico de Curso Licenciatura em Matemática [Projeto]. Composição Gestora da UEMG- unidade Carangola, Carangola, MG, Brasil.




DOI: https://doi.org/10.30612/tangram.v3i2.9296

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

TANGRAM - Revista de Educação Matemática
e-ISSN: 2595-0967

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.