Jogo Buss e o fortalecimento da história da comunidade Santa Rosa nas aulas de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13702

Palavras-chave:

Educação do Campo. Jogos. Probabilidade.

Resumo

A partir de recortes do trabalho de conclusão do curso de Licenciatura em Educação do Campo, habilitação em Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais, de Santos (2020), intitulado Jogo Buss e o fortalecimento da história da comunidade Santa Rosa nas aulas de Matemática, este artigo tem como objetivo trazer elementos do Jogo Buss (Jogo do Milho), apresentando seu desenvolvimento em sala de aula. Quanto ao aporte teórico, tivemos o apoio de Grando (2004). Para compreender as intervenções dentro da sala de aula, trazemos as concepções de Kishimoto (1996). Na compreensão da historicidade do tema do jogo, Caldart (2000) nos ajudou a refletir sobre a relação dos contextos sociais do campo e a utilizar o jogo como um instrumento pedagógico para estudantes do campo. Ao final, foi possível observar que os estudantes estabeleceram relações do jogo com o tema de probabilidade e resgataram lembranças de seus familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel de Souza Santos, Secretaria de Educação de Minas Gerais

Possui graduação em Educação do Campo com Habilitação em Matemática pela Universidade Federal de Minas Gerais (2020). Atuou como professor da rede estadual pública de Minas Gerais na Educação de Jovens e Adultos - EJA (2019). Atualmente faz parte do Grupo de Estudos sobre Numeramento - GEN, foi bolsista do Programa Educação Tutorial - PET EDUCAÇÃO DO CAMPO (2017-2020).

Keli Cristina Conti, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui Licenciatura Plena em Matemática pelas Faculdades Integradas de Amparo (1999); Normal Superior pelo Centro Universitário Hermínio Ometto (2004); Licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário de Araras (2011); Especialização em Matemática para Professores da quinta a oitava séries do Ensino Fundamental pelo Imecc/Unicamp (2006); Mestrado em Educação, linha de pesquisa Educação Matemática, pela Faculdade de Educação da Unicamp (2009); e Doutorado em Educação, linha de pesquisa Ensino e Práticas Culturais, pela Faculdade de Educação da Unicamp (2015). Durante o doutoramento, realizou estágio de pesquisa na Universidade de Lisboa (Portugal) pelo Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE/CAPES). Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino da Faculdade de Educação (FAE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), integrando o grupo de Educação Matemática e o Programa de Mestrado Profissional em Educação e Docência (Promestre). Tem experiência como docente e pesquisadora na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática e Educação Estatística, atuando principalmente com os seguintes temas: Formação de Professores, Desenvolvimento Profissional, Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos.

Nayara Katherine Duarte Pinto, Secretaria de Educação de Minas Gerais

Possui Graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Mestra em Educação e Docência, linha de pesquisa Educação Matemática, pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (2020). Atualmente é Professora Efetiva de Matemática da Secretaria de Educação de Minas Gerais da E.E. Christiano Guimarães. Fez iniciação cientifica na Faculdade de Educação da UFMG referente as contribuições do Laboratório de Ensino de Matemática para a formação inicial do professor que ensina Matemática. Tem experiência e interesse na área de Educação Matemática no qual atuou com os seguintes temas: Ensino Fundamental, Ensino Médio, Educação de Jovens e Adultos, Formação de Professores, Laboratório de Ensino de Matemática, material manipulável, jogos, conceito de hipérbole, uso do computador, calculadora, cálculo mental, Educação do Campo, Formação de Professores Indígenas.

Referências

BENJAMIN, César. CALDART, Roseli Salete (2000). Projeto popular e escolas do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica no Campo. (Coleção Por uma Educação Básica no Campo, n. 3).

BOGO, Ademar (2002). O vigor da Mística. Caderno de Cultura, nº 2.

BRASIL. Ministério da Educação (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF.

BROUGÈRE, Gilles (2004). Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda (2010). Dicionário da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Positivo, p. 2222. ISBN 978-85-385-4198-1.

FIORENTINI, Dario. LORENZATO, Sérgio (2006). Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas – SP.

GIMONET, Jean-Claude. Nascimento e desenvolvimento de um movimento educativo: as Casas Familiares Rurais de educação e de orientação. In: Seminário Internacional de Pedagogia da Alternância: Alternância e Desenvolvimento. Salvador. Anais. Salvador: UNEFAB, 1999, p. 39-48.

GOMES, Luciana de Oliveira Miranda (2008). Oficina para elaboração de projetos de pesquisa. Viçosa. Recuperado em 15 de abril, 2019, de http://www.ufv.br/dad/petadm/OFICINA_PARA_ELABORA%C7%C3O_DE_PROJETOS_DE_PESQUISA.ppt.

GRANDO, Regina Celia (2000). O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula.. 224p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP.

GRANDO, Regina Célia (2004). O jogo e a Matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida (1996). Jogo, Brinquedo e Brincadeira e a Educação. São Paulo: Cortez.

MACHADO, Luane Cristina Tractz (2017). Da Educação Rural à Educação do Campo: Conceituação e Problematização. In: IV Seminário Internacional de Representações sociais, subjetividade e Educação. Guarapuava – PR.

MINAS GERAIS. Secretaria de Educação (2014). Diretrizes da Educação do Campo do Estado de Minas Gerais. Brasília, Recuperado em 30 de abril, 2020, de http://www2.educacao.mg.gov.br/images/documentos/Diretrizes%20da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20do%20Campo%20do%20Estado%20de%20Minas%20Gerais.pdf.

SANTOS, Gabriel de Souza (2020). Jogo Buss e o fortalecimento da história da comunidade Santa Rosa nas aulas de Matemática. 48p. Trabalho de Conclusão do Curso (Graduação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Belo Horizonte, MG.

SILVA, Marcos Miguel da Silva (2012). Rio das Pedras: Itaipé 50 anos. 1° edição, Itaipé– MG.

SIMÕES, Willian; TORRES, Miriam Rosa (2011). Educação do campo: por uma superação da educação rural no Brasil. Curitiba. Recuperado em 25 de janeiro, 2020, de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/38662/R%20-%20E%20-%20MIRIAM%20ROSA%20TORRES.pdf?sequence=1.

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

Santos, G. de S., Conti, K. C., & Pinto, N. K. D. (2022). Jogo Buss e o fortalecimento da história da comunidade Santa Rosa nas aulas de Matemática. TANGRAM - Revista De Educação Matemática, 5(4), 162–183. https://doi.org/10.30612/tangram.v5i4.13702

Edição

Seção

Artigos