Tecnologias e Atendimento Educacional Especializado em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14567

Palavras-chave:

Pandemia. Atendimento Educacional Especializado. Práticas Pedagógicas.

Resumo

A pandemia da COVID-19 expôs a sociedade a sérios problemas. Mais de 90% dos estudantes, dentre eles os que se enquadram como público-alvo da educação especial, foram afetados com o fechamento das escolas e, consequentemente com a suspensão das aulas presenciais. Com isso, o uso das tecnologias na educação tornou-se ainda mais urgente.  Em meio ao caos vivemos o medo, mas ao mesmo tempo encaramos o desafio de tirar dessa experiência resultados positivos. Este artigo descreve como se deu a proposta da organização para os usos das tecnologias digitais nas aulas remotas para os estudantes com deficiência a partir do trabalho desenvolvido por professores do atendimento educacional especializado (AEE). O acompanhamento se deu por 12 meses através de um grupo de WhatsApp vinculado à Educação Especial, composto por professores e famílias de 23 escolas públicas do Rio Grande do Sul. Indaga-se durante as observações realizadas neste estudo: como se deu o acompanhamento do AEE para esse público considerando nas aulas remotas as individualidades e peculiaridades de cada caso? Os estudantes conseguiram se manter conectados aos dispositivos digitais? Como foi trabalhar com os estudantes da educação especial que não possuem acesso à internet? O resultado aponta para duas razões que coadunam considerações indiscutíveis: o problema central, destacado em todas as falas, que reside na falta de acesso e qualidade à recursos tecnológicos, além da relação entre educação e educação especial que ainda constitui, discriminação, receio, insegurança, falta de debates, sendo terceirizada ao professor do AEE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosemary Kennedy Santos, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutoranda (2021), Mestra em educação(2015) e Graduada em Pedagogia (1993) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. Pós graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional - Unilasalle (2009); Especialista em Educação Especial e Educação Inclusiva - FAPAZ(2012). Coordenadora do Ensino Fundamental na Gestão da Educação Básica - Secretaria Municipal de Educação de Esteio-RS (2019-2020) e na Educação Infantil da Rede Privada (2000-2012); Professora na educação BBásica e Ensino Superior.

Referências

BECK, Ulrich. Sociedade de Risco: rumo a outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

BRASIL, Avaliação para a identificação das necessidades educacionais especiais. Secretaria de Ed. Especial. Brasília: MEC/ SEESP, 2002. BRASIL, Ministério da Educação.

______. RESOLUÇÃO Nº 4, DE 2 DE OUTUBRO DE 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf>. Acesso em 03 abr. 2021.

______. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Secretaria de Educação Especial –MEC/ SEESP, 2001.

HAN, Byung-chul. Sociedade do Cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

MILL, Daniel (Org). Escritos sobre educação: Desafios e possibilidades para ensinar e aprender com as tecnologias emergentes. São Paulo: Paullus, 2013.

SANTOS, Boaventura Souza. A cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Edições Almedina, 2020.

SKLIAR, Carlos (Org.). Educação e Exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial. 7º edição. Porto Alegre: Mediação, 2013.

ŽIŽEK, Slavoj. Coronavirus es un golpe al capitalismo al estilo de ‘Kill Bill’ y podría conducir a la reinvención del comunismo. IN: Sopa de Wuhan: pensamiento contemporaneo en tiempo de pandemia. Editorial, ASPO. 2020.

Publicado

28/07/2021

Como Citar

Santos, R. K. (2021). Tecnologias e Atendimento Educacional Especializado em tempos de pandemia. Revista Interdisciplinar Em Educação E Territorialidade – RIET, 2(2), 184–204. https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14567

Edição

Seção

Dossiê 2 - Educação em tempos de pandemia