A resposta educacional à Covid-19 e a atuação da rede temática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14560

Palavras-chave:

Covid-19, Ensino Remoto, Políticas Educacionais, Redes Temáticas.

Resumo

O artigo propõe a análise da política educacional de enfrentamento aos efeitos da crise causada pela Covid-19 e a consequente paralisação das atividades presenciais das escolas. O recorte se dá na educação básica e pública, e para tanto são analisados os movimentos de diferentes atores da arena política, em especial Ministério da Educação e Conselho Nacional de Educação. Há ênfase no estudo sobre o impacto de atuação da rede temática no referido contexto, especialmente considerando a insuficiência da atuação do Estado para as orientações às redes educacionais. Por um lado, o estudo se referencia em atos normativos governamentais e, por outro, sistematiza algumas das principais pesquisas e referenciais produzidos por membros dessas redes. As interpretações contam ainda com observações empíricas provenientes do suporte a gestores educacionais. O conjunto das observações demonstra que as orientações por parte dos órgãos nacionais para uma política de enfrentamento à crise na educação foram insuficientes e que o espaço deixado pelo Estado foi, em alguma medida, ocupado por organizações da área. O estudo pretende se constituir como base para futuras pesquisas que possam analisar a resposta educacional em médio e longo prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Campos Tinoco Fattori, Universidade Federal do ABC

Graduada em Psicologia, pós-graduada em Psicopedagogia e mestranda em Políticas Públicas pela UFABC. Atuou desde 2006 em projetos de educação não-formal com crianças e adolescentes, incluindo arte-educação, apoiando também a articulação de uma rede de bibliotecas comunitárias. Em 2012, iniciou a atuação na Comunidade Educativa CEDAC com formação de profissionais da educação e apoiando a implantação de equipamentos comunitários para ampliação do acesso à literatura, brinquedoteca e às tecnologias da informação e comunicação (TIC). Atualmente faz parte da coordenação pedagógica da organização, em projeto de formação de gestores de Secretarias Municipais de Educação e de escolas públicas, incluindo também frente de mobilização social pela educação. Atua ainda na área de Tecnologia Educacional da organização.

Salomão Barros Ximenes, Universidade Federal do ABC

Professor Adjunto dos Bacharelados em Políticas Públicas (BPP), em Ciências e Humanidades (BCH) e em Ciências e Tecnologia (BCT) e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas (PGPP) da Universidade Federal do ABC (UFABC). Compõe o Grupo de Pesquisa Direito à Educação, Políticas Educacionais e Escola (DiEPEE/UFABC) e a Rede Escola Pública e Universidade (REPU). É Doutor em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo - USP (2014), com graduação em Direito (2001) e mestrado em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2006). É sócio da Anistia Internacional Brasil, compõe a diretoria da Ação Educativa e da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (CLADE/Brasil) e editor-associado da revista Educação & Sociedade. Foi pesquisador junto ao Centro de Pesquisa Jurídica Aplicada da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV Direito SP) e coordenador do programa Ação na Justiça, da Ação Educativa (entre 2006 e 2014). Foi membro do Comitê Diretivo da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, da coordenação colegiada da Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (Plataforma DhESCA Brasil) e da coordenação do Projeto de Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil. Realizou estágio profissional junto ao escritório para a América do Sul do Centro pela Justiça e Direito Internacional (CEJIL) e coordenou o programa de direitos sociais do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDECA Ceará).

Referências

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 10 de dezembro de 2020, institui Diretrizes Nacionais orientadoras para a implementação dos dispositivos da Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020. Disponível em https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-cne/cp-n-2-de-10-de-dezembro-de-2020-293526006. Acesso em 21 de março de 2021.

FARIA, C. A. P. Idéias, conhecimentos e políticas públicas: um inventário sucinto das principais vertentes analíticas recentes. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18 (51): 21-30, 2003.

HECLO, H. Issue networks and the Executive Establishment. The new American Political System, pp 87--124; 1978 in McCool, Daniel C. Public Policy Theories, Models, and Concepts: an anthology. Prentice Hall, 1995.

UNESCO. COVID-19 Resposta educacional. Nota Informativa 7.1 – Setor de Educação. 2020. Disponível em unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000373275_por?posInSet=1&queryId=f5e77daf-4788-48e3-8d17-8e13b634dfa6. Acesso em: 04 jan. 2021.

Downloads

Publicado

28/07/2021

Como Citar

Fattori, C. C. T., & Ximenes, S. B. (2021). A resposta educacional à Covid-19 e a atuação da rede temática. Revista Interdisciplinar Em Educação E Territorialidade – RIET, 2(2), 64–93. https://doi.org/10.30612/riet.v2i2.14560

Edição

Seção

Dossiê 2 - Educação em tempos de pandemia