Animações virtuais sobre a replicação do DNA e a teoria cognitiva de aprendizagem multimídia

Nicki Rosberg Ferreira Maia

Resumo


A proposta deste estudo consiste em analisar animações virtuais relacionados à temática "replicação do DNA" baseado em alguns princípios da Teoria Cognitiva de Aprendizagem Multimídia (TCAM) de Mayer (2005). Para a avaliação, foram selecionadas algumas animações de acesso livre, que apresentassem uma boa qualidade técnica e a demanda em visualizações na plataforma do Youtube. Nessa pesquisa demonstrou-se que as animações relacionadas ao tema replicação do DNA não levarem em consideração os princípios da TCAM, o que consequentemente pode ocasionar uma sobrecarga cognitiva e gerar uma ineficiência no processo de ensino aprendizagem. Existe, no entanto, a necessidade de se discutir que materiais instrucionais ou objetos de aprendizagens como as animações virtuais sobre a replicação do DNA, antes de serem utilizadas em sala de aula pelos professores passem pelo tratamento metodológico e que se fundamentem em critérios de avaliações pedagógicas da TCAM tanto em sua produção como em sua aplicação.


Palavras-chave


Animações Virtuais. Aprendizagem Significativa. Ensino de Biologia. TCAM.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. A.; CHAVES, A. C. L.; COUTINHO, F. A.; JÚNIOR, C. F. A. Avaliação de objetos de aprendizagem sobre o sistema digestório com base nos princípios da Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimídia. Ciência & Educação. Bauru, v. 20,n.4, p.1003‐1017, 2014.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J.A.; PERNAMBUCO, M.M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos, 4. ed. Editora: Cortez. São Paulo, 2011.

HECKLER, V.; SARAIVA, M. F. O.; FILHO, K. S. O. Uso de simuladores, imagens e animações como ferramentas auxiliares no ensino/aprendizagem de óptica. Revista Brasileira de Ensino de Física. v. 29(2). 2007. pp: 267-273.

KOZINETS, R. V. The Field Behind the Screen: UsingNetnography for Marketing Research in OnlineCommunities. 2002. Acesso em 04/10/2019. Disponível em: http://www.marketingpower.com/content18255.php

LOWE, R. K. Animation and learning: value for money? Em: ATKINSON, R.; McBEATH, C.; JONAS-DWYER, D.; PHILLIPS, R. (Editores). Beyond the comfort zone: Proceedings of the 21st ASCILITE Conference. Perth. 2004. pp. 558-561.

MAGARÃO, J. F. L.; STRUCHINER, M.; GIANNELLA, T. Potencialidades pedagógicas dos audiovisuais para o ensino de ciências: uma análise dos recursos disponíveis no portal do professor. II Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012.

MAYER, R. et al. The Cambridge handbook of multimedia learning. New York: Cambridge University Press, 2005.

MAYER, R. Multimedia learning. New York: Cambridge University Press, 2001.

MENDES, M. A. A. Produção e utilização de animações e vídeos no ensino de biologia celular para a 1ª série do ensino médio. 2011

Métodos de pesquisa / [organizado por] Tatiana Engel Gerhardt e Denise Tolfo Silveira ; coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da

SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

O’DAY, D. H. The Value of Animations in Biology Teaching: A Study of Long-Term Memory Retention. CBE – Life Sciences Education. v. 6. 2007. pp: 217–223

PAIVIO, A. Mental representations: a dual coding approach. Oxford: Oxford University Press, 1986.

PELIZZARI A.; KRIEGL, M. L.; BARON, M. P.; FINCK, N. T. L.; DOROCINSKI, S. I. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Rev PEC (Curitiba).2002

POZO, J. I; Crespo, M.A.G. A aprendizagem e o ensino, Ed. 5 Artmed: Porto Alegre,2009.

REZENDE, F.; COLA, C. S. D. Hipermídia na educação: flexibilidade cognitiva, interdisciplinaridade e complexidade. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 6, n. 2, p. 1-11, 2004.

SERENELLI, F. Aprendizagem multimídia e conteúdos interativos: uma experiência de pesquisa experimental em Mídia-Educação em escolas de Montevideo. In: Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 8, n. 17, p. 177-132, 2015.

SWELLER, J. Implications of cognitive load theory for multimedia learning. In: MAYER, R. E. Cambridge handbook of multimedia learning. New York: Cambridge University Press, 2005. p. 19-30

Thompson PW. Constructivism, cybernetics and information processing: implications for technologiesof research on learning. In: Steffe LP, Gale J, editors. Constructivism in education. UK: Lawrence Erlbaum Associate Publishers; 1995.

STITH, B. J. Use of animation in teaching cell biology. Cell Biology Education. v.3. 2004. pp: 181-188. Upson-Taboas; Montoya R., O'Loughlin V.D.; Impact of cardiovascular embryology animations on short-term learning. Adv Physiol Educ. 2019 Mar 1;43(1):55-65.

XAVIER, A. R.; OLIMPIO, D. M.; ALMEIDA, S. M. N.; MARTINS, E. S. Uso de objetos educacionais no ensino de ciências biológicas: alternativa metodológica para o ensino médio. Interdisciplinary Scientific Journal v.4, n.4, p. 16-36, Oct-Dec, 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v9i16.10489

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.