Professores Waldorf: educar para a liberdade é superar determinismos

Autores

  • Jonas Bach Junior
  • Tania Stoltz UFPR
  • Marcelo da Veiga Alanus Hochschule

Palavras-chave:

Pedagogia Waldorf, Liberdade.

Resumo

Este artigo apresenta o resultado da pesquisa empírica da tese de doutorado sobre a Pedagogia Waldorf, onde professores revelam o que significa para eles educar para a liberdade. Este estudo empregou as técnicas da entrevista semiestruturada com professores Waldorf brasileiros. Os dados obtidos dos participantes foram gravados, transcritos e interpretados pelo pesquisador utilizando categorias de análise. Os resultados mostraram uma discussão da educação para liberdade como superação de determinismos. Liberdade para Steiner é uma conquista da individualidade humana, que possui um poder acima das forças determinantes. Os determinismos, nos relatos, podem ser de ordem sócio-econômica, psicológica, biológica e cultural. Conhecer a sua própria individualidade pressupõe uma qualidade do autoconhecimento que significa também autorrealização. Os discursos se apóiam num humanismo genérico e na questão entre o Ser e o Ter. A Pedagogia Waldorf está na contracorrente cultivando um modo de ser cultural que entra em conflito com o social em geral. Certos aspectos do debate de Freire poderiam enriquecer a discussão sobre a Pedagogia Waldorf, como a questão da opressão humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BUENO, Enilda Rodrigues de Almeida. Fenomenologia: a volta às coisas

mesmas. In: Adão, José Peixoto (org.). Interações entre Fenomenologia & Educação. Campinas, SP: Alínea, 2003.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre:

Bookman, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática

educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

________. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Editora UNESP,

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio

de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GIL, Antônio C.. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas,

MASINI, Elcie F. Salzano. Enfoque fenomenológico de pesquisa em

educação. In: Fazenda, Irani (org.). Metodologia da pesquisa educacional.

São Paulo, Cortez, 1999.

SAMPIERI, Roberto H.; COLLADO, Carlos F.; LUCIO, Pilar B.. Metodología de la investigación. México: McGraw-Hill, 1991.

SCHNEIDER, Peter. Waldorfpädagogik als mitteleuropäische Kulturimpuls. In: Waldorfpädagogik: perspektiven eines wissenschaftlichen Dialoges. Frankfurt am Main: Peter Lang, 2006c.

STEINER, Rudolf. Menschengeschichte im Lichte der Geistesforschung.

Sechzehn öffentliche Vorträge. Dornach (Schweiz): Verlag der Rudolf

Steiner-Nachlassverwaltung, 1962.

________. A filosofia da liberdade: fundamentos para uma filosofia

moderna: resultados com base na observação pensante, segundo método das ciências naturais. São Paulo: Antroposófica, 2000.

TOMASI, Neusi G. S.. Metodologia da pesquisa em saúde: fundamentos

essenciais. Curitiba, Autora, 1999.

TRIVIÑOS, Augusto N. S.. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a

pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

2012-12-27

Como Citar

BACH JUNIOR, J.; STOLTZ, T.; DA VEIGA, M. Professores Waldorf: educar para a liberdade é superar determinismos. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 2, n. 6, p. P.87–102, 2012. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/1669. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua