Tecendo redes de conhecimento: netnografia como ferramenta de ensino em um curso de medicina

Maria Elisa Gonzalez Manso

Resumo


O artigo apresenta os resultados obtidos em um curso de graduação de medicina localizado na cidade de São Paulo, Brasil, com a experiência de utilização do método netnográfico como estratégia de ensino, como estratégia para o alcance do perfil do egresso desejado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de medicina. A experiência aqui apresentada transcorreu durante os anos de 2016 a 2019, em disciplinas relacionadas à prática da Atenção Primária em Saúde. Os alunos utilizaram as redes sociais Facebook® e Patients like me®, onde conviveram com pessoas com doenças crônicas de diversas nacionalidades. Restou claro para estes educandos que a falta de comunicação e empatia perpassa a relação médico-paciente atual e como as questões socioculturais influenciam o adoecer. A netnografia mostrou-se útil como ferramenta de ensino, complementar a outros recursos.


Palavras-chave


Educação Superior. Currículo. Netnografia.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, A.; NATAL G.; VIANA, L. Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação digital. Cadernos da Escola de Comunicação. v.1, n.6, 2017.

ASSUNÇÃO, A. A.; JACKSON FILHO, J. M. Transformações do Trabalho no Setor Saúde e Condições para Cuidar In ASSUNÇÃO, A. A. (Org.) Trabalhar na Saúde: Experiências Cotidianas e Desafios para a Gestão do Trabalho e Emprego. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011.

BROWNSTEIN, C., BROWNSTEIN, J. S., WILLIAMS D., HEYWOOD, J. The power of social networking in medicine. Nature Biotechnology. v.27, p.888 –890, 2009.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina-Parecer CNE/CES Nº 116/2014”. Brasília, CNES: 2014.

DAMASCENO, R.F., SILVA, P.L.N. Competência cultural na atenção primária: algumas considerações. J Manag Prim Health Care. 9: eX., 2018.

DE MESQUITA, R.F. et al. Do espaço ao ciberespaço: sobre etnografia e netnografia. Perspectivas em Ciência da Informação. v.23, n. 2, p. 134-153, 2018.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2013.

FRANKENBERG, R. Unidas por la diferencia, divididas por la semejanza: la alegremente dolorosa posibilidad de la colaboración entre medicina y antropología. Cadernos de Antropologia Social. p.11-27, 2003.

FREEMAN, T.R. Manual de Medicina de Família e Comunidade de McWhinney. Porto Alegre: Artmed, 2018.

FRENK, J.; CHEN, L.; BHUTTA, Z. G. A.; COHEN, J.; CRISP, N.; EVANS, T.; FINEBERG, H.; GARCIA, P.; KE, Y. et al. Health Professionals for a New Century: Transforming Education to Strengthen Health Systems in an Interdependent World. Lancet. v.376, p. 1923-1958, 2010.

GOOD, B, & DELVECHIO GOOD, M. J. Fiction and historicity in doctor’s stories In: MATTINGLY, C. E GARRO, L. (Eds.). Narrative and the cultural construction of illness and healing. California: University of California Press, 2000

HARVARD SCHOOL OF PUBLIC HEALTH. The Global Economic Burden of Non-Communicable Diseases: a report by the World Economic Forum. EUA: Harvard, 2011

HIXSON, J. D. et al. Patients optimizing epilepsy management via an online community. The POEM Study. Neurology. 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26085605. Acesso em: 22 fev. 2017

KLEINMAN, A. E BENSON, P. Anthropology in the Clinic: The Problem of Cultural Competency and How to Fix It. PLoS Med, e294, 2006. Disponível em: https://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.0030294. Acesso em: 03 jun. 2014

KOZINETS, R.V. ''I want to believe'': a netnography of the X-Philes' subculture of consumption. Advances in Consumer Research. v.24, n.1, p. 470-475, 1997.

KOZINETS, R.V. Netnography 2.0. In: BELK, R.W. (Org.) Handbook of qualitative research methods in marketing. London: Edward Elgar Publishing, 2007.

KOZINETS, R.V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LOPES, C. M. Uma investigação sobre os sintomas bulímico e anoréxico nas redes sociais. Cadernos de psicanálise. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-62952015000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso 08 abr. 2018.

MANSO, M.E.G. Saúde e doença: do controle sobre os corpos à perspectiva do adoecido. São Paulo: Max Limonad; 2015.

MANSO, M.E.G. Construção Ativa do Conhecimento: Experiência em um Centro Universitário de São Paulo, SP. Revista Graduação USP, v.2, n.3, p.151, 2017

MANSO, M.E.G; LOPES, R.G.C. Idosos vivenciando o diabetes nas redes sociais. Revista Portal de Divulgação, v.53, p. 63-68, 2017

MASETTO, M.T. Competencia pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2015.

MERCADO, L.P. Pesquisa qualitativa on line utlizando Netnografia Virtual. Revista Teias. V.13,n.30,p.169-183, 2012

MORAES, T.A.; ABREU, N.R. Tribos de Consumo: Representações Sociais em uma Comunidade Virtual de Marca. Organ. Soc. v.24, n.81, p. 325-342, 2017.

MORAN, J. Educação híbrida. Um conceito chave para a educação hoje In BACICH, L.; NETO, A.T.; TREVISANI, F.M. Ensino hibrido. Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. OMS. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Genebra, Suíça: OMS, 2015.

PESSONI, A. Pacientes em rede: aspectos inovadores da plataforma Patients like me. Comunicação & Inovação. v. 17, n. 33, p.51-65, 2016.

PIENIZ, M. Novas configurações metodológicas e espaciais: etnografia do concreto à etnografia do virtual. Revista Elementa: Comunicação e Cultura. v.1, n.2, p.1-13, 2009.

SANTOS, N.B.; COSTA, S.M.M.; RAMOS, F.C.N.; BARBOSA, E. Envelhecimento em Comunidade: reflexões a partir das inquietudes de homens e mulheres em um grupo público no Facebook. GIGAPP Estúdios Working Papers. v. 7, n. 151, p. 215‐241, 2020

STEWART, M.; BROWN, J.B.; WESTON, W.W.; MCWHINNEY, I.R.; MCWILLIAN, C.L.; FREEMAN, T.R. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. Porto Alegre: Artmed, 2017

TAFARELO, C.S.C. Análise crítica entre etnografia e netnografia: métodos de pesquisa empírica. Proceeedings of 9⁰ Interprogramas de Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero, 2013. Disponível em: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/04/Cl%C3%A1udia-Siqueira-C%C3%A9sar-Tafarelo.pdf. Acesso em: 05 jan. 2015.

WICKS, P., MASSAGLI, M., FROST, J., OKUN, S., VAUGHAN, T., BRADLEY, R. Sharing Health Data for Better Outcomes on PatientsLikeMe®. Journal of Medicine Internet Research. v.12, n.2, p. 19, 2010.

ZIEBLAND, S; WYKE, S. Health and Illness in a Connected World: How Might Sharing Experiences on the Internet Affect People’s Health? The Milbank Quarterly. v.90, p.219-249, 2012.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v8i10.11472

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.