O dispositivo da colonialidade de gênero no discurso transfóbico online

Danillo da Conceição Pereira Silva

Resumo


Neste artigo, proponho a compreensão da violência linguística praticada contra pessoas trans enquanto instância do dispositivo de colonialidade de gênero vigente na sociedade brasileira. Para tanto, orientado por perspectivas pragmáticas e socioantropológicas da linguagem acerca das noções de performatividade, violência linguística, indexicalidade e entextualização, articulo construtos teóricos sobre as problemáticas da colonialidade/decolonização do mundo ocidental eurocentrado com as discussões sobre performances de gênero, vivências trans e transfobia, informadas por perspectivas queer/cuir/transviadas dos estudos das dissidências sexuais e de gênero. Do ponto de vista analítico, discuto dados gerados em uma pesquisa de cunho etnográfico virtual,realizada entre junho de 2015 e junho de 2016, na seção de comentários online do site de notícias brasileiro G1, a partir de interações acerca de matérias que tematizam a crucificação encenada pela atriz e modelo transexual Viviany Beleboni, durante a 19ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, ocorrida em 2015. Ao cabo do trabalho, argumento, grosso modo, que o dispositivo da colonialidade de gênero assenta seu horizonte simbólico em marcos de reconhecimento que significam como violentáveis, matáveis e disciplinarmente puníveis sujeitos cujas performances de gênero estão em desacordo com ontologias coloniais fundadas na alegada coerência compulsória entre sexo, gênero e desejo.


Palavras-chave


Violência linguística. Colonialidade de gênero. Transfobia. Indexicalidade. Entextualização.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Tradução Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BAGAGLI, Beatriz Pagliarini. A diferença trans no gênero para além da patologização. Periódicus, Salvador, n. 5, v. 1, maio-out, 2016.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução Paulo Bezerra. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BALESTRINNI, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 89-117, mai-ago de 2013.

BAUMAN, Richard. Commentary: Indirect Indexicality, Identity, Performance: Dialogic Observations. Journal of Linguistic Anthropology, v.15, n.1, p.145-150, 2005.

BAUMAN, Richard; BRIGGS, Charles. Poética e performance como perspectivas críticas sobre a linguagem e a vida social. Ilha. Vol. 8, n. 1.2, p. 185-271, 2006.

BENTO, Berenice. Transfeminicídio: violências de gênero e o gênero da violência. In: COLLING, Leonardo. (Org.) Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: Edufba, 2016, p. 43-68.

BENTO, Berenice; PELÚCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Rev. Estud. Fem., 20, 2, pp. 559-568, 2012.

BLOMMAERT, Jan. The sociolinguistics of globalization. Cambridge: University Press, 2010.

BORBA, Rodrigo; OSTERMANN, Ana Cristina. Do bodies matter? Travestis' embodiment of (trans)gender identity through the manipulation of the Brazilian Portuguese grammatical gender system. Language and Gender, v. 1, n. 1, p. 131-147, 2007.

BOURDIEU, Piérre. Linguagem e poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. São Paulo: Difusão Editorial, 1989.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do "sexo". Trad. Thomas Tadeu da Silva. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belho Horizonte: Autêntica. 2 ed., 2000.

BUTLER, Judith. Lenguaje, poder e identidad. Madrid: Síntesis, 1997.

BUTLER, J. Precarious life. London: Verso, 2004.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BRASIL. [CP 1984]. Código Penal Brasileiro. Rio de Janeiro: Saraiva Jur. 4 ed. 2019.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDENDORES SOCIAIS; TAKANO CIDADANIA (Orgs.) Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003.

CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the intersection of Race na Sex: A Black Feminist Critiqueof Antidiscrimation doctrine, feminst theory and racista politics. Disponível em: . Acesso em 09 jan. 2019.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista de Estudos Feministas, ano 10, jan./jul., 2002.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonns S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DERRIDA, Jaques. Assinatura, acontecimento, contexto. In: DERRIDA, J. Margens da filosofia. Trad. Joaquim Torres Costa, Antônio M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991b, p. 349-373.

FABRÍCIO, B. F. Linguística aplicada e visão de linguagem: por uma INdisciplinaridade radical. RBLA, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, p. 599-617, 2017.

FABRÍCIO, Branca Falabela. Transcontextos educacionais: gêneros, sexualidades e trajetórias de socialização na escola. In: SILVA, Daniel do Nascimento e.; FERREIRA, Dina Maria Martins de.; ALENCAR, Claudiana Nogueira de. (Orgs). Nova Pragmática: modos de Fazer. São Paulo: Cortez, 2014, p. 145-189.

FAVERO, Sofia Ricardo; MARACCI, João Gabriel. Transfake e a busca pela verdade na representação de travestis e pessoas trans. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 04, p. 18-39, feb. 2019.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000, p. 69-78.

GARCIA, Douglas. Transcrição parcial do áudio do vídeo Deputada Erica Malunguinho vai abrir processo contra o deputado Douglas Garcia (PSL). Disponível em: . Acesso em 04 abr. 2019.

GRIMM, E. Pra pensar em que trans.feminismos tamos pilhando pra 2015. 2015. Disponível em: htt ps://www.facebook.com/permalink.php?story_fb id=1535567996730102&id=10000830748133. Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade

global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, mar. 2008.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, mar., 2008.

GUIMARÃES, Thayse Figueira.; MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Trajetória de um texto viral em diferentes eventos comunicativos: entextualização, indexicalidade, performances identitárias e etnografia. Alfa, São Paulo, 61 (1), p. 11-33, 2017.

GUMPERZ, John J. Discourse strategies. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

HINE, Christine. Virtual Ethnography. London: Sage Publications, 2002.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Ideologia de gênero: um dispositivo retórico de ofensiva antifenista. In: DIAS, Alfrâncio Ferreira; SANTOS, Elza Ferreira; CRUZ, Maria Helena S. Gênero e sexualidades: entre invenções e desarticulações. Aracaju: Editora IFS, 2017.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, n. 9, p. 73-101, jul.-dez., 2008.

LUGONES, María. Rumao a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, p. 935-952, setembro-dezembro, 2014.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Con Fanon ayer y hoy. 2011. Disponível em: Acesso em: 23 abr. 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolíticas. Artes & Ensaios, n. 32, p. 123-151, dez. 2016.

MELO, Glenda.; MOITA LOPES, Luiz Paulo da. “Você é uma morena muito bonita”: a trajetória textual de um elogio que fere. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n(54.1): 53-78, jan./jun. 2015.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Rio de Janeiro, Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pela diferença. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que tem orientado a pesquisa. In:______ (Org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2014, p. 84-105.

OLIVEIRA, João Manuel de. Desobediências de gênero. Salvador: Editora Devires, 2017.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p.227-278, 2005.

PÉREZ NAVARRO, P. Márgenes de la ley: epifenômenos de violência biopolítica. Cadernos Pagu, n. 52, p. 68-93, 2018.

PÉREZ NAVARRO, P. Cisheteromonormatividad y orden público. In: OLIVEIRA, J. M.; AMÂNCIO, L. (Eds.). Géneros e sexualidades: intersecções e tangentes. Lisboa: CIS-IUL. p. 89-113.

RESTREPO, Eduardo; ROJAS, Axel. Inflexión decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. Popayán, Colombia: Editorial Universidad del Cauca, 2010.

SANTOS, B. S. A difícil reinvenção da democracia frente ao fascismo social. 2016. Disponível em: . Entrevista concedida a Ricardo Machado. Acesso em: 23 abr. 2019.

SÃO PAULO. [PL 346/2019]. Projeto de Lei n° 346/2019. São Paulo: Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, 2019.

SERANO, Julia. Whipping Girl: a transsexual woman on sexism and the scapegoating of femininity. Emeryville, Califórnia: Seal Press, 2007.

SILVA, D. C. P. Atos de fala transfóbicos no ciberespaço: uma análise pragmática da violência linguística. 2017. 200f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós- Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.

SILVA, D. C. P. Micropolíticas de resistência queer na narrativa de uma professora de educação básica. Humanidades e Inovação, v. 6, n. 10, p. 89-105, 2019.

SILVA, Daniel Nascimento O texto entre a entextualização e a etnografia: um programa jornalístico sobre belezas subalternas e suas múltiplas recontextualizações. Linguagem em (Dis) curso, Tubarão, n.14, p.67-84, 2014.

SILVA, D. N. ; ALENCAR, C. N. A propósito da violência na linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, n. 2, p. 129-146, 2013.

SILVA, D. N. ; ALENCAR, C. N. A Violência e significação: uma perspectiva pragmática. In: ______; FERREIRA, D. M. N.; ALENCAR, C. N. (Orgs). Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014. p. 259-285.

SILVERSTEIN, M.; URBAN, G. (Ed.). Natural histories of discourse. Chicago: The University of Chicago Press, 1996.

SILVERSTEIN, Michael. Indexical order and dialectics of sociolinguistic life. Language & communication, University of Chicago, n. 23, p.193-229, 2003.

SOARES, W. Depoimento de transexual crucifi cada sobre Parada Gay é adiado em São Paulo. G1 São Paulo. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/ 2016/06/depoimento-de-transexual-crucifi cada-sobre-parada-gay-e-adiado-em--sp.html. Acesso em: 22 abr. 2019.

SOUSA SANTOS, B. A difícil reinvenção da democracia frente ao fascismo social. 2016. Disponível em: htt p://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/563035. Entrevista concedida a Ricardo Machado. Acesso em: 23 abr. 2019.

TRANSPHOBIA VS TRASRESPECT (TvT). Terminology: Transphobia. 2019. Disponível em: htt ps://transrespect.org/en/working-defi nitions/. Acesso em: 09 jul. 2019.

VERGUEIRO, Viviane Simakawa. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade, 2015. 244f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade) – Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

WORTHAM, Stanton. Narratives in action. New York: Teacher College Press, 2001.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v13i33.9767

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.