O delírio das máquinas: a produção de imagens em O processo

Autores

  • Thiago Ranniery Moreira de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Baruc Carvalho Martins Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6323

Palavras-chave:

Kafka. Literatura. Imagem. Máquina.

Resumo

Compor um protocolo de experiência ao invés de uma experimentação interpretante ou significante; agarrar o mundo ao invés de extrair-lhe impressões. A literatura de Franz Kafka, como nos lembra Deleuze e Guattari (2003), é uma máquina de expressão que opera em diversos graus, tanto por expressões e conteúdos formalizados quanto por expressões não formalizadas e conteúdos puros. Essa máquina, assim, excederia a representação para atingir também o caráter genético da linguagem, ao mesmo tempo constituindo imagens e promovendo novas fraturas na distância mesma que as produz. Com este artigo, propomo-nos a analisar, a partir da trilha aberta por Deleuze e Guattari, a produção de imagens no romance O Processo (2008), argumentando, em articulação com a taxonomia das imagens do cinema feita por Deleuze, que o anti-estetismo de Kafka atua diretamente para conectar palavra e imagem com o objetivo de seguir uma vontade de escrita que constitui a própria potência da palavra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Ranniery Moreira de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor do Programa de Pós-graduação em Educaçãoe do Departamento de Didática da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Baruc Carvalho Martins, Universidade Federal Fluminense

Mestrando em Literatura Brasileira e Teoria da Literatura pelo programa de Pós-Graduação em Estudos da Literatura da Universidade Federal Fluminense

Referências

DELEUZE, G. A imagem-movimento (Cinema 1). Tradução: Stella Senra. São Paulo: Brasiliense, 1983.

______. A imagem-tempo (Cinema 2). Tradução de Eloisa de Araújo Ribeiro; revisão filosófica Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2005.

______. Diferença e repetição. Tradução: Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Foucault. Tradução: Claudia Sant'Anna Martins; revisão da tradução: Renato Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2005.

______. Literatura e Vida. In: ______. Crítica e clínica. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 1997, pp. 11 a 16.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Tradução: Joana Moraes Varela e Manuel Maria Carilho. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

______; ______. Kafka – para uma literatura menor. Tradução e prefácio: Rafael Godinho. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

______; ______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução: A. G. N. Neto et al. São Paulo: Editora 34, 1996, v. 3.

______; ______. O que é a filosofia?. Tradução de Bento Prado Jr. E Alberto Alonso Muñoz. 3ª edição. São Paulo: Editora 34, 2010.

FOUCAULT, Michel. Linguagem e literatura. In: MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001, pp. 137-175.

KAFKA, Franz. O processo. Organização, tradução, prefácio e notas de Marcelo Backes. Porto Alegre: L&PM, 2008.

LAPOUJADE, David. Deleuze, os movimentos aberrantes. Tradução: SANTOS, Laymart Garcia dos. São Paulo: n-1 edições, 2015.

PARENTE, André. Narrativa e modernidade – Os cinemas não-narrativos do pós-guerra. Tradução: Eloisa Araújo Ribeiro. Campinas: Papirus, 2000.

PLATÃO. O Sofista. Tradução: Carlos Alberto Nunes. Créditos da digitalização: Juscelino D. Rodrigues. E-book, O Dialético, 2003. Disponível em: <http://www.odialetico.hpg.ig.com.br> Acesso em: 13 de maio de 2017.

RANCIÈRE, Jacques. A fábula cinematográfica. Campinas, SP: Papirus, 2013.

Downloads

Publicado

21/12/2017

Como Citar

Oliveira, T. R. M. de, & Martins, B. C. (2017). O delírio das máquinas: a produção de imagens em O processo. Raído, 11(28), 108–119. https://doi.org/10.30612/raido.v11i28.6323

Edição

Seção

PARTE II - PALAVRA E IMAGEM NO TEXTO LITERÁRIO