Gênero monografia em contexto de produção acadêmica escrita

Clara Regina Rodrigues de Souza, Williany Miranda da Silva

Resumo


O gênero monografia é uma ação social que organiza a cultura acadêmica em fase de conclusão de um curso universitário de Graduação e Especialização, bem como é uma ação textual esquematizada na produção escrita. Para o presente artigo, tomamos seis exemplares deste gênero, oriundos de um curso de Letras e de Ciências Sociais, para, através de um estudo de casos múltiplos, com uma metodologia descritivo-interpretativista, analisar o referido gênero e seus movimentos recorrentes na sua seção de introdução. Com o respaldo em abordagens sociorretóricas, de Swales (1990; 2004) e de Bhatia (2004; 2009), investigamos monografias no contínuo com outros gêneros de iniciação no meio científico. Concluímos que elas revelam uma prototipicidade marcada por movimentos mais gerais, como identificação de tema, apresentação de objeto, questão e objetivos de pesquisa. Além disso, por movimentos mais específicos, como a informação de que as pesquisas são derivadas de projetos desenvolvidos no programa institucional de fomento à formação de pesquisadores (PIBIC), adaptando-se ao contexto situacional e comunicativo que evoca.

Palavras-chave


Monografia. Gêneros acadêmicos. Escrita.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Antônia Dilamar, 1996. Lexical signalling: a study of unspecific-nouns in book reviewsTese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996.

ASKEHAVE, Inger; SWALES, John M. Genre identification and communicative purpose: a problem and a possible solution. Applied Linguistics, v. 22, n. 2, p. 195-212, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Orientando sobre normas para trabalhos técnico-científicos. São Leopoldo: ABNT, mar. 2008.

______. Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos: NBR 14724:2011. 3. ed. Rio de Janeiro: ABNT, mar. 2011. Válida a partir de 17.4.2011.

BACHELLARD, G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BAZERMAN, Charles. Retórica da ação letrada. São Paulo: Parábola, 2015.

BAWARSHI, Anis S.; REIFF, Mary Jo. [2010]. Gênero: história, teoria, pesquisa e ensino. São Paulo: Parábola, 2013. Tradução de Benedito Gomes Bezerra.

BEZERRA, Benedito Gomes, 2001. A distribuição das informações em resenhas acadêmicas. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2001.

______, 2006. Gêneros introdutórios em livros acadêmicos. 243 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

BERKENKOTTER, C.; HUCKIN, T. N. Genre knowledge in disciplinary communication: cognition, culture, power. Hillsdale, NJ: LEA, 1995.

BHATIA, Vijay K. [1993]. Worlds of written discourse: a genre-based view. London: Continuum, 2004.

______. A análise de gêneros hoje. [1997]. In: BEZERRA, Benedito Gomes; BIASI-RODRIGUES, Bernadete; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. (Orgs.). Gêneros e sequências textuais. Recife: EDUPE, 2009. p. 159-195.

BIASI-RODRIGUES, Bernadete, 1998. Estratégias de condução de informações em resumos de dissertações. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, 1998.

______; ARAÚJO, Júlio César; SOUSA, Socorro Cláudia Tavares. Gêneros textuais e comunidades discursivas: um diálogo com John Swales. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

______; BEZERRA, Benedito Gomes. Propósito comunicativo em análise de gêneros. In: Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, SC, v. 12, n. 1, p. 231-249, jan./abr. 2012.

CAVALCANTI, M. Applied Linguistics: Brazilian perspectives. AILA Review. Amsterdam. v. 17. p. 23-30, 2004.

CAVALCANTI, M.; MOITA LOPES, L. P. Implementação de pesquisa na sala de aula de línguas no contexto brasileiro. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n. 17. p. 133-144, 1991.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean. (Org.) A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 295-317.

COULMAS, Florian. Escrita e sociedade. São Paulo: Parábola, 2014.

DASCAL, Marcelo. (Org.). Fundamentos metodológicos da linguística. São Paulo: Global, 1978. DEMO, P. Pesquisa: princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez, 2005.

FERREIRA, Elisa Cristina Amorim (2014). Desenvolvimento da escrita na academia: investigação longitudinal do percurso de licenciandos em letras. 198f. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Ensino). Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande – PB.

______. Aprender a escrever no ensino superior: o desafio de alunos de Letras. Campina Grande - PB: EDUFCG, 2015.

KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI, M. (Org.).Linguística Aplicada suas faces e interfaces. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva. 1996.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MACHADO, Anna Rachel (coord.). Planejar gêneros acadêmicos. São Paulo: Parábola Editorial,

vol. 3. (Coleção Leitura e produção de textos técnicos e acadêmicos).

__________. Resenha. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. vol. 2. (Coleção Leitura e produção

de textos técnicos e acadêmicos).

__________. Resumo. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. vol. 1. (Coleção Leitura e produção

de textos técnicos e acadêmicos).

__________. Trabalhos de pesquisa: diários de leitura para revisão bibliográfica. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. vol. 4. (Coleção Leitura e produção de textos técnicos e acadêmicos).

MARCUSCHI, L. Antônio. [2001]. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Atividades de (re)textualização em práticas acadêmicas : um estudo do resumo. Scripta, v. 6, n. 11, p. 109-122. Belo Horizonte: PUC Minas. 2002.

______. Referenciação e retextualização de textos acadêmicos: um estudo do resumo e da resenha. ANAIS DO III CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIN, março de 2003. p. 1-11.

______. O recurso ao discurso do outro na formação inicial: um estudo de textos de alunos de Letras. Intercâmbio (CD-ROM), São Paulo, v. 14, p. 1-14, 2004.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Oficina de Linguística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/ aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

______. Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOTTA-ROTH, Désirée, 1995. Rhetorical features and disciplinary cultures: a genre-based study of academic book reviews in linguistics, chemistry and economics. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1995.

______. Uma análise de gênero de resumos acadêmicos (abstracts) em economia, linguística e química. Revista do Centro de Artes e Letras, Santa Maria, UFSM, 18 (1-2), p. 53-90, jan./ dez. 1996.

______. (Org.). Redação acadêmica: princípios básicos. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Imprensa Universitária, 2001.

______.; HENDGES, Graciela Rabuske. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola, 2010.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, Monografias, Dissertações e Teses. 4. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

RAMOS, Wiliam César, 2004. Equacionamento das fases linguística e linguístico-computacional de um programa computacional de auxílio à escrita de abstracts.187f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

______, 2011. Um roteiro para a escrita de abstracts de artigos de pesquisa: estrutura retórica e técnicas de argumentação. 345f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara – SP.

RITTI-DIAS, Fernanda Goulart Ritti; BEZERRA, Benedito Gomes. Análise retórica de introduções de artigos científicos da área da saúde pública. Horizontes de Linguística Aplicada, Brasília, ano 12, n. 1, 2014, p. 163-182.

SANTOS, M. B. The textual organization of research paper abstracts in applied linguistics. Text, 16(4), p. 481-499, 1996.

SILVA, Elizabeth Maria da (Org.). Professora, como é que se faz?. Campina Grande: Bagagem,

______. Academic abstracts: a genre analysis. 1995. Dissertação (Mestrado em Inglês). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SWALES, John M. Genre analysis: English in academic and researching settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

_____. Research genres: exploration and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

_____. [1992]. Repensando gêneros: nova abordagem ao conceito de comunidade discursiva. In: BEZERRA, Benedito Gomes; BIASI-RODRIGUES, Bernadete; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. (Orgs.). Gêneros e sequências textuais. Recife: EDUPE, 2009, p. 197-220. Tradução de Benedito Gomes Bezerra.

______. Texts and Commentaries: Toward a Reception Study of “Genre in Three Traditions” (Hyon, 1996). Conferência realizada em: Genre 2012: Rethinking Genre 20 Years Later, an international conference on genre studies. Carleton University Ottawa: Canada, 26 de jun. de 2012. Disponível em: http://www3.carleton.ca/genre2012. Acesso em out. de 2013.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v11i27.5598

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.