“Professora, você fala/ensina o inglês americano ou britânico?”: desestabilizando visões essencialistas sobre a “língua inglesa” através da elaboração e análise de atividades didáticas sob uma perspectiva glocal

Mariana Nunes Monteiro

Resumo


Vivemos em tempos de muitas mudanças e hibridizações de vários tipos: culturais, sociais, linguístico-discursivas, etc., no qual o global e o local estão imbricados inextricavelmente. Nesse contexto, é preciso que repensemos alguns conceitos modernistas com os quais ainda operamos, como é o caso de epistemes e teorizações sobre língua(gem) e, consequentemente, sobre “falante nativo”. Para tanto, Kumaravadivelu (2012) sugere que se promova uma quebra epistêmica da dependência dos sistemas de conhecimento dos países do Círculo Interno de Kachru. Em outras palavras, é necessário desconstruir a ideia do falante nativo como o padrão a ser atingido pelos estudantes de línguas, repensando métodos, abordagens e materiais didáticos que se ligam a essa episteme. Pensando nessas questões, o presente estudo visa a refletir sobre a elaboração e análise de atividades didáticas elaboradas para educandos do 8º ano. Essas atividades foram pensadas e analisadas a partir, principalmente, dos macrocritérios para a análise de livros didáticos cunhados por Tilio (2016). Os procedimentos de elaboração e análise apontam para a possibilidade de se elaborar materiais de inglês que valorizem as performances linguísticas dos educandos e os conscientize do seu papel ativo e transformador dessa língua.

 


Palavras-chave


Ideologias linguísticas. Falante nativo. Ensino de inglês. Material didático.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra; notas da edição russa de Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016 (1ª edição).

BLOCK, D.; CAMERON, D. Introdução. In: Block, D.; Cameron, D. (Orgs.). Globalization and language teaching. Londres: Routledge, 2002, p. 151-167.

BUTLER, J. Excitable speech. New York: Routledge, 1997.

CEZARIO, M.M, MARTELOTTA, M. E. Aquisição de linguagem. In: MARTELOTTA, M.E (Org). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2008.

COSTA, M.A. Estruturalismo. In: MARTELOTTA, M.E (Org). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2008.

DOERR, N. M. Investigating “native speaker effects”: toward a new model of analyzing native speaker ideologies. In: ______. The native speaker concept: ethnographic investigations of native speaker effects. Berlim: Mouton de Gruyter, 2009, p. 15-48

DOERR, N. M., KUMAGAI, Y. Towards a critical orientation in second language education. In: ______. The native speaker concept: ethnographic investigations of native speaker effects. Berlim: Mouton de Gruyter, 2009, p. 15-48

DURANTI, A. Theories of culture. Linguistic diversity. In: ________. Linguistic Anthropolgy. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

FABRÍCIO, B. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L.P. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 45-65.

FIORIN, J. L. Prefácio. In: MOITA LOPES, L.P., O português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo, 2013.

FOGAÇA, F. C. ; GIMENEZ, T. Ensino de língua estrangeira e sociedade. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, v. 7, p. 51-68, 2007.

KROSKRITY, P. V. "Language Ideologies". In: DURANTI, A. (Org.). A companion to linguístic anthropology. United Kingdon: Blackwell Publishing, 2004, p. 496-517.

KUBOTA, R. Rethinking the superiority of the native speaker: Toward a relational understanding of power In: DOER, N. M. The native speaker concept: ethnographic investigations of native speaker effects. Berlim: Mouton de Gruyter, 2009, p. 15-48.

KUMARAVADIVELU, B. Individual identity, cultural globalization and teaching English as an international language: The case for an epistemic break. In L. Alsago , W. Renandya, G. Hu, & S. L. Mckay (Eds.), Teaching English as an international language: Principles and practices . New York: Routledge, 2012, pp. 9-27.

KUMARAVADIVELU, B. A linguística aplicada na era da globalização. In: Moita Lopes, L.P. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 129-147.

MAKONI, Sinfree; PENNYCOOK, Alastair. Disinventing and reconstituting languages. In: ______. (Orgs.). Disinventing and reconstituting languages. Clevedon: Multilingual Matters, 2007.

MOITA LOPES, L. P. da. Ideologia linguística: como construir discursivamente o Português no século XXI. In: MOITA LOPES, L.P. O português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, 2013, p. 18-52.

MOITA LOPES, L. P. da. Inglês e globalização em um epistemologia de fronteira: ideologia linguística para tempos híbridos. DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada (PUCSP. Impresso), v. 24, p. 309-340, 2008.

MUSPRATT, S; LUKE, A.; FREEBODY, P. (Eds.) Constructing critical literacies: teaching and learning textual practice. Nova York: Hampton Press, 1997.

NICOLAIDES, C.; TILIO, R. O material didático na promoção da aprendizagem autônoma de línguas por meio do letramento crítico. In: SZUNDY, P.T.; ARAÚJO, J.C.; NICOLAIDES, C.; SILVA, K.A. (Orgs.). Linguística Aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. São Paulo: Pontes, 2011.

PENNYCOOK, A. Transgressive theories. Language flows, language mixes. Global Englishes and transcultural flows. London: Routledge, 2007.

PENNYCOOK, A. The cultural politics of English as an international language. London: Longman, 1994.

PIETERSE, J. N. (1995). Globalization as hybridization. In: M. Featherstone, S. Lash and R. Robertson (eds), Global Modernities. London: Sage.

RAJAGOPALAN, K. The Philosophy of Applied Linguistics. In: DAVIES, A.; ELDER, C. (Orgs.) A Handbook of Applied Linguistics. Oxford: Blackwell, 2004. P. 397-420.

RAMOSE, B.M. Globalização e Ubuntu. In: Santos, B.S.; Meneses, M.P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina. AS, 2009, p. 135-176.

ROBERTSON, R. Globalization: social theory and global culture. London: Sage, 1992.

SAKAI, N. Voices of the Past: the Status of Language in Eighteenth-century Japanese Discourse. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2003.

TILIO, R. O livro didático no ensino de línguas: caracterização do objeto, função e critérios de escolha. In: BARROS, A. L. E. C.; TENO, N. A. C.; ARAUJO, S. D. (Orgs.) Manifestações: ensaios críticos de língua e literatura. Curitiba: Appris, 2016. p. 215-237.

TRAIN, R. Toward a “natural” history of the native (standard) speaker. In: DOER, N. M. The native speaker concept: ethnographic investigations of native speaker effects. Berlim: Mouton de Gruyter, 2009, p. 15-48.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo; ensaio introdutório de Sheila Grillo. São Paulo: Editora 34, 2017[1895-1936].

WOOLARD, K. A. "Introduction: language ideology as a field of inquiry". In: SCHIEFFELIN, B. B.; WOOLARD, K. A.; KROSKRIT, P. V. (Orgs.) Language ideologies: practice and theory. Oxford: Oxford University Press, 1998, p. 3-47.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.11808

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.