Relações e avanços entre a Linguística Aplicada e o hispanismo no Brasil

Antonio Ferreira da Silva Júnior

Resumo


Existe um debate no âmbito do Hispanismo brasileiro em relação a como as pesquisas dos estudos hispânicos se inserem ou não no fazer científico da Linguística Aplicada (LA). Desde a publicação de algumas reflexões de Paraquett (2009, 2012), ocorreu certo deslocamento e compreensão do papel do linguista aplicado, da ausência de pesquisas envolvendo a língua espanhola e a LA e dos desafios dessa relação. Por meio de uma pesquisa de revisão bibliográfica e documental, propomos neste artigo questionar o conceito de Hispanismo e a representação acadêmica de sua Associação de pesquisa, a evolução da LA e o papel da Associação de Linguística Aplicada do Brasil (ALAB) no desenvolvimento da área. Com isso, queremos verificar a possibilidade de integração entre a LA e as pesquisas na área de espanhol, questionando se esse diálogo ocorre desde o âmbito da Pós-graduação. Constatamos a necessidade de encorajar novos pesquisadores a se aproximarem da LA e tentar alinhar seu trabalho às novas perspectivas teóricas e metodológicas dessa ciência social, colaborando assim para o crescimento de pesquisas em LA e espanhol. Advertimos para a necessidade de revisão da Associação de pesquisa do Hispanismo para novos compromissos e pautas tomando como referência o trabalho desenvolvido pela ALAB.


Palavras-chave


Linguística Aplicada. Hispanismo. Associações de pesquisa. Pós-Graduação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. O Ensino de Línguas no Brasil de 1978. E Agora? Revista Brasileira de Lingüística Aplicada. Volume 1, nº 1, Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, p. 15-29, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-3982001000100002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 mar. 2020.

ARCHANJO, R. Linguística Aplicada: uma identidade construída nos CBLA. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v.11, n.3, p. 609-632, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982011000300002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 30 mar.2020.

BARRETO, T.A. Os formadores de professores de espanhol: reflexões sobre seu trabalho e os cursos de Letras. In: GOMES, M.F.; ______. (Orgs.). Pesquisas e vivências em formação docente. 1ed. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013, p. 117-140.

BOHN, H.I. Posfácio. In: NICOLAIDES, C.S.; TILIO, R.C. Políticas de ensino e aprendizagem de línguas adicionais no contexto brasileiro: o caminho trilhado pela ALAB. In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K.; TILIO, R.; ROCHA, C. H. (org.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p. 307-317.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho de 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União. Brasília, 17 de fevereiro de 2017. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em 30 mar. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CP 2/2015, de 1º de julho de 2015. 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em 30 fev. 2020.

CARDOSO, J. S. Associações de professores e atuais políticas linguísticas para o ensino de línguas adicionais: estratégias e desafios. In: GULLO, A.; BALGA, L.C. (Orgs.). Políticas linguísticas e ensino de LE no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, 2017, p. 19-38.

CARVALHO, F.P. Internacionalização e aprendizado de espanhol: experiências, identidades e subjetividades de estudantes da UFMG. 2019. 218f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Doutorado em Estudos Linguísticos: Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

CELANI, M.A.A. A relevância da Lingüística Aplicada na formulação de uma política educacional brasileira. In: FORTKAMP, M. B. M.; TOMITCH, L. M. B. (Orgs.). Aspectos da Lingüística Aplicada. Estudos em homenagem ao Professor Hilário Inácio Bohn. Florianópolis: Insular, 2000, p. 17-32.

DEMO, P. Cidadania pequena: fragilidades e desafios do associativismo no Brasil. Campinas: Autores associados, 2008.

ERES FERNÁNDEZ, G.M. Gretel María Eres Fernández. In: SILVA, K.A.; ARAGÃO, R.C. (Orgs.). Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p. 131-144.

FABRICIO, B.F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 45-65.

GARCEZ, P.M. Observatório de políticas linguísticas no Brasil: metas para a Linguística Aplicada. In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K.; TILIO, R.; ROCHA, C. H. (org.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p. 79-92.

KLEIMAN, A. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente - Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013, p. 39-58.

MATOS, D.C.V.S. A linguística aplicada no Brasil e as pesquisas em língua espanhola. Revista Inventário. Salvador: UFBA, 12ª ed, jan-julho, p. 11-11, 2013. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/inventario/article/view/17610/11449. Acesso em: 25 abril 2020.

MOITA LOPES, L. P. da. (Org.). Por uma Lingüística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de Lingüística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

PAIVA, V.L.M.O.; SILVA, M.M; GOMES, I.F. Sessenta anos de Lingüística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009, p. 25-50.

NICOLAIDES, C.S.; TILIO, R.C. Políticas de ensino e aprendizagem de línguas adicionais no contexto brasileiro: o caminho trilhado pela ALAB. In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K.; TILIO, R.; ROCHA, C. H. (org.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p. 285-305.

PARAQUETT, M. A língua espanhola e a linguística Aplicada no Brasil. Revista Abehache. São Paulo: ABH, v. 1, n. 2, p. 225-239, 2012. Disponível em: http://www.hispanistas.org.br/arquivos/revistas/sumario/revista2/225-239.pdf. Acesso em: 26 abril 2020.

PARAQUETT, M. O papel que cumprimos os professores de espanhol como língua estrangeira (E/LE) no Brasil. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê – Diálogos Interamericanos. Instituto de Letras da UFF, n. 38, Niterói/RJ, p. 123-138, 2009.

PENNYCOOK, A. Uma Lingüística Aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L.P. da (Org.). Por uma Lingüística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 67-84.

PENNYCOOK, A. A Lingüística Aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. (Orgs.). Lingüística Aplicada e Transdisciplinaridade. Campinas: Mercado das Letras, 1998, p. 23-49.

SILVA JÚNIOR, A.C.; MATOS, D.C.V.S. Linguística Aplicada e o SULear: práticas decoloniais na educação linguística em espanhol. Revista Interdisciplinar Sulear, v. Ano 2, p. 101-116, 2019.

SILVA JÚNIOR, A.F.; ERES FERNÁNDEZ, G. Ausência da língua espanhola na Base Nacional Comum Curricular: Quais implicações esperar? In: GERHARDT, A.F.L.M.; AMORIM, M. A. (Orgs.). A BNCC e o ensino de línguas e literaturas. Campinas, SP: Pontes, 2019, p. 181-208.

SILVA JÚNIOR, A.F.; SANTOS, R.C; ROCHA, M.S.F. Formação de professores e ensino de línguas estrangeiras no currículo da escola e universidade. In: SILVA JÚNIOR, A.F.; SANTOS, R.C. (Orgs.). Retratos de cursos de licenciatura em Letras/Português-Espanhol. Curitiba: Appris, 2016, p. 25-38.

SOTO, U. Strictu Sensu: regularidades e dispersão na pesquisa em língua espanhola. In: PARAQUETT, M.; TROUCHE, A. (Orgs). Formas & Linguagens. Tecendo o Hispanismo no Brasil. Rio de Janeiro: CCLS, 2004, p. 155-178.

SZUNDY, P.T.C.; NICOLAIDES, C.S. A “ensinagem” de línguas no Brasil sob a perspectiva da Linguística Aplicada: um paralelo com a história da ALAB. In: GERHARDT, A.F.L.M.; AMORIM, M.A.; CARVALHO, A.M. (Orgs.). Linguística Aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, p.15- 46.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.11749

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.