A inserção dos estudos em cognição na Linguística Aplicada de hoje: questões para uma educação linguística brasileira do/no século XXI

Diego da Silva Vargas

Resumo


Neste artigo, busco trazer uma reflexão panorâmica sobre como os Estudos em Cognição podem contribuir para a construção de uma educação linguística vinculada aos pressupostos da Linguística Aplicada contemporânea. Para fundamentar essas reflexões, parto de princípios da Linguística Aplicada que venho denominando de teórico-éticos, em especial, de estudos voltados para a compreensão da escola brasileira, das práticas escolares de letramento e da educação linguística nela desenvolvida e proponho caminhos para a inserção dos estudos em cognição nesse campo, principalmente quando buscamos discutir a construção de significados e o processo de aprendizagem que se constrói em sala de aula. Para isso, trago alguns princípios gerais dos estudos em cognição contemporâneos para posteriormente construir reflexões derivadas da inserção desses princípios no campo da Linguística Aplicada voltado para a compreensão das práticas de educação linguística que se desenvolvem no espaço escolar.

Palavras-chave


Linguística aplicada. Estudos em cognição. Educação linguística. Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


DIAS, R. O. Formação inventiva como possibilidade de deslocamentos. In: DIAS, R. O. (org.). Formação inventiva de professores. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012. pp.25-41.

DIAS, R. O.; SCHEINVAR, E. Pósfácio. In: DIAS, R. O. (org.). Formação inventiva de professores. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012. pp.25-41.

DIRVEN, R. Major strands in Cognitive Linguistics. In: IBAÑEZ, F. R. M.; CERVEL, M. P. (eds.) Cognitive Linguistics Internal Dynamics and Interdisciplinary Interaction. Berlin - New York: Mouton de Gruyter, 2005, pp. 17-68.

DUQUE, P. H. Por uma abordagem ecológica da linguagem. Pontos de Interrogação, v. 5, n. 1, jan./jul. pp.55-78, 2015.

DUQUE, P. H. Discurso e cognição: uma abordagem baseada em frames. Revista da Anpoll, Florianópolis, n. 39, pp. 25-48, 2015.

DUQUE, P. H.; COSTA, M. A. Linguística Cognitiva: em busca de uma arquitetura de linguagem compatível com modelos de armazenamento e categorização de experiências. Natal / RN: EDUFRN, 2012.

FAUCONNIER, G. Mappings in Thought and Language. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

FAUCONNIER, G.; TURNER, M. The way we think. New York, Basic Books, 2002.

FERRARI, L. V. A linguística cognitiva e o realismo corporificado: implicações filosóficas e psicológicas. Veredas – Revista de Estudos Linguísticos, Juiz de Fora, v.5, n.2, pp.23-29, 2001.

FILLMORE, C. Frame semantics - Frame semantic. In: GEERAERTS, D. (ed.) Cognitive linguistics: basic readings. Berlin: Mouton de Gruyter, 2006, pp.373-400.

GEERAERTS, D. A rough guide to Cognitive Linguistics. In: GEERAERTS, D. (ed.) Cognitive linguistics: basic readings. Berlin: Mouton de Gruyter, 2006, pp.1-28.

GERHARDT, A. F. L. M. Os saberes acumulado e processual, a leitura e o desenvolvimento cognitivo. In: 54º SEMINÁRIO DO GEL – Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo, 2006, Araraquara, Anais... Araraquara, SP, Brasil, 2006.

GERHARDT, A. F. L. M. Uma visão sócio-cognitiva da avaliação em textos escolares. Educação e Sociedade. Campinas, v. 27, n. 97, pp.1181-1203, 2006.

GERHARDT, A. F. L. M. Integração conceptual, formação de conceitos e aprendizado. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 15, n. 44, pp. 247-263, 2010.

GERHARDT, A. F. L. M. As identidades situadas, os documentos curriculares e os caminhos abertos para o ensino de língua portuguesa no Brasil. In: GERHARDT, A. F. L. M.; AMORIM, M. A.; CARVALHO, A. M. (orgs.). Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, pp.77-113.

GERHARDT, A. F. L. M. A cognição estendida e a pesquisa em ensino. In: RODRIGUES, M. G. S.; ALVES, M. da P. C.; CAMPOS, S. F. (org.). Ensino de língua portuguesa: gêneros, textos, leitura e gramática. Natal: Editora da Universidade do Rio Grande do Norte, 2014.

GERHARDT, A. F. L. M.. É de pessoas que se trata: o lugar da Linguística Cognitiva numa Linguística Aplicada Indisciplinar. In: ALVARO, P. T.; FERRARI, L. (Org.). Linguística Cognitiva: Pensamento, Linguagem e Cultura. Campos dos Goytacazes: Editora Brasil Multicultural, 2017, pp. 116-135.

GERHARDT, A. F. L. M.; ALBUQUERQUE, C.; SILVA, I. A cognição situada e o conhecimento prévio em leitura e ensino. Ciências & Cognição, v.14, n. 2, pp. 74-91, 2009.

GERHARDT, A. F. L. M.; VARGAS, D. S. A pesquisa em cognição e as atividades escolares de leitura. Trabalhos em Linguística Aplicada (UNICAMP), v. 49, pp. 145-166, 2010.

GURECKIS, T. M.; GOLDSTONE, R. L. Thinking in groups. In: DROR, I. E.; HARNAD, S. (eds.). Cognition Distributed. Amsterdam/Philadelphia: Johns Benjamins Publishing Company, 2008, pp. 99-116.

HUTCHINS, E. Distributed cognition. In: N. J. Smelser; P. B. Baltes. (Orgs.). International Encyclopedia of the Social and Behavioral Sciences. Oxford: Elsevier Sciences Ltd. Disponível em http:/ww.telelearning-pds.org/coa/distributed_cognition.pdf. Acessado em 15 de abril de 2014.

JOHNSON, M. The body in the mind: the bodily bases of meaning, imagination and reason. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

KASTRUP, V. Políticas Cognitivas na Formação do Professor e o Problema do Devir-Mestre. In: Educação & Sociedade, v.26 n.93. Campinas: Cedes, 2005, p.1273-1288.

KASTRUP, V. Conversando sobre políticas cognitivas e formação inventiva. In: DIAS, R. O. (org.). Formação inventiva de professores. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012. pp. 52-60.

KASTRUP, V. A cognição contemporânea e a aprendizagem inventiva. In: KASTRUP, V.; TEDESCO, S.; PASSOS, E. Políticas da Cognição. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2015.

KLEIMAN, A. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, A. (Ed.). Os significados do Letramento. Campinas: Mercado de Letras, 1995, pp. 15-64.

LUNA, J. M. O Army Method e o desenvolvimento da Linguística Aplicada nos Estados Unidos. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v.12, n.1, pp. 31-48, 2012.

MENEZES, V.; SILVA, M. M.; GOMES, I. F. Sessenta anos de Lingüística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R. C.; ROCA, P. Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009, pp.25-50.

MIRANDA, N. S. O caráter partilhado da construção da significação. Veredas: revista de estudos linguísticos. Juiz de Fora, v. 5, n. 1, 2001, pp. 57-81.

MOITA LOPES, L. P. Introdução: Uma linguística aplicada mestiça e ideológica – interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, pp. 13-44.

MOITA LOPES, L. P. Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, pp. 85-107.

MOITA LOPES, L. P. Introdução: Fotografias da Linguística Aplicada brasileira na modernidade recente: contextos escolares. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente. Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013, pp. 15-37.

NELSON, T. O. Consciousness and metacognition. American Psychologist, v.51, n.2, p. 102–116, 1996.

NELSON, T. O.; NARENS, L. Metamemory: A theoretical framework and new findings. In: G. H. Bower (Ed.) The psychology of learning and motivation. New York: Academic Press, 1990. p. 1–45.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

RAJAGOPALAN, K. Repensar o papel da linguística aplicada. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, pp. 149-168.

RAJAGOPALAN, K. O ensino de línguas estrangeiras como uma questão política. In: MOTA, K.; SCHEYERL, D. (orgs.). Espaços Linguísticos: resistências e expansões. Salvador: Ed.UFBA, 2006.

RAJAGOPALAN, K. Política de ensino de línguas no Brasil. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente. Festschrift para Antonieta Celani. 1ª. ed. São Paulo: Parábola, 2013, pp. 144-161.

RAJAGOPALAN, K. O ensino de línguas como parte da macro-política linguística. In: GERHARDT, A. F. L. M.; AMORIM, M. A.; CARVALHO, A. M. (orgs.). Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, pp.47-73.

ROHRER, T. Embodiment and Experientialism. In: GEERAERTS, D.; CUYCKENS, H. (eds.). The Oxford Handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, 2010, pp. 25-48.

SALOMÃO, M. M. M. Gramática e interação: o enquadre programático da hipótese sócio-cognitiva sobre a linguagem. Veredas: Revista de Estudos Linguísticos. Juiz de Fora, v.1, n.1, p. 23-39. 1997.

SALOMÃO, M. M. M. O papel da gramática na construção do sentido. In: VALENTE, A. (org.). Língua, Linguística e Literatura. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998, pp. 261-277.

SALOMÃO, M. M. M. A questão da construção do sentido e a agenda dos estudos da linguagem. Veredas: Revista de Estudos Linguísticos. Juiz de Fora, v. 3, n. 1. pp. 61-79, 1999.

SALOMÃO, M. M. M. Razão, realismo e verdade: o que nos ensina o estudo sociocognitivo da referência. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v.44, pp. 71-84, 2003.

SCHERER, A. E. A história e a memória na constituição do discurso da Linguística Aplicada no Brasil. In: CORACINI, M. J.; BERTOLDO, E. S. O desejo da teoria e a contingência da prática: discursos sobre e na sala de aula (língua materna e língua estrangeira). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003, pp. 61-83.

SILVA, D. N. ‘A propósito de Linguística Aplicada’ 30 anos depois: quatro truísmos correntes e quatro desafios. D.E.L.T.A., 31-especial, pp. 349-376, 2015.

SINHA, C. Situated Selves: learning to be a learner. In: BLISS, J.; SALJO, R.; LIGHT, P. (orgs.). Learning Sites: Social and Technological Resources for Learning. Oxford: Pergamon, 1999. pp. 32-48.

SINHA, C. Biology, Culture and the Emergence and Elaboration of Symbolization. In: SALEEMI, A. P.; BOHN, O. S; GJEDDE, A. (eds.). In Search of a Language for the Mind-Brain: Can the Multiple Perspectives Be Unified? Aarhus: Aarhus University Press, 2005, pp. 311-335.

SINHA, C; JENSEN DE LOPÉZ, K. Language, culture and the embodiment of spatial cognition. Cognitive Linguistics, n. 11, pp. 17-41, 2000.

SOARES, M. B. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte, Autêntica, 1998.

SZUNDY, P. T. C.; NICOLAIDES, C. S. A “ensinagem de línguas no Brasil sob a perspectiva da Linguística Aplicada: um paralelo com a história da ALAB. In: GERHARDT, A. F. L. M.; AMORIM, M. A.; CARVALHO, A. M. (orgs.). Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013, pp. 7-46.

TOMASELLO, M. The Cultural Origins of Human Cognition. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1999.

VANIN, A. A. Língua, cognição e cultura: uma relação indissociável. Letrônica. v. 2, n. 1, pp. 42 - 59, julho 2009.

ZHANG, J.; PATEL, V. Distributed Cognition, Representation, and Affordance. In: DROR, I. E.; HARNAD, S. (eds.). Cognition Distributed. Amsterdam/Philadelphia: Johns Benjamins Publishing Company, 2008, pp.137-144.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.11712

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.