O ensino de literaturas na Linguística Aplicada brasileira

Marcel Alvaro de Amorim, Mariana Roque Lins da Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo realizar o mapeamento das pesquisas recentes em torno do ensino de literatura no âmbito da pesquisa em Linguística Aplicada brasileira. Para tanto, nos propomos a analisar as programações do Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada e Dissertações e Teses de Programas de Pós-Graduação em Linguística Aplicada na última década (de 2009 a 2019). Procuramos, dessa forma, identificar temáticas e abordagens da pesquisa em ensino de literatura vigentes na área, bem com a possível afiliação desses trabalhos a uma visão INdisciplinar da Linguística Aplicada. Conclui-se que, sob diversas perspectivas e em diálogo transdisciplinar com as áreas de Educação e Estudos Literários, a área de Linguística Aplicada tem demonstrado cada vez mais interesse pela abordagem do ensino de literatura a partir de enquadramentos diversos.


Palavras-chave


Ensino de Literatura. Linguística Aplicada. Mapeamento.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. A. de. A linguística aplicada e os estudos brasileiros: (inter-)relações teórico-metodológicas. Rev. bras. linguist. apl. vol.17, n.1, p.1-30, 2017a.

AMORIM, M. A. de. "Ensino de literaturas/leitura literária: uma questão de política linguística?". In. AMORIM, M. A. de. (Org.). Ensino de literaturas: perspectivas em linguística aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2017b, p. 07-15.

ARCHANJO, R. Linguística Aplicada: uma identidade construída nos CBLA. Rev. bras. linguist. apl., vol.11, n.3, p. 609-632, 2011.

ARRAES, J. Redemoinho em dia quente. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2019.

BORDINI, M. da G. “O jogo da pesquisa: leitura e escrita literária e intervenção social”. In: PAIVA, A.; MARTINS, A.; PAULINO, G.; VERSIANI, Z. (Orgs.) Democratizando a leitura: pesquisas e práticas. Belo Horizonte: Ceale/Autência, 2004, p. 35-42.

CAVALCANTI, M. A propósito de Linguística Aplicada. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 7, 5-12, 1986.

CELANI, M. A. A. Afinal o que é Linguística Aplicada? In: PASCHOAL, M. S. Z. de; CELANI, M. A. A. (Orgs.) Linguística Aplicada: da aplicação da linguística à linguística transdisciplinar. São Paulo: EDUC, 1992, p. 15-23.

DALVI, M. A. "À beira do abismo: o que nos dizem as dissertações e teses sobre a literatura no livro didático do ensino médio?". In: BUNZEN, C. (Org.) Livro didático de português: políticas, produção e ensino. São Carlos: Pedro & João Editores, 2015, p. 199-222.

DALVI, M. A.; REZENDE, N. L. de. Ensino de literatura: o que dizem as dissertações e teses recentes (2001-2010)? DLCV - Língua, Linguística & Literatura, 8(2), p. 37-58, 2011.

DALVI, M. A. “Literatura na escola: propostas didático-metodológicas”. In: DALVI, M. A.; REZENDE, N. L. de.; JOUVER-FALEIROS, R. (Orgs.). Leitura de literatura na escola. São Paulo: Parábola, 2013, p. 67-97.

EVARISTO, C. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2016.

FABRÍCIO. L. In: “Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso”. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 45-66.

FINARDI, K. R.; TILIO, R.; BORGES, V.; DELLAGNELO, A.; RAMOS FILHO, E. (Orgs.). Transitando e transpondo na linguística aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2019.

LAJOLO, Marisa. Usos e abusos da literatura na escola: Bilac e a literatura escolar na República Velha. Rio de Janeiro: Globo, 1982.

LAJOLO, M. “O texto não é pretexto”. In: ZILBERMAN, R. (Org.) Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982, p. 51-62.

LAJOLO, M. “O texto não é pretexto: será que não é mesmo?” In: ZILBERMAN, R.; RÖSING, T. M. K. Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009, p. 99-112.

LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. Rio de Janeiro: Ática, 2011.

LEAHY-DIOS, C. Educação literária como metáfora social: desvios e rumos. São Paulo: Martins

Fontes, 2004.

MACIEL, R. F.; TILIO, R.; JESUS, D. M. de; BARROS, A. L. de E. C. (Orgs.). Linguística aplicada para além das fronteiras. Campinas: Pontes Editores, 2018.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de linguística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

MOITA LOPES, L. P. da. Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A. da; TILIO, R.; ROCHA, C. H. (Orgs.). Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013.

PAULINO, G. O jogo do livro infantil. Belo Horizonte: Editora Dimensão, 1997.

PAULINO, G.; COSSON, R. “Letramento literário”: para viver a literatura dentro e fora da escola. In: ZILBERMAN, R.; ROSLING, T. (Orgs.). Escola e leitura: velhas crises, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009, p. 61-79.

PENNYCOOK, A. “Uma linguística aplicada transgressiva”. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 64-84.

REZENDE, N. L. de. “O ensino de literatura e a leitura literária”. In: In: DALVI, M. A.; REZENDE, N. L. de.; JOUVER-FALEIROS, R. (Orgs.). Leitura de literatura na escola. São Paulo: Parábola, 2013, p. 99-112.

SANTOS, B. de S. O fim do império cognitivo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SILVA, D. do N. “'A propósito de Linguística Aplicada' 30 anos depois”: quatro truísmos correntes e quatro desafios. DELTA. Vol.31, pp. 349-376, 2015.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SOARES, Magda. “A escolarização da literatura infantil e juvenil”. In: EVANGELISTA, A. A. M.; BRANDÃO, H. M. B.; MACHADO, M. Z. V. (Orgs.). A escolarização a leitura literária: o jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica/Ceale, 2006, p. 17-48.

SZUNDY, P. T. C.; ARAÚJO, J. C.; NICOLAIDES, C. S.; SILVA, K. A. da. (Orgs.). Linguística aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. São Paulo: Pontes Editores, 2011.

SZUNDY, P. T. C.; NICOLAIDES, C. S. "A 'ensinagem' de línguas no Brasil sob a perspectiva da linguística aplicada: um paralelo com a história da ALAB". In: AMORIM, M. A. de; GERHARDT, A. F. L. M. G.; CARVALHO, A. M. (Orgs.). Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 15-46.

SZUNDY, P. T. C.; FABRÍCIO, B. F. “Linguística Aplicada e indisciplinaridade no Brasil: promovendo diálogos, dissipando brumas e projetando desafios epistemológicos”. In: SZUNDY, P. T. C.; TILIO, R.; MELO, G. C. V. (Org.) Inovações e desafios epistemológicos em linguística aplicada: perspectivas sul-americanas. Campinas: Pontes Editores, 2019, p. 63-89.

ZILBERMAN, R. “A escola e a leitura da literatura”. In: In: ZILBERMAN, R.; RÖSING, T. M. K. Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009, p. 17-39.

ZILBERMAN, R. “Porque a leitura da literatura na escola”. In: Linguística aplicada e ensino: língua e literatura. Campinas: Pontes editores, 2013, p. 209-230.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.11695

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.