Ressignificando o material didático para o ensino de línguas estrangeiras na escola pública a partir da Linguística Aplicada indisciplinar

Lesliê Vieira Mulico, Valdiney da Costa Lobo

Resumo


Como a Linguística Aplicada Indisciplinar contribui para ressignificarmos a educação em línguas estrangeiras e a formação docente a partir dos materiais didáticos que produzimos para as escolas públicas onde atuamos? Por meio da análise de excertos de nossos próprios materiais, demonstraremos como os pilares da transgressão e da ideologia acolhem textos e atividades didáticas transidiomáticas, translocais, transculturais, crítica e política. Para tanto, assumimos um posicionamento crítico e reflexivo pró-direitos humanos na construção de uma educação de reexistência que visa a problematizar os lóci de sujeitos deslegitimados sócio-historicamente, a fim de construir um ambiente em que o aprendiz desenvolva postura crítica perante os problemas sociais. Nesse sentido, demonstraremos como a Linguística Aplicada Indisciplinar propicia uma virada ideológica aos materiais didáticos de espanhol e inglês que passam a abraçar questões relacionadas ao racismo, à xenofobia e às desigualdades sociais, e contribui para a formação crítica na contemporaneidade.

 

 


Palavras-chave


Linguística Aplicada Indisciplinar. Materiais didáticos. Ensino de línguas estrangeiras.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias.2ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

BAKHTIN, M. M. [1979] Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Mikhail M. Bakhtin; tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Editora WWF Martins Fontes, 2011, p.261-306.

BAKHTIN, M. M. [1924] Para uma filosofia do ato responsável. Mikhail M. Bakhtin; tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BAKHTIN, M. M.; VOLOCHÍNOV, Valentin. [1929] Marxismo e filosofia da linguagem. 16.ed. São Paulo: HUCITEC, 2014.

CANCLINI, N. G. [1997] Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. SÃO PAULO: EDITORA DA USP, 2013.

HALL, S. [2003]. Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2ed. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2013.

HOOKS, bell. Teaching to transgress: education as the practice of freedom. New York: Routledge, 1994.

FABRICIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar.São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

FOUCAULT, M. [1970] A Ordem do Discurso. 5 ed. São Paulo: Loyola, 1999.

FOUCAULT, M. [1979] Microfísica do Poder. 18 ed. São Paulo: Graal, 2003.

GALEANO, E. (1999) De pernas para o ar: a escola do mundo ao avesso. Porto Alegre, RS: L&PM Editores, 2009.

JENKS, C. Wither transgression? In: JENKS, C. Transgression. London and New York: Routledge, 2003, p.1-11.

JENKS, C.; Transgression: the concept. Architecture Design, v.83, n.6, p.20-23, 2013. Disponível em:http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ad.1669/pdfhttp://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ad.1669/pdf. Acesso em: 27, jun. 2015.

JERVIS, J. Transgressing the modern: explorations in the western experience of otherness. Oxford: Blackwell, 1999.

KLEIMAN, A. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In.: MOITA LOPES, Luiz Paulo (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente: Festschrift para Antonieta Celani. 1ed. São Paulo: Parábola, 2013.

LOBO, V. C. Educação De Reexistência No Ensino De Língua Espanhola: problematizando discursos racistas e xenófobos na produção de tiras em quadrinhos e de uma unidade temática. 218 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras, Programa Interdisciplinar de Pós-graduação em Linguística Aplicada, 2018.

MIOTELLO, V. Ideologia. In: BRAIT, B. (Org.) Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Editora Contexto, 2007, p.167-176.

MOITA LOPES, L. P. da. Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 13-44, 2006.

MULICO, L. V. O ensino transgressivo da língua inglesa em uma escola técnica de nível médio: usos e reflexões de um professor-escritor sobre sua unidade didática para o letramento crítico. 206 p. Tese (Doutorado) com previsão de defesa em dezembro de 2018 – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras, Programa Interdisciplinar de Pós-graduação em Linguística Aplicada, 2018.

NAGEL, T. The view from nowhere. New York: Oxford University Press, 1986.

PENNYCOOK, A. Critical applied linguistics: a critical introduction. Mahawah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2001.

PENNYCOOK. A. Global Englishes and transcultural flows. London: Routledge, 2007.

PENNYCOOK. A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES (Org.) Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 67-84, 2006.

ROJO, R. H. R. Fazer lingüística aplicada em perspectiva sócio-histórica: privação sofrida e leveza de pensamento. In: MOITA LOPES (Org.) Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 253-276, 2006.

SOUZA, A. L. S. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: HIP HOP. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

SPIVAK, G. C. [1942] Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

VERGUEIRO, W. Uso das HQs no ensino. In: RAMA, A et al. Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2004.

VOLÓCHINOV, V. [1929] Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Valentin Volóchinov; tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo; ensaio introdutório de Sheila Grillo. São Paulo: Editora 34, 2017.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença – A perspectiva dos Estudos Culturais. 6 ed. Petrópolis, RJ: Vozes Editores, 2006.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.11692

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.