Representatividade identitária da figura feminina no discurso da ministra Damares Alves

Dina Maria Martins Ferreira, Iara de Sousa Nascimento

Resumo


Inserida em um cenário sociopolítico que tem sido propício para o fortalecimento de um discurso conservador, a sociedade brasileira, desde o ano de 2019, conta com a ministra Damares Alves na chefia do Ministério da Mulher, da Família e Direitos Humanos. Diante deste contexto e da importância de seu papel enquanto mulher e representante do povo, pretende-se, neste trabalho, analisar a construção da identidade feminina no discurso da ministra por meio de uma investigação linguística, discursiva e social apoiada na Análise de  Discurso Crítica de vertente dialética-relacional (FAIRCLOUGH, 2001 [1992], 2003, 2005a, 2015b), além de teorias acerca dos Perfis Identitários Femininos (AUTORA), Identidades Performativas e Gênero (PINTO, 2002, 2007; BUTLER, 1993, 1999, 2001a, 2001b, 2017). A análise é realizada em material transcrito proveniente de um vídeo do Youtube publicado no canal “Câmara do Deputados”, em abril 2019, e revela que o perfil identitário da ministra apresenta uma postura alinhada a preceitos patriarcalistas que colocam a mulher em posição de submissão em relação ao homem, discurso este atrelado ao discurso religioso e conservador.


Palavras-chave


Discurso patriarcal. Feminilidade. Feminilitude. Performatividade.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Trad. Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas: 1990.

BUTLER, J. Bodies that matter: on the discursive limits of sex. New York: Routledge, 1993.

BUTLER, J. Como corpos se tornam matéria: entrevista. Estudos Feministas, vol. 7, nº 1-2, Florianópolis, p.155-167, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100009. Acesso em: 11 jul. 2019.

BUTLER, J. Sexual difference as a question of ethics. In: DOYLE, L. (ed.), Bodies of resistance: new phenomenologies of politics, agency, and culture, Evanston, Illinois: Northwestern University Press, 2001a. Disponível em: https://ndpr.nd.edu/news/bodies-of-resistance-new-phenomenologies-of-politics-agency-and-culture/ Acesso em: 21 ago. 2019.

BUTLER, J. Appearances aside. In: POST, R. (ed.), Prejudicial appearances: the logic of American antidiscrimination law. Durham/North Carolina: Duke University Press, 2001b. Disponível em: https://read.dukeupress.edu/books/book/538/chapter-abstract/123961/Appearances-Aside?redirectedFrom=fulltext . Acesso em: 15 ago. de 2019.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 15ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2017.

CAMERON, D. Verbal Hygiene. London: Routledge, 1999. Disponível em: https://www.academia.edu/32920654/Deborah_Cameron_Verbal_Hygiene_Politics_of_Language_1995_ . Acesso em: 11 de julho de 2019.

CUNHA, M. do N. Entre Ausências e Emergências: a Epistemologia do Sul, de Boaventura de Souza Santos e a pesquisa em Mídia, Religião e Política. Revista Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXIX - Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2016. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-1901-1.pdf. Acesso em: 5 out. 2019.

DERRIDA, J. De la grammatologie. Paris: Éditions Minuit, 1967.

DERRIDA, J. Signature événement contexte. In: Limited Inc. Paris: Éditions Galilée. 1990, p. 15-51.

FAIRCLOUGH, N. L. Discurso e mudança social. Coordenação de tradução, revisão técnica e prefácio de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001 [1992].

FAIRCLOUGH, N. L. Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, 2003.

FAIRCLOUGH, N. L. Peripheral vision: discourse analysis in organization studies – the case for critical realism. Organization Studies, v.26, n. 6, p. 915-939, 2005a. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0170840605054610. Acesso em: 25 out. 2019.

FAIRCLOUGH, N. L. Critical discourse analysis in transdisciplinar research. In: WODAK, R.; CHILTON, P. A. (Org.). A new agenda in (critical) discourse analysis: theory, methodology, and interdisciplinary. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2005b, p. 53-70.

FERREIRA, G. G. Conservadorismo, fortalecimento da extrema-direita e a agenda da diversidade sexual e de gênero no Brasil contemporâneo. Revista Lutas Sociais, São Paulo, vol.20, n.36, p.166-178, jan./jun. 2016. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/ls/article/view/31855. Acesso em: 5 out. 2019.

HALLIDAY, M. E. K. Language as a social semiotic: the social interpretation of language and meaning. London: Edward Arnold, 1978.

HALLIDAY, M. E. K. An introduction to functional grammar. London: Edward Arnold, 1994.

LIMA, R. R. Conservadorismo e pós-modernidade: as implicações para o serviço social na contemporaneidade. Anais do 16º Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social. Vitória, Espírito Santo, 2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/ABEPSS/article/download/22139/14654. Acesso em: 3 out. 2019.

MARTINS FERREIRA, D. M. Discurso Feminino e Identidade Social. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2009 [2002].

MARTINS FERREIRA, D. M. Feminilidade e feminilitude: identidades femininas. RevistaIntercâmbio, São Paulo, v. XXI, pp. 1-16, 2010. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/view/4447 Acesso em: 13 jul. 2019.

MARTINS FERREIRA, D. M. Do semelhante ao mesmo, do diferente ao semelhante: sujeito, ator, agente e protagonismo na linguagem. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 17, n.4, pp. 619-640, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ar ext&pid=S1984-63982017000400619 Acesso em: 23 jul. 2019.

MAGALHÃES, I. Introdução: a análise de discurso crítica. Revista D.E.L.T.A. ed. 21: Especial, p.1-9, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S010244502005000300002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 9 out. 2019.

MAGALHÃES, I.; MARTINS, A. R.; RESENDE, V. de M. Análise de discurso crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2017.

MOI, T. Sexual/textual politics: feminist literary theory. London: Routledge, 1995.

OTTONI, P. John Langshaw Austin e a visão performativa da linguagem. Revista D.E.L.T.A. ed.18:1, p. 117-143, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S01024502002000100005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 jul. 2019.

PINTO, J. P. Performatividade radical: ato de fala ou ato de corpo? Revista Gênero, Niterói, v. 3, n. 1, p. 101-110, 2 sem. 2002. Disponível em: https://www.academia.edu/1456438/performatividade_radical_ato_de_fala_ou_ato_de_corpo. Acesso em: 3 jul. 2019.

PINTO, J. P. Conexões teóricas entre performatividade, corpo e identidades. Revista D.E.L.T.A., 23:1, p.1-26, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.phppid=S010244502007000100001&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 3 jul. 2019.

RAMALHO, V; RESENDE, V. de M. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

RAMALHO, V. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. São Paulo: Pontes Editores, 2011.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v14i36.11415

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.