Antes o mundo não existia: imaginário das línguas e livros de autoria indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v14i34.11084

Palavras-chave:

Autoria indígena. Literatura indígena. Livros indígenas.

Resumo

Ainda que permaneça demasiadamente aberta a pergunta sobre o que seja um livro indígena (seja pela presença indígena como tema, autoria, personagem, etc), tais livros ocupam cada vez mais a cena literária brasileira. É sabido que apenas a partir do final da década de 1970, a figura do autor indígena surge no mercado editorial brasileiro. A literatura de autoria indígena, registrada e transmitida por meio de livros, como ato político, tradutório e (inter)cultural por excelência, permite-nos pensar a escrita literária como índice identitário, isto é, como construção de imagem de si e como abertura ao outro, como relação? Por essa via, propomos a leitura dos livros de autorias indígenas, como ato performático que deseja dialogar de modo emancipatório com uma comunidade de leitores, em meio a diferenças culturais irredutíveis e em meio à invenção de regimes discursivos heteróclitos, verbais e visuais. No momento em que a pergunta sobre a autoria indígena parece se colocar, por fim, como uma questão histórica irredutível a ser enfrentada pela crítica literária e/ou cultural, uma outra pergunta também emerge (parece retornar), ainda mais radical: o que nos traz um livro quando se torna um artefato poético e político, dispositivo epistêmico, produzido pelas mãos de comunidades de tradição oral? O livro, talvez assim, possa ser compreendido como poética insurgente, como dispositivo, para afirmação de identidades culturais contra hegemônicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia de Cássia Santos Barra, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Curso Bacharelado Interdisciplinar em Artes/UFSB

Programa de Pós-graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais - PPGER/UFSB

Referências

ALMEIDA, Maria Inês de; QUEIRÓS, Sônia. Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

BARRA. C. C. S. Objetos míticos americanos: livros dos povos tradicionais. Revista Em Tese. Belo Horizonte: volume 22, número 2, maio-ago. 2016. P. 20-32.

DURAS, Marguerite. Escrever. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1994.

KEHÍRI, Tõrãmu; PÃRÕKUMU, Umusi. Antes o mundo não existia: mitologia dos antigos Desana-Kehíripõrã. 2. ed. São João Batista do Rio Tiquié; São Gabriel da Cachoeira: UNIRT/FOIRN, 1995.(Narradores Indígenas do Rio Negro, v. 1).

KUMU, Umúsin Panlõn; KENHÍRI, Tolamãn. Antes o mundo não existia: a mitologia heróica dos índios Desâna. Introdução de Berta Ribeiro. São Paulo: Livraria Cultura. 1980.

RAMA, Ángel. Transculturación narrativa em América Latina. Buenos Aires: Ediciones El Andariego, 2008.

RISÉRIO, Antônio. Textos e tribos: poéticas extraocidentais nos trópicos. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995-1997.

VALLIAS, André. Totem. Rio de Janeiro, Editora Bárbarie e Cultura: 2013.

SÁ, Lúcia de. Literaturas da Floresta: textos amazônicos e cultura latino-americana. Rio de Janeiro: UERJ, 2012.

MONTE, Nieta Lindenberg. Alfabetização e Pós-alfabetização indígena: uma experiência de autoria. Em aberto, Brasília, ano 3, n. 21. abr./jun. 1984, p. 31-36.

NIMUENDAJÚ, Curt. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. 2. ed. Brasília, DF : IPHAN, IBGE, 2017.

PEREIRA, Nilza de Oliveira. Uma visão espacial e sociodemográfica da população indígena no Brasil, com base no Censo Demográfico 2010. In.: Atlas Nacional Digital do País. Brasília: IBGE, s.d. Acessível em: https://www.ibge.gov.br/apps/atlas_nacional/ Acessado em: 01 de fevereiro de 2020.

LIMA, Amanda Machado Alves de. O livro indígena e suas múltiplas grafias. Belo Horizonte: FALE, 2012. Dissertação de Mestrado.

CANDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

LLANSOL, Maria Gabriela. O senhor de Herbais: breves ensaios literários sobre a reprodução estética do mundo, e suas tentações. Lisboa: Relógio D´água, 2002.

GLISSANT, Eduoard. Introdução a uma poética da diversidade. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2001.

ALMEIDA, Ananda Nehmy de. Literaturas brasileira e indígena nas correspondências de Ángel Rama / Brazilian and Indigenous Literatures in Ángel Rama Correspondences. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, [S.l.], v. 28, n. 4, p. 427-451, dez. 2019. ISSN 2358-9787. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/15281/1125612653. Acesso em: 20 fev. 2020. doi:http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.28.4.427-451.

MACIEL, Maria Esther. A palavra ousada de Altino Caixeta de Castro. Revista de cultura # 33 - Fortaleza, São paulo - março de 2003. Disponível em: http://www.jornaldepoesia.jor.br/ag33caixeta.htm. Acesso em: 20 fev. 2020.

Downloads

Publicado

16/07/2020

Como Citar

Barra, C. de C. S. (2020). Antes o mundo não existia: imaginário das línguas e livros de autoria indígena. Raído, 14(34), 122–137. https://doi.org/10.30612/raido.v14i34.11084

Edição

Seção

Estudos de cultura contemporâneas e i(n)dentidades: interfaces brasileiras e sul-americanas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)