Experiências de um grupo de mulheres na criação de uma farinheira artesanal no assentamento Guanabara, Juti, MS

Leila Cristine Seline Dorce, Clarice Gonçalves dos Santos Amaral, Júlio Cézar Amaral, Shaline Séfara Lopes Fernandes, Carla Tais Nevoleti Correia Lima, Matheus Vinicius Dorce

Resumo


A criação da farinheira pelo grupo de mulheres formado no Assentamento Guanabara foi uma experiência muito importante para as famílias envolvidas, dessa forma, pretende-se nesse trabalho fazer um relato das ações realizadas desde a criação da farinheira artesanal até o presente momento. Em reuniões com as mulheres do assentamento, por experiência de algumas decidimos montar uma farinheira. Fizemos um curso com uma conhecida e aprendemos a fazer farinha biju. Quando tínhamos encomendas de farinha biju e farinha normal torrada dos moradores do assentamento e de clientes de outras localidades, nos reuníamos para fazer. Em 2012, a renda líquida foi de R$1.000,00(mil reais), sendo acordado entre os membros da farinheira, fazer a divisão em partes iguais. Fazer farinha biju tem compensado, pois é um produto muito apreciado, mas por não termos CNPJ encontramos dificuldade em participar de projetos e até mesmo conseguir mais recursos para ampliar os negócios. Atualmente, a farinheira completa 7 anos de existência e ainda encontra-se em pleno funcionamento, fazendo farinha biju e farinha torrada para o próprio consumo e para encomendas da região.

Palavras-chave


Agricultura familiar. Mandioca. Farinha biju.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.