A Utilização dos Mapas Conceituais para a construção dos conceitos no Processo de Aprendizagem

Silvia Helena Mousinho

Resumo


A inserção do uso do mapa conceitual nos cursos das licenciaturas de Física e de Matemática do Consórcio CEDERJ/UERJ, no componente curricular Estágio Supervisionado, visa a constituir uma estratégia pedagógica de significativa relevância para a apropriação de conceitos científicos e suas inter-relações, ajudando os alunos a analisar e integrar informações e a atribuir sentido ao que estão estudando. Os mapas conceituais foram incluídos como ferramenta capaz de gerar aprendizagem, no Estágio Supervisionado IV (última etapa dos estágios), por meio do fórum de discussão: “Mapas conceituais: organização e representação do conhecimento”. A receptividade dos estagiários e os resultados desse trabalho motivaram a criação de oficinas e atividades regulares que culminaram com o reconhecimento da necessidade de somar dados que venham a se consolidar em subsídios capazes de gerar políticas públicas quanto à inclusão dos mapas conceituais nos currículos escolares. A importância de promover o uso dos mapas conceituais como recurso didático contribui para o hábito da pesquisa, que deve ser considerada parte integrante primordial do processo educacional, pois, segundo Demo (2007), a pesquisa deve ser entendida como instrumento pedagógico para a construção do conhecimento.

Palavras-chave


Estágio supervisionado. Mapas conceituais. Aprendizagem significativa. Construção de conceitos e suas inter-relações.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D.P.; NOVAK, J.D.; HANESIAN, J. Psicologia educacional. Rio de Janeiro, Ed. Interamericana, 1980.

CARABETTA JÚNIOR, Valter. A utilização de mapas conceituais como recurso didático para a construção e inter-relação de conceitos. Revista Brasileira de Educação Médica. 37 (3): 441-447; 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v37n3/17.pdf . Acesso em: jan. 2019.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. São Paulo: Autores Associados, 2007.

FENDRICH, Lisandro J.; PEREIRA L. Ensinar e Aprender no Ensino Superior Através de Mapas Conceituais. XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de nov. de 2006. Disponível em: www.simpep.feb.unesp.br/anais/anais_13/artigos/871.pdf .

Acesso em: jan. 2019.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Capital humano in Dicionário da educação profissional em saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MOREIRA, M. A. Novas estratégias de ensino e aprendizagem: os mapas conceituais e o vê epistemológico. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1993.

MOREIRA, M. A. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. Revista Chilena de Educação Científica, v. 4, n. 2, p. 38-44, 2012. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/~moreira/mapasport.pdf . Acesso em: jan. 2019.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Textos de apoio ao professor de Física. v. 24, n. 6, 2013. Disponível em:

http://www.if.ufrgs.br/public/tapf/v24_n6_moreira_.pdf . Acesso em: jan. 2019.

NOVAK, J.D. e GOWIN, D. B. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas. 1999.

SALEMA, M. H. Aprender a pensar: a metacognição na composição escrita. Lisboa: U-L, 1991.

VERGNAUD, G. A Teoria dos Campos Conceituais. Trad. de La Théorie des Champs Conceptuels; mimeo, 1990.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v7i9.9609

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.