O livro didático e as tecnologias de informação e comunicação na educação escolar: o livro didático sobreviverá às novas tecnologias?

Kênia Hilda Moreira, Eglem Oliveira Passone Rodrigues

Resumo


O presente texto objetiva apresentar algumas discussões em torno da sobrevivência do Livro Didático (LD) a partir das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação (TICs). Para tanto, dividimos o texto em três partes: a primeira objetiva historicizar o Livro Didático na sua relação com a escola; a segunda apresenta novas dimensões de tempo, espaço e comunicação a partir das TICs; e a terceira, busca respostas para a questão da sobrevivência do LD, enquanto parte da história da cultura escolar. Concluímos que o LD continuará integrando a cultura e a tradição escolar brasileira adaptando-se à novas exigências como já vem fazendo ao longo de sua permanência enquanto recurso tecnológico de informação na sala de aula.

Palavras-chave


Livro Didático. TICs. Educação Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRAMBIDE, G. V. La institución educativa el la actualidad. Un análisis del papel de las tecnologías en los proocesos de subjetivación. 380 f. Tese. (Douroramento em Psicologia Social). Facultat de Psicologia. Universitat Autónoma de Barcelona. Barcelona‐España, 2002.

ALMEIDA, M. E. B de. Letramento digital e hipertexto: contribuições à educação. In. JUNIOR, K. et al (Orgs.). Inclusão digital – tecendo redes afetivas/cognitivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 171‐192.

BARBERO, J. M. Globalização comunicacional e transformação cultural. In. MORAIS, D. (Org.) Por uma outra comunicação – mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003, p. 57‐86.

BEDARD, R. O matérial didático impresso no ensino a distância. In.: PRETI, O. (org.) Educação a Distância – ressignificando práticas. Brasília: Líber Livro, 2005, pp. 207‐240.

BITTENCOURT, C. M. F. Livro Didático e Conhecimento Histórico: uma história do saber escolar. 369 f. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

BOETTCHER, D. A internet como dispositivo potencializador didático. In. JUNIOR, K. et al (Orgs.). Inclusão digital – tecendo redes afetivas/cognitivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 145‐161.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Trad. Rosineide Venâncio Majer, 9ª d., São Paulo: Paz e Terra, 2006.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, 1999.

CHERVEL, A. História das Disciplinas Escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação. Porto Alegre: Pannonica, n. 2, 1990.

FREITA,G, B. COSTA, W. F.; MOTTA, V. R. O Livro Didático em Questão. São Paulo: Cortez, 1993.

GATTI JÚNIOR, Décio. Livros didáticos e ensino de história: dos anos sessenta aos nossos dias. 424 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1998.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1985.

HEBRARD, J. O livro didático de ontem ao amanhã. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO, Brasília: MEC, SEF, 2002. p. 50‐56.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus, 2003.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência – futuro do pensamento na era da informática, Rio de Janeiro: Ed.34, 1993.

MONARCHA, C. R. S. . Entre as grades globais e as necessidades reais. In: DAL RI, Neusa; MARRACH, Sonia. (Org.). Desafios da educação do fim do século. Marília/SP: Unesp/Marilia ‐ Publicações, 2000, v. 1, p. 35‐40.

MOREIRA, K. H. Um mapeamento das pesquisas sobre o livro didático de história na região Sudeste: 1980 a 2000. 171 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências e Letras. UNESP‐Araraquara. São Paulo, 2006.

MUNAKATA, K. Livro didático e formação do professor são incompatíveis? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO, Brasília: MEC, SEF, 2002.p. 89‐94.

______ . Histórias que os livros didáticos contam, depois que acabou a ditadura no Brasil. In. FRETAS, Marcos Cezar de (Org). Historiografia brasileira em perspectiva. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2005, p. 271‐296.

______. Livro, livro escolar e forma escolar. In.: DALBEN, A. I. L. De F. (et al.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 219‐233.

OLIVEIRA, J. B. A. e. et ali. A política do livro didático. São Paulo, Sunus; Campinas: Ed. Unicamp, 1984.

OLIVEIRA, M. B. de. Desmercantilizar a tecnociência. In. SANTOS B. de S. (Org.) Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, 2004.

QUÈAU, P. O tempo real. In: PARENTE, A. (Org.) Imagem máquina – a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

RESNIK, Luis. Tecendo o amanhã: a historia do Brasil no ensino secundário, programas e livros didáticos 1931‐1945. 1992. 300 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro,

SANTOS, B. S. (Org.) Os processos de Globalização. In. Globalização ou utopia? Porto: Edições Afrontamento, 2001.

SANTOS, B. S. Os tribunais e as novas tecnologias de comunicação e de informação, Estudos de Direito da Comunicação. Coimbra. Sociologias, 13, Jan./Jun. 2005; Direito e Democracia, 10, 2005.

_______. Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo – globalização e meio técnico‐científico informacional. 3. ed, São Paulo: Hucitec, 1997.

SOARES, Magda Becker. Um olhar sobre o Livro Didático. Presença Pedagógica, v. 2, n.12, nov./dez. 1996, p. 52‐64.

THOMPSON, Analucia. A fábrica de heróis uma análise dos heróis nacionais nos livros didáticos de historia do Brasil. 111 f. 1989. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1989.

VIRGILIO, P. O espaço crítico. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1993.

______. O resto do tempo. In: MARTINS, F. M. e SILVA, J. M. da (Orgs.) Para navegar no século XXI – tecnologias do imaginário e cibercultura. 2. ed. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2000.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.