O ensino de Libras para professores: práticas e reflexões

Karla Alexandra Benites Florenciano, Jeferson Andrade Fleitas

Resumo


Este estudo apresenta reflexões a partir de práticas pedagógicas obtidas por meio da execução de um projeto de ensino de Língua Brasileira de Sinais (Libras) para professores de uma escola pública no município de Dourados- MS. Assim, tal projeto teve como objetivo compreender e identificar os maiores desafios enfrentados pelos professores, no processo de aprendizado da Libras. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, e dialogará com autores que tratam da temática por isso é de cunho qualitativo, utilizou se também como coleta de dados, os planos de aulas e as observações vivenciadas em cada ação do projeto. Percebe-se que o interesse por essa área da educação é muito grande. No entanto, observou-se que os principais desafios dos docentes neste contexto estão ligados a: carga horária extensa de trabalho, para conseguir uma renda melhor; inassiduidade pois precisam atender suas demandas familiares e timidez para se expressar. A partir da pesquisa é possível realizar algumas reflexões, como: Os professores precisam desmistificar o fato de que a Libras é algo fácil de ser aprendida, é necessário maior valorização, pois a Libras é uma língua de fato, por isso, para aprendê-la com autonomia é necessário dedicação de tempo e prática.

Palavras-chave


Libras. Professores. Ensino Aprendizagem. Desafios.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Plano, 2002.

BRASIL. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002.

Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>> Acesso em: 20 de julho de 2019.

BRASIL. Decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 20 de julho de 2019.

BRITO, F. B.; NEVES, Sylvia Lia Grespan; XAVIER, André Nogueira. O movimento surdo e sua luta pelo reconhecimento da Libras e pela construção de uma política linguística no Brasil. Libras em estudo: política linguística, v. 1, p. 67-104, 2013.

CAVALCANTI, Tatiana. Discurso de Michelle Bolsonaro em Libras ajuda na inclusão, dizem surdos. Folha de São Paulo, São Paulo 07 de janeiro de 2019.

ENEM 2017 – Exame Nacional do Ensino Médio. INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br > acessado em 20 de julho de 2019.

GESSER, Audrei. Metodologia de Ensino em Libras como L2. UFSC, Florianópolis, 2010.

MOTA. Mailce Borges. Aquisição de segunda língua. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis 2008.

PESTROCILO, Carlos. Alçada por primeira-dama, Libras tem gargalo de escolas e professores. Folha de São Paulo. São José do Rio Preto. 10 de Janeiro de 2019.

QUADROS, Ronice Müller de. Educação de surdos: A aquisição da linguagem – Porto Alegre: Artmed,1997.

QUADROS, Ronice Müller de. O tradutor e Intérprete de Língua Brasileira Sinais e Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Especial.2° ed. Brasília: MEC; SEESP, 2007.

QUADROS, RM de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, v. 1, p. 222, 2004.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v7i9.10779

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.