Escrita acadêmica e desenvolvimento de autoria na formação de professores via EAD: as universidades estão preparadas?

Dorotea Frank Kersch, Fernando César dos Santos

Resumo


A demanda crescente por cursos de formação de professores ocasionou o crescimento dos cursos de licenciatura a distância, os quais se tornaram o tipo de graduação em maior número nessa modalidade de ensino. Dentro deste grupo, o curso de Pedagogia é o que conta com maior número de inscritos. Nosso objetivo é identificar as concepções de trabalho acadêmico que três alunas de Pedagogia em EAD demonstram na elaboração de seus Trabalhos de Conclusão de Curso. Além disso, procura-se verificar como a universidade se prepara para a oferta de seus cursos nessa modalidade: de um lado para desenvolver o letramento acadêmico de seus alunos e, por outro, evitar possíveis plágios. Na grade curricular do curso não há previsão de atividades acadêmicas que preparem os alunos para a escrita do trabalho final. Consequentemente, as alunas, com uma concepção equivocada do que seja um trabalho acadêmico e, para fazer o que a universidade lhes pede, recorrem ao plágio. Antes de criminalizar a atitude das alunas, entretanto, é necessário que as universidades revejam práticas de leitura e escrita, de modo especial na modalidade EAD e se preocupem com a qualidade dos cursos que ofertam.

Palavras-chave


Escrita acadêmica. Plágio. Ensino a distância. Formação de professores.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBASTEFANO, R. G; SOUZA, C. G. DE. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2007, Florianópolis. Percepção do Conceito de Plágio Acadêmico entre Alunos de Engenharia de Produção e Ações para sua Redução. Anais, XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2007, Florianópolis: UFSC, 2007.

BARROS, W. C. Das práticas de plágio à autonomia textual. In:PEREIRA, R. C. M. (org.) Ateliê de Letramentos Acadêmicos – Didatização e Construção de Saberes. João Pessoa: Ideia, 2014.

ABRANCHES, S. P. 2° Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação: Multimodalidade e Ensino, 2008, Pernambuco. O que fazer quando eu recebo um trabalho crtl c + ctrl v? Autoria, pirataria e plágio na era digital: desafios para a prática docente. Anais, 2° Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação: Multimodalidade e Ensino, 2008, Pernambuco. Pernambuco: UFPE, 2008.

ARAUJO, J. C.; DIEB, M. Autoria e deontologia: mediação de princípios éticos e práticas de letramento na escrita acadêmica em um fórum virtual. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. v. 13, n. 1, p. 83-104, 2013.

ASSIS, J. A. “Eu sei mas não consigo colocar no papel aquilo que eu sei”: representações sobre os textos acadêmico-científicos. In: BOCH, F.; RINCK, F.; ASSIS, J. A. (Org.). Letramento e formação universitária: formar para a escrita e pela escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2015.

CARVALHO, J. A. B. Literacia Académica: da escola básica ao ensino superior – uma visão integradora. Revista Letras e Letras. v. 29, n. 2, p. 1-17, 2013.

CELANI, M. A. A. Literacia Questões de ética na pesquisa em Linguística Aplicada. Linguagem & Ensino. v. 8, n. 1, p. 101-122, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2005.

GEE, J. P. Identity as an analytic lens for research in education. Review of Research in Education, v. 25, n. 1, p. 99-125, 2000.

HAFERNIK, J. J.; MESSERSCHMITT, D. S.; & VANDRICK, S. Ethical issues for ESL faculty: Social justice in practice. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2002.

HENDERSON, R. HIRST, E. Reframing academic literacy: Re-examining a short-course for “disadvantaged” tertiary students. English Teaching: Practice and Critique. v. 6, n. 2, p. 25-38, 2007.

KERSCH, D. F. O letramento acadêmico na formação continuada: constituição de autoria e construção de identidades. Desenredo. v. 10, n. 1, p. 54-64, 2014.

LEA, M. R; STREET, B. V. Student writing in higher education: an academic literacies approach. Studies in Higher Education. v. 23, n. 2, p. 157-173, 1998.

LEA, M. R; STREET, B. V. The “Academic Literacies” Model: theory and applications. Theory into practice. v. 45, n. 4, p. 368-377, 2006.

LIBÂNEO, J. C. Organização da Escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

LILLIS, T. Student writing as ‘Academic Literacies’: drawing on Bakhtin to move from critique to design. Language and Education. v. 17, n. 3, p. 192-207, 2003.

SILVA, O. S. F. Entre o plágio e a autoria: qual o papel da universidade?. Revista Brasileira de Educação. v. 13, n. 38, p. 357-414, 2008.

SOUZA, S. C. T. de. Escrita acadêmica no ensino superior: um estudo de interlocuções de artigos científicos de alunos de graduação. In:PEREIRA, R. C. M. (org.) Ateliê de Letramentos Acadêmicos – Didatização e Construção de Saberes. João Pessoa: Ideia, 2014.

STEIN, J. de Q. Eu não sou essa escrita aí e, ao mesmo tempo, essa escrita é minha: por uma problematização enunciativa benvenistiana para o ensino da escrita. 2016. 178 f. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada) – Doutorado em Lingüística Aplicada: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2016.

STREET, B. Políticas e práticas de letramento na Inglaterra: uma perspectiva de letramentos sociais como base para uma comparação com o Brasil. Cadernos CEDES. v. 33, n. 89, p. 51-71, 2013.

ZAVALA, V. Quem está dizendo isso?: Letramento acadêmico, identidade e poder no ensino superior. Tradução de Luanda Sito e Marília C. Valsechi. In: VÓVIO, C.; SITO, L.; DE GRANDE, P. (Org.). Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisa em linguística aplicada. Campinas: Mercado de Letras, 2010.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v11i25.5676

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.