Inserção de estudantes indígenas na universidade pública brasileira a partir da produção textual

Umberto Euzebio, Eduardo Melo Rebouças

Resumo


Nas últimas décadas, o governo brasileiro tem orientado suas políticas públicas no sentido de promover ações que resgatem dívidas sociais e históricas com os povos originários. Em 2004, foi firmado o convênio FUB/FUNAI para formar profissionais indígenas. Entre os inúmeros problemas enfrentados pelos estudantes, estão as dificuldades de leitura e escrita. Como medida de intervenção, foram propostas reflexões contextualizadas quanto à cultura e à área específica de formação de cada estudante. Para isso, produziram um texto sobre pertencimento e uma resenha de um texto de suas respectivas áreas, passando por várias versões, a partir de feedback textual-interativo. A estratégia adotada, fundamentada na contextualização do universo indígena, levou-os para a sua realidade e possibilitou intervenção, com metodologia específica para a produção de textos, envolvendo sua realidade social e considerando sua origem e suas diferentes etnias. Fundamentados numa concepção dialógica e sociocultural de língua, texto e gênero, foi trabalhada a produção a partir da familiarização da linguagem científica em oposição ao senso comum como exercício acadêmico. Pela avaliação final, a prática proporcionou desenvolvimento de habilidades de leitura e escrita, despertou interesse e promoveu interação e inclusão dos indígenas na Universidade.

Palavras-chave


Produção textual. Indígena. Gênero textual. Inclusão. Educação superior.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. M. et al . Ação afirmativa e inclusão etnico-racial: estudo preliminar das políticas de acesso e permanência na Universidade Federal de Grande Dourados entre 2011 e 2013. O Social em Questão, v. 17, n. 32, 2014. p.101-126.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. de; CUNHA, M. J. C. Projetos iniciais em português para falantes de outras línguas. Brasília: EdUnB, Campinas: Pontes, 2007.

ANTUNES, I. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BANIWA, G. J. S. L. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas do Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/ Museu Nacional, 2006.

BANIWA, G. Educação escolar indígena. Revista FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. v. 19, n. 33, 2010. p. 35-49.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Líber Livro, 2007.

BARBOSA, J. G.; HESS, R. O diário de pesquisa: o estudante universitário e seu processo formativo. Brasília: Líber Livro, 2010.

BERGAMASCHI, M. A. Intelectuais indígenas, interculturalidade e educação. Tellus, v. 14, n. 26, 2014, p. 11-29.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o estatuto do índio. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/topicos/11722167/artigo-48-da-lei-n-6001-de-19-de-dezembro-de-1973. Acesso em: 27 ago. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 27 ago. 2016.

CAJUEIRO R. Os povos indígenas em instituições de ensino superior públicas federais e estaduais do Brasil: levantamento provisório de ações afirmativas e de licenciaturas interculturais. Projeto Trilhas de Conhecimento: o Ensino Superior de Indígenas no Brasil, 2006. Disponível em: http://www.trilhasdeconhecimentos.etc.br/educacao_superior_indigena/arquivos/Levantamento%20de%20A%E7%F5es%20Afirmativas.pdf. Acesso em 24 set. 2016.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002. (Coleção Inovação Pedagógica, v. 1)

COSTA, I. B.; FOLTRAN, M. J. (Orgs.). A tessitura da escrita. São Paulo: Contexto, 2013.

CUNHA, M. J. C. Pesquisa aplicada na área de português para falantes de outras línguas: procedimentos metodológicos. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. de; CUNHA, M. J. C. Projetos iniciais em português para falantes de outras línguas. Brasília: EdUnB, Campinas: Pontes, 2007.

DELL’ISOLA, R. L. P. Gêneros textuais em livros didáticos de língua estrangeira: o que falta? In: DIAS, R.; CRISTOVÃO, V. L. (Orgs.). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M..; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado das Letras, 2004.

EUZEBIO, U.; SARAIVA, A. L. R.; MOREIRA, A. L. C. da; CARDIA, F. M. S. dos; LEAL, A. H. H. Migração e transformações sociais de estudantes indígenas decorrentes de ações afirmativas de inclusão na Universidade de Brasília. In: Anais do XVIII Encontro de Estudos Populacionais da ABEP, Campinas: ABEP, 2012.

FARIAS, I. M. S. de. Inovação, mudança e cultura docente. 1. ed., Brasília: Líber, 2006.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 18. ed. São Paulo: Papirus, 2016.

FAZENDA, I. C. A.; TAVARES, D. E.; GODOY, H.P. Interdisciplinaridade na pesquisa científica. 1. ed. São Paulo: Papirus, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GERALDI, J. W. Concepções de linguagem e ensino de português. In: GERALDI, J. W. (Org.) O texto na sala de aula. 5. ed. São Paulo: Ática, 2011, p. 32-38.

GRICE, H. P. Logic and conversation. In: Cole, P., Morgan, J. L. (Orgs.) Syntax and Semantics. n. 3, Speech Acts. New York: Academic Press, 1975, p. 41-58.

HALL, S. A identidade cultura na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP & A, 2005.

JACOBI, R. P. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, 2005, p. 233-250.

KOCH, I. V.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. 17. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

KOCH, I. V., Elias, V. M. Ler e escrever: estratégias de produção textual. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

KOCH, I. V. As tramas do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

LINHARES, F. M.; SILVA, T. R. da. O cenário indígeno-universitário atual do país. ANAIS DO CONGRESSO NACIONAL UNIVERSIDADE EAD E SOFTWERE LIVRE, v. 2, n. 2, 2011. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/issue/view/172 Acesso em 24 set. 2016.

LOPES, E. T. Ensino-aprendizagem de química na educação escolar indígena: o uso do livro didático de química em um contexto Bakairi. Quím. Nova Esc., v.37, n.4, 2015, p.249-256.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e Ensino de Língua: uma questão pouco “falada”. In: DIONÍSIO, A. P., BEZERRA, M. A. (Orgs.). O livro didático de Português: múltiplos olhares. 3. Ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

______. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MORELO, B. Leitura e escrita na universidade para estudantes indígenas: princípios e práticas pedagógicas para uma ação de permanência nos campos das linguagens. 2014. 188f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

MOURA, L. B. A. de; MAKIUCHI, M. F. R. de; EUZEBIO, U. Educação superior indígena: algumas reflexões na Universidade de Brasília. In: Zaneti, I. C. B. B. et al. (Orgs.). Programa Conexões de Saberes em cinco tempos. Brasília: Cidade Gráfica e Editora, 2014, p. 39-49.

NUNES, S. M. T. et al. O ensino CTS em educação química: uma oficina para professores e alunos do curso de licenciatura em química da UFG. Poiésis Pedagógica. v. 7, 2009, p.93-108

PAIVA, V. L. M. O. de. Teoria sociocultural. In ______. Aquisição de segunda língua. São Paulo: Parábola, 2014.

ROJO, R. Alfabetismo(s) – Desenvolvimento de competências de leitura e escrita. In: ______. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROTTAVA, L. A perspectiva dialógica na construção de sentidos em leitura e escrita. Linguagem & Ensino, Vol. 2, No. 2, 1999, p. 145-160.

RUSSO, K.; DINIZ, E. Políticas de ação afirmativa e o direito à educação: desafios de acesso e permanência de estudantes indígenas no estado do Rio de Janeiro. Periferia Educação Cultura & Comunicação. v. 7, n. 1, 2015. p. 46-65.

SANTOS, Roberto Ramos. Índios e universidade: os caminhos da educação superior indígena na amazônia brasileira - Roraima. Indagatio Didactica, v. 7, n. 4, 2015. p. 39-61.

SARTORELLO, Stefano Claudio. Convivencia y conflicto intelectual: jóvenes universitarios indígenas y mestizos en la Universidade Intercultural de Chiapas. REMIE, v. 21, n. 70, 2016, p. 718-757.

SCHOFFEN, J. R.; GOMES, M. S.da; SCHLATTER, M. Tarefas de leitura e produção de texto com base na noção bakhtiniana de gêneros do discurso. In: Silva, K. A., Santos, D. T. (Orgs.). Português como língua (inter)nacional: faces e interfaces. Campinas: Pontes, 2013.

SILVA, L. G. da; LIMA, S. C. de. Desafios da formação de professores indígenas no Brasil: contribuições geográficas. Revista Interface. v. 11, 2016, p. 89-104.

SOARES, D. de A. Produção e revisão textual: um guia para professores de Português e de Línguas Estrangeiras. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SOUSA J. N. R. de Os desafios dos estudantes e das instituições no convênio FUNAI – UNB. 2009, 85 f. Monografia (Especialização em Indigenismo e Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

THIOLLENT, Michel. Pesquisa-ação nas organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

TORQUATO JÚNIOR, E. Prolind: uma realidade no processo de formação de professores indígenas. Revista de Estudos Linguísticos, Culturais e da Contemporaneidade, n. 18b, 2016. p. 155-163.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v11i27.5660

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.