Hibridismo e intertextualidade no poema em estilo épico: romanceiro da inconfidência e invenção do mar

Rosidelma Pereira Fraga, Jamesson Buarque de Souza

Resumo


Neste artigo objetiva-se investigar a formação do hibridismo epilírico nas obras poéticas Romanceiro da inconfidência (1987), de Cecília Meireles e Invenção do mar (1997), de Gerardo Mello Mourão. É possível ao leitor concebê-las a partir de uma pesquisa estética. Cecília Meireles pauta-se na inconfidência mineira e na sua recriação imaginária e realizações intertextuais, mesclando os gêneros lírico, épico e dramático. Elegemos os pressupostos teóricos e críticos, a saber: Aristóteles, Hegel, Goethe e Schiller, Victor Hugo, Emil Staiger, George Luckás, Julia Kristeva, Jamesson Buarque de Souza, Goiandira Ortiz de Camargo, dentre outros.

Palavras-chave


Hibridismo. Intertextualidade.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.