Memória e trajeto secular: os terena como protagonista de sua história

Rosalvo Ivarra Ortiz, Noêmia dos Santos Pereira Moura

Resumo


O presente artigo possui como objetivo apresentar duas situações de protagonismo Terena na luta pela terra ao longo do século XX e historiar o movimento Terena em defesa de seus direitos. A metodologia utilizada foi à história oral e a etnografia (trabalho de campo), portanto um diálogo entre a História Indígena e a Antropologia. Os resultados apresentados foram de intensa movimentação dos indígenas para recuperação de seus territórios tradicionais. As duas situações reivindicativas em destaque demonstram que essa etnia e seus “guerreiros” (autodenominação dos homens que vão para frente dos embates com os fazendeiros) estão dispostos a retomar seus territórios, ao menos esses dos quais não se apartaram, para dar continuidade ao seu jeito de ser Terena. Os Terena atuais, pelo que pudemos perceber, foi tomando consciência de seu lugar social na sociedade brasileira. A partir desse movimento foram traçando novas estratégias políticas para ocupar novos espaços sócio-políticos. A arte da dissimulação faz parte do conjunto de táticas de negociação dos Terena e é amplamente utilizada pelas lideranças. Essas costumam concordar e aceitar as propostas que lhes são feitas em espaços não-indígenas de poder. Muitas vezes se comprometem a desenvolver as atividades propostas que lhes são favoráveis. Ou seja, concordam e se propõem a executar as atividades desde que sua população o aceite. Entretanto, se o grupo de apoio na aldeia discordar dos encaminhamentos propostos, simplesmente engaveta o projeto e suas ações.

Palavras-chave


Protagonismo. Movimento indígena. Territórios.

Texto completo:

PDF

Referências


SILVA, F. A. Mudança Cultural dos Terena. Revista do Museu Paulista, .São Paulo, nº 8, V. III, 1948.

AZANHA, G. As Terras Indígenas Terena no Mato Grosso do Sul. Revista de Estudos e Pesquisas, FUNAI, Brasília, v.2, n.1, p.61-111, jul. 2004

CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CUNHA, M. C. Legislação indigenista do século XIX – Uma compilação (1808-1889). São Paulo: EDUSP: Comissão Pró-Índio de São Paulo, 1992.

FERREIRA, A. C. Tutela e Resistência Indígena: Etnografia e História das Relações de Poder entre os Terena e o Estado Brasileiro. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Museu Nacional; Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007.

FUNAI. Relatório de 1925, apresentado para o Senhor Doutor José Bezerra Cavalcante – Director do Serviço de Proteção aos Índios. Microfilme 379, fotg. 1600-1614, DEDOC, Arquivo da FUNAI, Brasília).

HORTA BARBOSA, N. B. Memorial relativo à demarcação das Terras de Brejão. Campo Grande, 1924, 27 pp. In: Processo 1059/82, CGAF, FUNAI, Brasília.

LUCIANO, G. J. dos S. O Índio Brasileiro: O que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de Hoje. 1. ed. Brasília: MEC/SECAD MUSEU NACIONAL/UFRJ, 2006. v. 1. 232p.

MOURA, N. S. P. O Processo de Terenização do Crisitanismo na Terra Indígena TAUNAY/IPEGUE no século XX. Doutorado em Ciências Sociais, UNICAMP-SP, 2009.

SANT’ANA, G. R. A Dinâmica do associativismo Terena no espaço Urbano. Marília, SP, Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, 2004. (não publicada).




DOI: https://doi.org/10.30612/re-ufgd.v4i8.8123



RealizAção - Revista on-line de Extensão e Cultura
ISSN 2358-3401

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.