A relevância da imagem e do movimento corporal no processo de aprender e ensinar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v11iesp.2.16482

Palavras-chave:

Imagem, Movimento, Ensino, Aprendizagem, Formação

Resumo

Este estudo originou-se das observações feitas pelas autoras sobre as diferentes formas de compreender a relevância da imagem e do movimento corporal no processo de Aprender e Ensinar. Para contextualizar esse processo educacional e somático foram aplicadas dinâmicas visuais para participantes matriculados no curso de extensão Corpo, Formação Humana e Sociedade - da UFGD com o objetivo de fazer com que o participante conhecesse a ideia de todos os outros; identificasse, além da diversidade de ideias, uma variedade de modos de ver e pensar a mesma imagem ou movimento corporal, levando-o ao desenvolvimento do próprio método de pensar ou de uma reflexão coletiva e, por fim, de melhorar a participação e o envolvimento dos alunos. Para isso, nos pautamos na teoria de John Hattie (2017) sobre a Aprendizagem Visível e utilizamos como metodologia a Rotina de pensamento Zoom. Foram apresentadas quatro imagens e, para a observação e análise destas, fizemos 3 perguntas: O que você vê? O que pensa que poderia ser? Quais são suas próprias inferências e conclusões do que viu e pensou? Pelos relatos dos participantes, ficou claro o entendimento da dinâmica do zoom e que a descrição e a análise das imagens puderam ser feitas através do repertório de conhecimento de cada aprendente. Ao escutar o que é dito, entramos em contato com o repertório de palavras e de pensamentos do aprendente, como ele age e reage diante das situações ali postas e de que maneira as resolve. Observando o aprendente durante a execução da tarefa, percebemos atitudes que podem ser o elemento dificultador da aprendizagem ou mesmo ser o motivo do não aprender. Analisamos o quanto essa relação do ensinar-aprender mostrou-se ser um reflexo do ambiente em que vivemos; que o olhar para o aprender é processual e devido às nossas heranças adquirimos conhecimentos, como também os transmitimos, nos transformando em outros “eus”. Assim, quando nos tornamos outros “eus”, os caminhos que escolhemos, qualquer que seja ele, terá um aprendizado que fica marcado em nós, em nosso corpo e que essas impressões não devem ser qualificadas em positivas ou negativas, mas em sinais e assinaturas que nos constroem enquanto um ser singular. Sabemos que tais marcas podem nos ajudar ou nos prejudicar em nossos processos de formação, por isso é preciso encontrar estratégias de constante desmantelamento de tendências à estagnação, por meio de práticas de transformação de si, para aumentarmos o nosso potencial criativo e que nos inspire a constante mudanças necessárias para a nossa evolução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evanize Kelli Siviero Romarco, Universidade Federal de Viçosa

Professora efetiva do curso de dança da UFV/MG.

Ivana Bittencourt, Universidade Federal da Bahia

Licenciada em Dança (UFBA).

Referências

ABREU, Vinícius Cavalcante. Sobre a mania de querer mudar o outro. Multiverso Terapêutico, 1 mai0 2017. Disponível em: http://web.archive.org/web/20211020112238/multiversoterapeutico.com.br/2017/05/01/sobre-a-mania-de-querer-mudar-o-outro/. Acesso em:15 out. 2020.

ESCULTURA de Skakespeare. Low Cost Design, [s.d.]. Disponível em: https://www.lcdonline.com.br/escultura-shakespeare-dourado-envelhecido. Acesso em: 05 jun. 2021.

FERNÁNDEZ, A. O saber em jogo: A psicopedagogia propiciando autoria de pensamento. Trad. HICKEL, Neuza Kern. Porto Alegre: Artmed, 2010.

FURLAN, D. Esculpir o corpo. Denise Furlan, 2013. Disponível em: https://denisefurlan.wordpress.com/2013/02/05/esculpir-o-corpo/. Acesso: 05 jun. 2021.

GARCIA, J. O poder de gerir o eu. Jornal Entre Rios, 4 jan. 2020. p. VII. Disponível em: https://www.entreriosjornal.com.br/coluna-o-poder-de-gerir-o-eu-parte-vii-1276. Acesso em: 15 out. 2020.

HATTIE, J. Aprendizagem Visível para Professores: Como Maximizar o Impacto da Aprendizagem. Trad. Luís Fernando Marques Dorvillé. Porto Alegre: Penso, 2017.

JOLY, M. Introdução à análise da imagem. Lisboa: Ed.70, 2007.

KASTRUP, V. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educ. Soc., Campinas, v. 26, n. 93, p. 1273-1288, set./dez. 2005. DOI: 10.1590/S0101-73302005000400010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/bG374G5nJQ6jtVgCbb7Vsvb/?lang=pt. Acesso em: 10 abr. 2021.

LENCASTRE, J. A. N. Rotinas de pensamento: construindo uma cultura do pensar para o desenvolvimento da autonomia intelectual e moral. 2017. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2017.

MENDES, A. M. Metodologia para análise de imagens fixas. Belo Horizonte, MG: PPGCOM UFMG, 2019.

PICHÓN-RIVIÉRE, E. Processo Grupal. Trad. Marco Aurélio Fernandes Velloso e Maria Stella Gonçalves. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PROFESSORA na Pandemia (Stella Nicolau) - part. Felipe Bemol. [S. l.: s. n.]. 2020. 1 vídeo (3 min). Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=ZzAYLN_atbE. Acesso em: 20 out. 2020.

PROJECTO ZERO. 2019. Disponível em: https://escolascritique.com.br/2019/05/02/conhecendo-o-projeto-zero-de-perto/. Acesso em: 05 ago.2021.

RITCHART, R.; PERKINS, D. Making Thinking Visible. Teaching Students to Think, v. 65, n. 5, p. 57-6, 2008. Disponível em: http://www.pz.harvard.edu/sites/default/files/makingthinkingvisibleEL.pdf. Acesso em: 03 ago. 2020.

ROLNIK, S. À sombra da cidadania: alteridade, homem da ética e reinvenção da democracia. Texto elaborado da fala proferida na mesa-redonda Cidadania e alteridade. In: ENCONTRO REGIONAL DE PSICOLOGIA SOCIAL DA ABRAPSO, 4., 1992, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: PUCSP 1992. Disponível em: http://www4.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/homemetica.pdf. Acesso em: 10 de set. 2018.

VISCA, J. Psicopedagogia e teoria da epistemologia convergente: Novas contribuições. Curitiba: Editora Intersaberes, 2020.

Publicado

2021-11-30

Como Citar

ROMARCO, Evanize Kelli Siviero; BITTENCOURT, Ivana. A relevância da imagem e do movimento corporal no processo de aprender e ensinar. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 11, n. esp.2, p. e021027, 2021. DOI: 10.30612/eduf.v11iesp.2.16482. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/educacao/article/view/16482. Acesso em: 13 jul. 2024.