As vivências nas rodas como fundamentos de ciências e encantamentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/eduf.v11iesp.2.16481

Palavras-chave:

Educação, Rodas, Brincadeiras

Resumo

Este artigo tem como objetivo partilhar experiências desde as rodas, danças e brincadeiras das culturas brasileiras, reconhecendo estes lugares enquanto espaços potentes para exercitarmos um projeto de educação que valorize e reconheça diferentes saberes. Então, fundamentadas nas nossas trajetórias, experiências e em diálogo com autores, autoras construiremos os caminhos para o diálogo neste trabalho. Sabendo que aprendemos e ensinamos a todo o tempo, em diferentes espaços, e que a vida é oportunidade de compartilhar saberes e experiências, apresentamos aqui algumas reflexões, desde as nossas experiências em educação envolvendo temas como a ludicidade, coletividade, relações étnico-raciais e brincadeiras. Como resultados desta trama tecida a tantas cores, desenhos e possibilidades, desejamos ampliar caminhos para que cada vez mais possamos exercer com responsabilidade nosso fazer pedagógico e que este seja pluriversal, reconhecendo e respeitando a diversidade de saberes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Aparecida Leite, Universidade de Brasília

Professora-formadora no Centro de Vivências Lúdicas – Oficinas Pedagógicas da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.

Vivian Parreira da Silva, Universidade Federal de São Carlos

Doutora em educação pela Universidade Federal de São Carlos.

Referências

BRASIL. Leis e Decretos. Lei n. 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 22 maio 2021.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm. Acesso em: 2 maio 2021.

CAUSSI, J. R. Docência compartilhada nos Anos Iniciais do Ensino fundamental de 09 anos. 2013. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/88077. Acesso em 6 maio 2021.

DALTRO, M. R.; FARIA, A. A. Relato experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 19, n. 1, p. 223-237, 2019. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=451859860013. Acesso em: 19 jul. 2021.

FOGANHOLI, C. Educar e educar-se na diversidade: Uma relação com as danças das culturas populares no Brasil e em Moçambique. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, M. F.; SILVA, J. A. N. (org.). Africanidades, afrobrasilidades e processo (des)colonizador: contribuições à implementação da Lei 10.639/03. João Pessoa: Editora UFPB, 2018. 407 p. ISBN: 978-85-237-1340-9.

LEITE, C. A. Rodas de Brincar: Uma proposta com atividades lúdico-corporais junto aos professores-formadores das Oficinas Pedagógicas do DF. Curitiba: Editora CRV, 2019.

LUCKESI, C. Educação, Ludicidade e prevenção das neuroses futuras: Uma proposta pedagógica a partir da Biossíntese. Salvador: UFBA, 2000.

ROSINHA. As cantigas de Lia. São Paulo: Editora do Brasil, 2012.

SANTOS, A. B. Colonização, Quilombos. Modos e Significados. Brasília: Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa, 2015.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 31-83.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, V. P. Do chocalho ao Bastão: Processos Educativos do Terno de Congado Marinheiro de São Benedito – Uberlândia-MG. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2011.

SILVA, V. P. Jongo na escola: contribuições para e na educação das relações étnico-raciais. 2020. 247 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2020.

SIMAS, L. A.; RUFINO, L. Flecha no Tempo. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

TAVARES, J. C. Diáspora africana: a experiência negra de interleculturalidade. Cadernos Penesb, Rio de Janeiro, n. 10, p. 77-86, jan./jun. 2008/2010.

TEDLA, E. Sankofa, african thought and education. New York: Peter Lang, 1995.

Publicado

2021-11-30

Como Citar

LEITE, Cristina Aparecida; SILVA, Vivian Parreira da. As vivências nas rodas como fundamentos de ciências e encantamentos. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 11, n. esp.2, p. e021026, 2021. DOI: 10.30612/eduf.v11iesp.2.16481. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/educacao/article/view/16481. Acesso em: 13 jul. 2024.