A permanência de estudantes cotistas na UFPB em cursos de alto e baixo prestígio social

Edineide Jezine, Sânya Teles Barbosa

Resumo


O artigo objetiva discutir a permanência dos sujeitos ingressos por políticas de cotas no contexto da expansão do sistema de ensino superior, associado às políticas de democratização do acesso e inclusão social. Baseia-se na premissa de que as políticas de expansão da década de 1990 favoreceram a constituição de um sistema de ensino superior híbrido, dada a expansão do acesso, a estruturação pelos setores público e privado e as políticas de inclusão social. O lócus de análise é a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e os cursos de Pedagogia e Direito (Campus I), cursos considerados de baixo e alto prestígio social para o mercado de bens simbólicos, respectivamente. A pesquisa caracteriza uma abordagem qualitativa, exploratória e analítica, fundamentada no pensamento de Bourdieu a partir das categorias teóricas de capital simbólico, capital cultural e prestígio social. Para a coleta de dados foi aplicada a “Escala para Avaliação da Permanência Discente” (CASTELO BRANCO; NAKAMURA; JEZINE, 2017), na qual buscamos traçar o perfil dos entrevistados pré-concluintes e concluintes, a fim de reconhecer os fatores institucionais que contribuem para a permanência. Nesses termos, os dados indicam que o acesso ou não a bens culturais gera diferenças sociais que podem ser minimizadas a partir de políticas que consideram as distintas oportunidades.

Palavras-chave


Ensino Superior; Permanência e prestígio social

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, R. S. de. Expansão do ensino superior e desenvolvimentismo: limites e contradições sob a hegemonia do capital. Educação & Fronteiras On-Line, Dourados –MS, v. 6, n. 6, 2016, p. 93 – 105. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/5713. Acesso em: 28 de jul. de 2019.

BERGIER, B.; XYPAS C. Para uma sociologia do improvável. Percursos atípicos e sucessos inesperáveis na escola francesa. Revista Educação em Questão, v. 47, n. 33, p. 36-58, set./dez. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/5133. Acesso em: 24 fev. 2019.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectivas, 2007.

BOURDIEU, P. Esboço de uma Teoria da Prática. In: ORTIZ, R. (org.). Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BOURDIEU, P. Escritos de Educação. 16ª ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

BOURDIEU, P.; PASSERON J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino (1978). Lisboa: Editorial Veja, 2007.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior 2018: notas estatísticas. Brasília, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/censo_da_educacao_superior_2018-notas_estatisticas.pdf . Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 03 maio 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 6.096, de 24 de abriu de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Brasília: 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 03 maio 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 7.234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil-PNAES. Brasília, 2010. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/ 2010/Decreto/ D7234.htm. Acesso em: 07 jul. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 29 jan. 2019.

CASTELO BRANCO, U. V.; NAKAMURA, P. H.; JEZINE, E. Permanência na educação superior no Brasil: construção de uma escala de medida. Revista de la Asociación de Sociología de la Educación (RASE), v. 10, n. 2, p. 209-229, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/journal/1988-7302_RASE-Revista_de_la_Asociacion_de_Sociologia_de_la_Educacion Acesso em: 23 jan. 2019

CHAVES, V. L. J. Expansão da privatização/mercantilização do ensino superior Brasileiro: a formação dos oligopólios. Educação e Sociedade. Campinas, v. 31, n.111, abr./jun., 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302010000200010&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em: 23 jan. 2019.

GUIMARÃES, A. S. A. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, v.47, no.1, São Paulo, 2004. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012004000100001. Acesso em: 23 fev. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica. Rio de Janeiro, n. 41, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf. Acesso em: 25 jan. 2019.

JEZINE, E.; BITTAR, M. Políticas de Educação Superior no Brasil: expansão, acesso e igualdade social. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

JEZINE, E.; CASTELO BRANCO, U.; NAKAMURA, P. Políticas de Acesso à Educação Superior e os desafios da Inclusão Social. João Pessoa. Editora da UFPB, 2015.

MACEDO, G. D. A Eficácia do Programa de Assistência Estudantil (PNAES) para Permanência dos Ingressantes do Sistema de Cotas na UFPB. Dissertação (Mestrado em Educação). Centro de Educação. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

MORENO, Ana Carolina. Taxa de jovens negros no ensino superior avança, mas ainda é metade da taxa dos brancos. G1 Educação, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/11/06/taxa-de-jovens-negros-no-ensino-superior-avanca-mas-ainda-e-metade-da-taxa-dos-brancos.ghtml. Acesso em: 23 jan. 2019.

SANCHES, C.; MEIRELES, M.; DE SORDI, J. O. Análise Qualitativa Por Meio da Lógica Paraconsistente: Método de Interpretação e Síntese de Informação obtida Por Escalas Likert. In: Encontro de Ensino e Pesquisa em Contabilidade e Administração, 3, 2011, João Pessoa Anais […], João Pessoa: EnEPQ, 2011.

SGUISSARDI, V. Educação Superior no Brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 867-889, out.-dez., 2015 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v36n133/1678-4626-es-36-133-00867.pdf . Acesso em: 23 jan. 2019.

SGUISSARDI, V. Modelo de expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Educação e Sociedade, Campinas v. 29, n. 105, set./dez., 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302008000400004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 24 de fev. 2019.

SOUZA, Daniele Graciane; SILVEIRA, Adriana Dragone. O direito à educação e a permanência estudantil na UFPR: uma análise da política de assistência estudantil. Educação e Fronteiras On-Line, Dourados –MS, v. 6, n. 16, 2016, p. 106 – 119. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/5700. Acesso em: 28 de jul. de 2019.

SUPERINTENDÊNCIA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – STI/ UFPB. 2016. Disponível em: http://www.ufpb.br/content/sti-informe. Acesso em: 11 nov. 2018.

XYPAS, C. Condições sociológicas do êxito escolar de alunos de origem popular. Crítica Educativa, Sorocaba/SP, v. 3, n. 1, p. 5-18, jan./jun., 2017. Disponível em: http://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/214/243. Acesso em: 23 jan. 2019.

XYPAS, C.; SANTOS, S. C. M. Reconhecimento social e sucesso escolar de alunos de origem popular: aspectos teórico-metodológicos. In: SOUSA, A.T.; ARAUJO, H. M. L. Investigação em educação: diversidade de saberes e de práticas. Teresina: Imprece Editora, vol. 3, 2015, p. 215-227.

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares camadas. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, p.226-238, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n32/a03v11n32.pdf Acesso em: 20 de jan. 2019.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v10i29.14174

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.