Buster Keaton: um corpo pós-humano?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v12i31.7810

Palavras-chave:

Buster Keaton. Corpo. Pós-humano.

Resumo

Neste artigo, discuto a possibilidade de se relacionar as manifestações corporais do ator/diretor de comédia Buster Keaton em seus filmes com o conceito de pós-humano, principalmente sua visão de novas configurações corporais. Algumas características específicas dessa manifestação corporal de Buster poderiam indicar essa aproximação: um tipo de relação com o seu ambiente, numa espécie de simbiose com objetos, animais e máquinas; uma diluição das identidades e das fronteiras, em um estado constante de “estar-entre”; e uma superação das limitações do humano. A discussão é organizada em três partes. Em primeiro lugar, introduzo o cinema de Buster Keaton, com o objetivo de apontar algumas características centrais para a análise que se sucede, principalmente com relação à manifestação corporal de seu personagem. Na sequência, são pontuadas algumas discussões sobre o pós-humano, tanto enquanto campo de pesquisas, quanto enquanto termo que indica novas vivências e configurações do humano na contemporaneidade. Por fim, algumas leituras sobre a obra de Keaton são empreendidas no diálogo com os debates sobre a pós-humanidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Rossi Ambiel Facini, Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Estudos da Linguagem.

Graduado em Letras pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), 2013. Mestre em Linguística Aplicada pela UNICAMP (IEL), 2016. Aluno do Doutorado em Linguística Aplicada pela UNICAMP (IEL), a partir de 2016 (Orientado por Daniela Palma). Áreas de interesse: cinema, tradução/adaptação, materialidades da comunicação, estudos de mídia, estudos sobre imagem, estudos culturais. Endereço para acessar o Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7423300846519862

Referências

AUMONT, J.; MARIE, M. Dicionário teórico e crítico de cinema. Tradução de Heloísa Araújo Ribeiro. 5. ed. Campinas: Papirus, 2012, p.37.

BAECQUE, A.. Telas: o corpo no cinema. In: COURTINE, J. J. (org.). História do corpo: 3. As mutações do olhar: O século XX. Tradução de Ephraim F. Alves. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2008, pp. 481-507.

CLAYTON, A. The body i Hollywood Slapstick. Carolina do Norte: McFarland & Company, 2007.

COUSINS, M. História do cinema: dos clássicos mudos ao cinema moderno. Tradução de Cecília Camargo Bartalotti. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

FELINTO, E.; SANTAELLA, L. O explorador de abismos: Vilém Flusser e o pós-humanismo. São Paulo: Paulus, 2012.

HUNTER, R. A comédia muda. In: KEMP, P. (Org.). Tudo sobre cinema. Tradução de Fabiano Morais et al. Rio de Janeiro: Sextante, 2011, pp. 62-63.

JULLIER, L.; MARIE, M. Lendo as imagens do cinema. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009.

MICHAUD, Y. Visualizações: o corpo e as artes visuais. In: COURTINE, J. J. (org.). História do corpo: 3. As mutações do olhar: O século XX. Tradução de Ephraim F. Alves. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2008, pp. 541-565.

SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibernética. 2 ed. São Paulo: Paulus, 2004.

SMITH, I. H. A general. In: KEMP, P. (Org.). Tudo sobre cinema. Tradução de Fabiano Morais et al. Rio de Janeiro: Sextante, 2011, pp. 66-67.

TESSÉ, J.-P.. Le burlesque. Paris: Cahiers du cinéma, 2007.

Downloads

Publicado

2018-12-12

Como Citar

Facini, D. R. A. (2018). Buster Keaton: um corpo pós-humano?. Raído, 12(31), 169–182. https://doi.org/10.30612/raido.v12i31.7810

Edição

Seção

CALEIDOSCORPO: AS LUMINOSIDADES QUE TRANSVÊEM O CORPO