A viagem como busca utópica em Não verás país nenhum, de Ignácio de Loyola Brandão

Autores

  • Ramiro Giroldo UFMS
  • Carla dos Santos Meneses Campos UFMS

DOI:

https://doi.org/10.30612/raido.v12i29.7766

Palavras-chave:

Viagem. Utopia. Distopia. Ignácio de Loyola Brandão. Não verás país nenhum.

Resumo

A viagem empreendida pelo protagonista do romance Não verás país nenhum (1981), de Ignácio de Loyola Brandão, mostra o limiar entre a degradação promovida pelos detentores do poder e o desespero daqueles que buscam a sobrevivência. Trata-se de uma viagem que, ela própria, acaba por se revelar uma difusa procura por uma utopia. Este texto discute a viagem e sua relação com a utopia, assinalando possíveis analogias entre os deslocamentos do protagonista e a “viagem imaginária”, compreendida como uma predecessora da “literatura informativa” em voga até o século XIX. Para fundamentar o trabalho, recorreu-se a Causo (2003), com ênfase nas questões da “viagem imaginária” em relação com a utopia, bem como a Ginway (2005), para explorar as especificidades da distopia brasileira. O interesse é abordar uma peculiaridade do romance: nele, a viagem prenhe de significado e revelações se dá na mesma cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ramiro Giroldo, UFMS

Possui graduação em Letras-Inglês pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2005), mestrado em Estudos de Linguagens pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2008) e doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2012). Atualmente é Professor Adjunto A da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira contemporânea, ficção científica, utopia e autoritarismo.

Carla dos Santos Meneses Campos, UFMS

Licenciada em Letras - Português/Inglês (UFMS), realizou Iniciação Científica por dois anos consecutivos com financiamento do CNPq - no primeiro, conduziu uma pesquisa na área de semiótica discursiva; no segundo, sobre a distopia de Ignácio de Loyola Brandão.

Referências

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43 ed. São Paulo: Cultrix, 2000.

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Não verás país nenhum. São Paulo: Global Editora, 1985.

CAUSO, Roberto de Sousa. Ficção científica, fantasia e horror no Brasil – 1875 a 1950. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

GINWAY, Mary Elizabeth. Ficção científica brasileira: mitos culturais e nacionalidade no país do futuro. Tradução de Roberto de Sousa Causo. São Paulo: Devir, 2005.

HUXLEY, Aldous. Admirável Mundo Novo. Rio de Janeiro: Editora Globo, 15ª Edição, 1987.

MORE, Thomas. Utopia. Tradução de Jefferson Luiz Camargo e Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ORWELL, George. 1984. Tradução de Alexandre Hubner e Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

SANTEE, Daniel Derrel. Modern Utopia: a reading of Brave New World, Nineteen Eighty-Four, and Woman on the Edge of Time in the light of More’s Utopia. Florianópolis, 1988. Dissertação (Mestrado em Letras), UFSC. Disponível em: http://www.ead.ufms.br/letras/daniel/thesis/ Acesso em: 14 dez. 2005.

Downloads

Publicado

2018-12-05

Como Citar

Giroldo, R., & Campos, C. dos S. M. (2018). A viagem como busca utópica em Não verás país nenhum, de Ignácio de Loyola Brandão. Raído, 12(29), 125–134. https://doi.org/10.30612/raido.v12i29.7766

Edição

Seção

DO FANTÁSTICO E SEUS ARREDORES