Alice no espelho: o recurso ao fantástico na formação de leitores juvenis

Alessandra Oliveira dos Santos Beltramim, Mírian Hisae Yaegashi Zappone

Resumo


O presente artigo apresenta uma leitura da obra Alice no espelho, de Laura Bergallo, publicada em 2005, integrando a Coleção Muriqui da editora SM. A partir da análise fundamentada nos referenciais da Literatura Fantástica, verifica-se que, no contexto da produção literária endereçada ao público juvenil, esta obra literária consegue superar as possíveis pretensões didatizantes e moralizantes da coleção e se reveste de valor e qualidade ao recorrer aos fundamentos do fantástico como estratégia para a problematização desse tema de forte apelo didático e mercadológico como é a anorexia. A autorreferencialidade, presente na remissão explícita à obra de Lewis Carrol, a criação de um ambiente paralelo e o recurso ao duplo e à hesitação se configuram como estratégias a partir das quais se viabiliza a discussão de um tema complexo e problemático, no meio juvenil, de modo leve, mas nem por isso, menos profundo.

Palavras-chave


Literatura Juvenil. Literatura fantástica. Alice no espelho.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BERGALLO, L. Alice no espelho. São Paulo: Edições SM, 2005. – (Muriqui)

BERMAN, M. Tudo o que é sólido desmancha no ar:a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

COELHO, N. N. Panorama Histórico da Literatura Infantil/Juvenil: das origens indo-europeias ao Brasil contemporâneo. 5 ed. - Barueri, SP: Manole, 2010.

COVIZZI, L. M. O Insólito em Guimarães Rosa e Borges. São Paulo: Ática, 1978.

FAIVRE, A. Gènese d’un genre narratif, le fantastique (essai de périodisation) – Gênese de um gênero narrativo, o fantástico (ensaio de periodização). In: Colloque de Cerisy – La litterature fantastique, Albin Michel, Paris, 1991, pp. 15 a 41.

FREUD, S. O inquietante. In: Obras Completas. Vol. 14. São Paulo: Companhia das Letras, p. 329-376, 2010 (Coleção Novelas Imortais).

GAMA-KHALIL, M. M. A literatura fantástica: gênero ou modo?. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários. v.26, nº 1-130, p.18-31, 2013). Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2017.

HOFFMANN, ETA. O homem da areia. In: SABINO, Fernando (Org). O homem da areia. 1. ed. São Paulo: Rocco, 2010.

MATIA, K. C. A Narrativa Juvenil Brasileira: Entre Temas e Formas, O Fantástico, 182 f. Tese (Doutorado em Letras – Estudos literários): Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

MARTHA, A. A. P. Anos de chumbo na perspectiva da narrativa juvenil contemporânea: Ordem, sem lugar, sem rir, sem falar, de Leusa Araujo. In: 2º CIELLI: Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários , 2012, Maringá: Anais Eletrônicos. Maringá: UEM (Estudos Literários). Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2013.

PIERINI, F. L. Mirna Pinski e o Conto fantástico. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2018.

PIERINI, F. L. Sexto sentido, Corpo fechado e Sinais – filmes dentro das teorias literárias. Revista JIOP, nº 1 – Maringá: Departamento de Letras da UEM, 2010. Disponível em: . Acesso: 08 nov. 2017.

TODOROV, T. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1975.

VOLOBUEF, K.. Uma Leitura do Fantástico: a invenção de Morel (A. B. Casares) e O processo (F. Kafka). Revista Letras, Curitiba, n. 53, p. 109-123, jun. 2000. Disponível em: . Acesso: 08 fev. 2018.




DOI: https://doi.org/10.30612/raido.v12i29.7741

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.